O poder e a importância das boas perguntas para os filhos de Deus

Acho que é certo dizer que todos nós temos muitas perguntas.

Há perguntas que têm menos consequências: O que vou comer no jantar esta noite? O que vai acontecer no próximo episódio do meu programa de TV favorito? Terei tempo para fazer exercícios depois do trabalho?

E há aquelas que são mais significativas: Como posso receber melhor a revelação? Como posso priorizar o estudo das escrituras? Como posso ter mais esperança?

Talvez suas perguntas sejam semelhantes, embora o tópico possa ser diferente. Talvez as suas perguntas sejam mais do tipo: Deus realmente existe? Joseph Smith é um profeta? Posso perdoar essa pessoa? Como um Deus amoroso pode permitir tanta dor, sofrimento, doença e tristeza no mundo?

Às vezes, as perguntas comandam nossos pensamentos. Eles determinam nossas ações, nossas escolhas e o que faremos a seguir com nossas vidas. Anos atrás, assisti a uma palestra no campus da Universidade Brigham Young sobre perguntas.

Marguerite Gong Hancock, vice-presidente de inovação e diretora do centro exponencial do Computer History Museum no Vale do Silício, falou durante o evento.

Em sua apresentação registrada pela BYU College of Humanities, ela disse que vivemos em uma época tão avançada que o Google pode até antecipar nossa pergunta antes que ela seja feita.

Ela então incitou o público a considerar se estamos usando as ferramentas e informações disponíveis para fazermos boas perguntas – do tipo que o Google não pode antecipar.

Essa natureza curiosa dos humanos é fundamental para quem somos. Isso nos diferencia, essa capacidade de questionar”, disse ela.

Acho essa afirmação fascinante. Como humanos, se as perguntas nos diferenciam e nos capacitam no mundo da inovação, como podemos nos beneficiar ao fazer boas perguntas de natureza espiritual?

Perguntar

Talvez um dos exemplos mais importantes de um questionador na história da Igreja tenha sido Joseph Smith.

O versículo tão conhecido em Tiago 1:5 incentiva: “Se algum de vós tem falta de sabedoria, peça-a a Deus”.

Joseph certamente tinha muitas perguntas em mente que gostaria de fazer. Em Joseph Smith – História 1:10 lemos:

“Muitas vezes disse a mim mesmo: Que deve ser feito? Quem, dentre todos esses grupos está certo, ou estão todos igualmente errados? Se algum deles é correto, qual é, e como poderei sabê-lo?”

Joseph Smith recebeu uma resposta para suas perguntas. E não foi qualquer resposta – foi uma resposta gloriosa e direta do Pai e do Filho que o instruiu a não se filiar a nenhuma igreja porque nenhuma delas estava correta.

Esse é o tipo de resposta que alguns de nós gostariam de ter na ocasião: um claro sim ou não, uma resposta direta sobre por que isso aconteceu ou não.

Mas se pensarmos em quando essas perguntas estavam na mente de Joseph – se fôssemos nos colocar no lugar dele antes que ele tivesse uma resposta, o que encontraríamos?

Encontraríamos apenas um menino que estava aflito, mesmo sem saber o que fazer.

Existem muitos outros exemplos nas escrituras de pessoas que tiveram problemas e fizeram perguntas a Deus.

Em Enos 1:7, o profeta do Livro de Mórmon sentiu que seus pecados foram perdoados e perguntou: “Senhor, como isso aconteceu?” quando ele sentiu sua culpa sendo retirada.

Ao saber que sua fé o havia curado, Enos abriu sua alma por seus irmãos com um pedido muito específico em mente, que um registro dos nefitas fosse preservado se o povo fosse destruído e que o registro trouxesse salvação aos lamanitas.

No versículo 15, Enos recebe esta resposta:

“Tudo quanto pedires com fé, acreditando que receberás em nome de Cristo, tu receberás.”

Da mesma forma, no Velho Testamento, Ana estava sobrecarregada, tanto que não comia, lamentando não poder ter filhos.

Com “amargura de alma” ela então chorou e orou ao Senhor por um filho, prometendo dá-lo ao Senhor todos os dias de sua vida. Quando ela deu à luz seu bebê, ela o chamou de Samuel e explicou que o motivo “porque eu o pedi ao Senhor” (1 Samuel 1:20).

Os resultados dessas orações, é claro, foram todos positivos: Joseph recebeu orientações claras. Enos sabia que seu desejo seria realizado com base no convênio que fizera. E Ana recebeu um filho.

Nem todos nós teremos nossas orações respondidas de maneira gloriosa ou milagrosa. Na verdade, talvez algumas de nossas perguntas não sejam respondidas nesta vida.

Contudo, embora as respostas que esses indivíduos receberam sejam certamente inspiradoras, para mim, sua dificuldade em perguntar antes de saber o resultado é o que os torna especialmente significativo.

Há momentos, talvez, em que uma pergunta pareça um fardo. Quando você se ajoelha noite após noite buscando uma resposta e o céu parece fechado para algo que você anseia entender.

Quando você espera que o Senhor remova um fardo, mas após uma oração, a provação ainda está lá.

Talvez pareça que o contentamento no evangelho é não ter perguntas ou ter uma resposta rápida para que possamos seguir em frente com a fé.

Mas será que as perguntas não são um presente? Ou são parte do que significa estar vivos como filhos de Deus e se tornar melhor do que somos hoje?

Um evangelho de perguntas

encontrar a verdade, síndrome de impostor

Em 2001, Cecil O. Samuelson, então membro da Presidência dos Setenta, falou em um devocional no campus da BYU sobre “A importância de fazer perguntas”, onde ele compartilhou o seguinte pensamento:

“O evangelho é um evangelho de perguntas, e nossa vida em todas as suas esferas requer uma investigação cuidadosa e apropriada se quisermos progredir. A questão não é se devemos fazer perguntas, mas sim, quais são as perguntas que devemos fazer?”

Isso me faz ponderar que, se este é um evangelho de perguntas, e nossas perguntas levam ao progresso, não deveríamos perguntar mais?

Existem doutrinas das quais poderíamos ter um melhor entendimento se reservássemos tempo para formular nossos pensamentos e perguntar a Deus como aqueles nas escrituras fizeram antes de nós?

Existem verdades eternas que não ponderamos porque não pensamos em perguntar?

O ex-presidente da BYU ensinou que as perguntas são essenciais e as mais importantes são aquelas que lidam com verdades ou questões primordiais.

Ao buscar respostas, ele aconselhou ir às fontes primárias sempre que possível. Por exemplo, pode-se ler comentários sobre o Livro de Mórmon, mas também se deve dedicar algum tempo ao próprio Livro de Mórmon.

Então, ele compartilhou a familiar promessa de Morôni 10:4-5:

“E quando receberdes estas coisas, eu vos exorto a perguntardes a Deus, o Pai Eterno, em nome de Cristo, se estas coisas não são verdadeiras; e se perguntardes com um coração sincero e com real intenção, tendo fé em Cristo, ele vos manifestará a verdade delas pelo poder do Espírito Santo.

E pelo poder do Espírito Santo podeis saber a verdade de todas as coisas.”

Embora estes versículos se apliquem ao recebimento de um testemunho do Livro de Mórmon, pode ir além disso.

Nestes versículos, aprendemos que se pedirmos a Deus com “um coração sincero, com real intenção, tendo fé em Cristo”, iremos “saber a verdade de todas as coisas”.

A resposta não é algumas coisas, mas de todas as coisas. É uma promessa incrível e difícil de compreender: saber a verdade de todas as coisas deveria ser impossível.

Mas se formos direto ao Pai Celestial com nossas perguntas e se o fizermos com a intenção certa, Ele nos responderá.

Talvez demore um pouco, mas talvez refletir sobre nossas perguntas não seja uma coisa tão ruim.

Durante a conferência geral de outubro de 2020, o Presidente Russell M. Nelson fez seis importantes perguntas. Ao ponderarmos sobre nossas questões individuais, talvez também possamos ter isto em mente:

Vocês estão dispostos a permitir que Deus prevaleça em sua vida?

Vocês estão dispostos a permitir que Deus seja a maior influência em sua vida?

Vão permitir que Suas palavras, Seus mandamentos e Seus convênios influenciem o que vocês fazem todos os dias?

Vão permitir que Sua voz tenha prioridade acima de todas as outras?

Estão dispostos a permitir que qualquer coisa que Ele precise que vocês façam tenha precedência sobre quaisquer outras ambições?

Estão dispostos a ter sua vontade absorvida pela vontade Dele?

Enquanto lutamos com nossas perguntas e a busca por respostas define quem somos, espero que o desconhecido seja algo que nos incentive em vez de nos encher de desespero.

Ao nos voltarmos para Deus em busca de direção, espero que essa caminhada nos fortaleça, mesmo que a jornada pareça muito longa e o fardo muito pesado.

E espero, acima de tudo, que continuemos fazendo perguntas, boas perguntas, que nos levem a um lugar melhor do que estávamos antes. Não é isso que Deus pede de nós?

Fonte: LDS Living

| Para refletir

Comente

Seu endereço de e-mail não será divulgado. Os campos obrigatórios estão marcados com *