Fugindo do abismo da sobrecarga: dar tempo para as coisas que mais importam

Como a maioria das pessoas hoje em dia, valorizo ​​muito meu tempo.

Pode parecer estranho, mas de vez em quando me pego relembrando minha citação favorita de Henry David Thoreau, o naturalista do século 19 mais conhecido por suas reflexões sobre como levar uma vida simples.

Thoreau alertou contra a banalização da atividade humana quando disse: “Não podemos matar o tempo sem ferir a eternidade.”

Essa é uma das frases mais concisas que podem ser mal interpretadas. Thoreau estava sugerindo que cada minuto de cada dia fosse preenchido com atividades? Não acredito. Na verdade, acho que no contexto de suas preferências minimalistas, ele buscava um uso mais estratégico do nosso tempo.

Também pode ser interessante: Como encontrar a luz de Deus em tempos sombrios

Na atual epidemia de agitação, algumas pessoas se encontram presas em um ciclo perpétuo de atividades. Eles reclamam, mas não sabem (ou talvez não queiram) sair dessa.

Te entendo. Gosto da onda de endorfinas que recebo toda vez que risco algo da minha lista de tarefas diárias. Mas também aprendi a evitar algumas das armadilhas que podemos encontrar ao longo do caminho.

Aqui eu compartilho um exemplo.

Na minha casa tenho uma excelente academia. Possui esteira, máquina para diferentes tipos de exercícios de tonificação muscular, muitos halteres e outros aparelhos. Tudo isso com uma TV de tela plana e janelas com vista para a bela área arborizada que circunda nossa casa.

Então qual é o problema?

O problema é muita conveniência. Imagine-me na esteira. De repente, me lembro de um e-mail que preciso responder. É muito fácil subir as escadas até meu escritório para escrever um e-mail.Então me distraio com outra coisa no computador e … bem, você pode imaginar o resto. Volto para o “trabalho” e não volto para a academia para terminar minha sessão de exercícios.

Existem muitas soluções para isso. Você pode tomar a decisão de nunca fazer exercícios e morrer de uma ou mais das doenças que afetam pessoas sedentárias com sobrepeso.

Minha solução? Alguns dias por semana vou a uma academia mais completa que fica a apenas 335 segundos de minha casa. (Sim, eu marquei).

Nessa academia, tenho acesso a mais aparelhos de ginástica do que poderia usar, além de piscinas, uma ótima quadra coberta e um personal trainer.

Mesmo que eu pense em um e-mail que preciso responder, sempre termino meu treino de spa, aproveitando todas as endorfinas que vêm de fazer os vários exercícios listados no meu iPhone.

Tudo isso é para dizer que vim a entender o que funciona a favor e contra meus esforços para administrar minha atenção às coisas que mais importam para mim.

É aí que entra minha amiga Juliet Funt. Ela é uma especialista (esse termo é usado em demasia, mas ela realmente é uma especialista) em questões relacionadas à produtividade pessoal e organizacional. Seus clientes variam de Spotify, National Geographic e Costco a Nike, Wells Fargo e ESPN.

Juliet Funt

Juliet compartilhou comigo algumas ótimas ideias para aumentar nossa produtividade e simplificar nossas vidas. Agora ela tem um novo livro que aborda o assunto com mais profundidade. É intitulado “Um minuto para pensar: recupere a criatividade, conquiste os negócios e faça o seu melhor trabalho”.

Estas são algumas das minhas lições favoritas.

Vivemos em uma época de sobrecarga

A tirania do urgente muitas vezes nos sujeita a mil formas de pressão e estresse diários. Ironicamente (e perigosamente), muitas vezes estamos ocupados demais para estar menos ocupados.

Uma pausa estratégica pode ser nosso melhor amigo

“Fazer pausas estratégicas entre cada momento da vida nos permite acessar nosso espaço vazio, fazendo tempo para pensar, refletir, descansar e desenvolver a criatividade.”

Sem pausas estratégicas para nos ajudar a acessar esses espaços vazios ou em branco (espaço livre entre tarefas), nossos dias são assim: Trabalho, trabalho, trabalho e mais trabalho.

Se pararmos para fazer uma pausa, nossos dias serão assim: trabalhar, descansar, trabalhar, descansar e assim por diante.


Essas pausas podem nos dar o tempo necessário para atividades como estas: trabalhar, meditar, trabalhar, planejar, trabalhar, criar, trabalhar, sentir, trabalhar, recuperar, trabalhar, divertir-se, etc.

Tudo isso parece óbvio, não é? Mas, como diz Juliet, a triste realidade é que “encontramos, escolhemos e estamos sujeitos a atividades infinitas dentro desses espaços abertos críticos.”

Então, nossos dias são preenchidos com atividades que nos oprimem, tanto em nós como indivíduos quanto em nossas organizações, que esquecemos que o espaço em branco existe em primeiro lugar.

Espaços vazios ou em branco

O uso de espaços em branco é para se recuperar, ter tempo para reiniciar nosso corpo e cérebro exaustos. Usar essa pausa nos ajuda a reduzir, deixar de lado o desnecessário para abrir espaço para o mais importante.

Muita informação nos rouba a excelência

Juliet disse que “o conhecimento é bom, mas os viciados em informação podem cair em um poço sem fundo de painéis, favoritos, planilhas e a Internet”. Muitas das informações que geramos nem mesmo são usadas.

Questões-chave

dudas en la Iglesia

Fazer a nós mesmos as seguintes perguntas pode nos ajudar a entender o que podemos deixar de lado.

  • Posso me livrar de alguma coisa?
  • Até que ponto devo me esforçar?
  • O que eu realmente preciso saber?
  • O que merece minha atenção?
  • Para que coisa importante não estou reservando tempo?

Eu disse a Juliet que o conselho dela é muito bom. A verdade é que suas ideias não são revolucionárias e certamente não são complicadas, mas são muito práticas e eficazes.

Então, eu os convido a encontrar um espaço em branco em sua vida, a respirar fundo e ter um minuto para pensar e relaxar.

Fonte: Meridian Magazine

| Para refletir

Comente

Seu endereço de e-mail não será divulgado. Os campos obrigatórios estão marcados com *