O guia de sobrevivência para introvertidos em uma igreja extrovertida

Aulas, chamados, reuniões, festas, danças e atividades. Se combinarmos isso tudo, parece que estamos descrevendo um pesadelo para os introvertidos.

Não me entenda mal, nós introvertidos gostamos de estar perto de pessoas (bem, na maioria das vezes). E A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias oferece oportunidades incríveis para conhecer e interagir com as pessoas ao seu redor.

Mas, às vezes parece que estamos no território dos extrovertidos, o que pode ser bem cansativo.

Sempre preferi livros a festas e meus professores constantemente me estimulavam a participar. Muitas vezes, me sentia fora do lugar. Até mesmo me perguntava se havia algo de errado comigo.

Não há nada de errado com você

Susan Cain, autora de Quiet, disse que ser introvertido não significa necessariamente que você é tímido ou socialmente ansioso. Significa apenas que você prefere menos estímulos do que os extrovertidos.

Eu gosto de imaginar uma “bateria social”. A bateria social de um introvertido geralmente acaba mais rápido do que a de um extrovertido.

Talvez você pode ser um pouco mais reservado e menos propenso a falar em grandes grupos. Isso geralmente acontece porque você já está satisfeito em observar os outros que amam os holofotes muito mais do que você.

E o que recarrega a bateria de um introvertido? Você adivinhou. Ficar um tempo sozinho.

Susan afirma que cerca de um terço da população são introvertidos. Então é algo bem comum na sociedade.

Aqui estão algumas maneiras que eu encontrei para “sobreviver” em uma igreja extrovertida, permanecendo introvertida:

aproveitar a conferência ao máximo

1. Estude e se prepare antes da igreja

Embora este seja um ótimo conselho para todos, eu acho que é especialmente útil para introvertidos como eu.

Na Escola Dominical e na Sociedade de Socorro, até eu conseguir formular a maneira de dizer o que eu estou pensando e reunir a coragem para levantar a mão, o tópico já mudou.

Então, se você é como eu, tente o que um das minhas professoras chamou de “período de escrita de dois minutos”. No início da aula, ela nos pedia que escrevêssemos rapidamente o que lembrávamos de nosso estudo. Então nós discutiríamos o que escrevemos. Isso sempre facilitou minha participação na discussão.

Tente anotar seus pensamentos depois (ou mesmo durante) seu estudo pessoal do evangelho. O que se destacou para você? Por quê? Quais são as suas respostas às perguntas do manual “Vem, e Segue-me”? Que perguntas você tem?

Não precisa ser algo elaborado. Traga essas anotações para a igreja com você.

É impossível antecipar todas as perguntas ou tópicos da aula. Mas, muitas vezes acho que essa pequena estratégia pode ajudar muitas pessoas.

Honrar

2. Aproveite as pequenas interações

Eu pessoalmente acho que interagir com grupos menores de pessoas é menos desgastante. Ao conhecer as pessoas uma a uma, a participação de atividades em grupo se torna mais fácil.

Se você gostou do comentário de alguém na Igreja, fale com essa pessoa depois da reunião e compartilhe isso.

Se você teve um pensamento ou pergunta que não conseguiu mencionar durante a aula, converse com o professor ou um amigo depois da aula.

O esforço individual de ministrar também é uma ótima maneira de socializar em menor escala. Leve aqueles que você ministra para tomar sorvete. Convide apenas algumas pessoas para uma noite de cinema.

Apesar do que alguns pensam, você nem sempre precisa ter grandes atividades para socializar.

3. Encontre uma maneira de contribuir usando suas habilidades

Se você sabe tocar um hino no violino se ofereça para tocar na reunião sacramental, ou em uma noite familiar. Se você tem habilidades com design gráfico, se ofereça para fazer algum panfleto para um evento da Igreja.  Se você sabe fazer um bolo delicioso, leve em uma atividade.

Há muitas maneiras de contribuir além de falar e ensinar. Faça uma lista de suas habilidades e talentos e se prepare para ser um voluntário quando surgir a oportunidade. (Essa também é uma ótima maneira das pessoas conhecerem você.)

4. Respeite o limite da sua bateria

Às vezes, sair e se socializar é ótimo para os introvertidos. Muitas vezes fui grato por amigos me arrastarem para atividades e festas. Todos nós devemos sair de nossas zonas de conforto e buscar crescimento.

Uma citação da Irmã Sharon Eubank e da Irmã Reyna Aburto que eu realmente aprecio é que “fazer melhor nem sempre significa fazer mais”. Mas eu acho que neste caso eu gostaria de alterar essa declaração para “ser socialmente aceitável nem sempre significa fazer mais.”

Não sinta que precisa “curar” sua introversão e estar em todas as atividades.

Você está se divertindo na festa junina da ala, mas começou a se sentir cansado e com vontade de ir para casa? Vá para casa!

Teve uma semana exaustiva e você prefere ficar em casa para ler um livro? Fique em casa!

Mas certifique-se de priorizar as reuniões da Igreja, que são essenciais para a salvação de todos, introvertidos ou extrovertidos.

ensina

5. Saiba que o que você compartilha é valorizado

Como eu disse anteriormente, introversão é algo diferente de timidez ou ansiedade social. Mas sentir que algo está errado com você por causa de sua natureza introvertida pode levar a sentimentos de inadequação.

Infelizmente, a verdade é que nem todo mundo vai gostar de você ou do que você tem a dizer. Como escritor na internet, eu aprendi esta lição muitas vezes.

No entanto, sua voz é necessária e valorizada. Como a irmã Bonnie L. Oscarson disse uma vez , “nós realmente precisamos um do outro” e “temos muito a aprender uns com os outros”.

Acredite, alguém vai ser edificado por causa de sua contribuição.

Fonte: Third Hour

Relacionado:

Como fazer amizades no instituto de religião

| Vida dos Santos dos Últimos Dias

Comente

Seu endereço de e-mail não será divulgado. Os campos obrigatórios estão marcados com *