É possível ver quando alguém irradia a luz de Cristo?

Será que é possível vermos a luz de Cristo irradiar de uma pessoa? Veja a opinião de um cientista sobre o assunto.

Para iniciarmos essa discussão, usarei uma citação do Presidente David O. McKay:

“Cada pessoa é um receptor de radiação. O Salvador estava consciente disso. Sempre que ele estava na presença de um indivíduo, ele sentia que a radiação—se era a mulher de Samaria com sua vida passada; se era a mulher que estava para ser apedrejada ou os homens que iriam apedrejá-la; se era o estadista, Nicodemos, um dos leprosos. Ele estava consciente da radiação do indivíduo. E até certo ponto você e eu também. É o que somos e o que irradiamos que afeta as pessoas ao nosso redor.”

Como indicado na declaração do Presidente McKay, vários exemplos podem ser dados de como o Salvador detectava a radiação de luz espiritual de indivíduos ao seu redor.

Não era exclusivo para a detecção de luz espiritual de indivíduos justos; em vez disso, envolvia a detecção de radiação de todos, incluindo aqueles que estavam com problemas, tristes ou em pecado.

O exemplo do Salvador nos diz algo fascinante sobre a percepção da luz espiritual: a alma é capaz de determinar muito mais do que apenas a magnitude ou intensidade da luz.

Nossa capacidade de detectar luz

Para ilustrar isso, lembre-se do que somos capazes de detectar sobre a luz visível com nossos olhos naturais.

Primeiro, e mais proeminente, podemos detectar a intensidade da luz visível. É muito claro para nós quando algo é visivelmente brilhante (como uma lanterna em nossos olhos) ou quando algo é escuro (como uma noite sem lua).

Em segundo lugar, somos capazes de detectar a energia (ou comprimento de onda) da luz visível.

Você pode nunca ter pensado sobre isso assim, mas a razão pela qual vemos a cor é porque o nervo óptico e o cérebro traduzem diferentes comprimentos de onda de luz em certos tons de cor.

Esta é a extensão da informação que recebemos sobre a luz que vemos—sua intensidade e comprimento de onda/cor.

Os nossos cérebros estão constantemente recebendo esta informação da luz e a traduzindo em informações que nos ajudam a navegar pelo mundo ao nosso redor.

A radiação da luz espiritual

Agora pense sobre o tipo de informação que a alma é capaz de interpretar a partir da radiação da luz espiritual que vem dos outros.

Assim como podemos sentir e ver algumas formas de luz com nossos corpos físicos, nossas almas parecem ter capacidades semelhantes.

Há momentos em que a dor emocional de uma pessoa é claramente perceptível, se essa pessoa está deprimida, chateada ou preocupada.

Há poderosos sentimentos de paz, segurança e conforto que sentimos vindo de certos indivíduos apenas por estar perto deles.

Pode-se dizer que alguns desses sentimentos são deduzidos das palavras ou ações—ou de interações anteriores com o indivíduo.

No entanto, há momentos em que esses sentimentos são discernidos por nada mais do que a presença de uma pessoa.

Além disso, há ocasiões em que a falta de luz espiritual de um indivíduo é tão palpável que sentimentos de desconforto serão gerados naqueles ao seu redor.

Estes sentimentos podem ajudar uma pessoa a escapar de uma situação potencialmente perigosa.

Há também casos em que uma onda de luz espiritual é detectada de uma forma muito distinta e memorável através da visão espiritual.

Há inúmeras histórias de conversão que começam com uma pessoa percebendo algo diferente sobre os missionários que chamou sua atenção.

Estes primeiros encontros com os missionários são muitas vezes descritos com uma frase como: “eles pareciam brilhar”.

Há também momentos em que um membro da Igreja é escolhido entre uma multidão porque alguém “podia apenas dizer” que eles eram membros.

Veja também: Como encontrar a luz de Deus em tempos sombrios

A caminho do templo

Quando a minha família vivia em Nova Iorque, o templo mais próximo era na cidade de Nova Iorque.

A minha esposa e eu gostávamos de jogar um joguinho sempre que íamos ao templo juntos.

Enquanto caminhávamos em direção ao templo a partir de uma garagem de estacionamento fora do local, adorávamos encontrar aqueles na multidão que também estavam a caminho da casa do Senhor.

Apesar do mar de homens e mulheres bem vestidos que carregavam pequenas malas ou mochilas naquelas ruas agitadas, ficava claro quem estava indo para o templo e quem estava indo trabalhar.

Parecia haver um brilho inconfundível que captava os nossos olhos espirituais.

“Que essa luz especial sempre brilhe”

O Presidente Thomas S. Monson relatou a seguinte história sobre a detecção distintiva da luz espiritual:

“Para ilustrar que a luz que emana de um espírito puro e amoroso é reconhecida pelas pessoas, vou contar-lhes uma experiência pessoal que tive há muitos anos. Naquela época, os líderes da Igreja se reuniram com líderes governamentais de Jerusalém para elaborar um acordo de arrendamento do local onde seria construído o Centro da Igreja em Jerusalém. Para obter a permissão necessária, a Igreja teve que concordar com a exigência de que nenhum trabalho de proselitismo seria realizado por nossos membros que utilizariam o centro. Depois que esse acordo foi firmado, um dos líderes governamentais israelenses, que conhecia bem a Igreja e seus membros, comentou que ele sabia que a Igreja honraria o acordo de não fazer proselitismo. “Mas”, disse ele, referindo-se aos alunos que frequentariam o local, “o que vamos fazer em relação à luz nos olhos deles?” Que essa luz especial sempre brilhe dentro de nós para que possa ser reconhecida e valorizada pelas pessoas”.

Luz brilhava dos rostos de Joseph e de Oliver

Outro exemplo ocorreu durante a tradução do Livro de Mórmon por Joseph Smith e Oliver Cowdery na casa Whitmer em Fayette, Nova Iorque.

Veja o relato presente no site de história da Igreja:

“Sarah Conrad, uma vizinha contratada para ajudar Mary Whitmer em sua cozinha, também ganhou um testemunho durante o processo de tradução. Sarah tinha reparado que luz brilhava dos rostos de Joseph e de Oliver quando eles desceram as escadas. Quando ela aprendeu com seu empregador que a mudança nos semblantes dos homens estava conectada com uma santa obra sagrada”, ela acreditou e mais tarde se filiou à nova Igreja”.

“Havia uma luz no seu rosto”

Um outro exemplo que eu realmente gosto foi relatado pelo Presidente James E. Faust sobre uma enfermeira estudante chamada Constance.

Ela foi designada para ajudar uma mulher que havia sido gravemente ferida, mas que se recusava a ir ao hospital para atendimento médico.

O exemplo justo de Constance tornou-se transformador para a mulher, que finalmente concordou em receber a ajuda médica necessária:

“Quando Constance a visitou, a mulher sorriu e disse: “Você me convenceu.” Então inesperadamente perguntou à Constance: “A que religião você pertence?” Constance contou-lhe que era membro da Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias. A mulher disse: “Eu sabia. Eu sabia que você fora enviada para mim desde o primeiro dia que a vi. Havia uma luz no seu rosto que eu havia notado em outras pessoas de sua religião.  Eu tinha que confiar em você.” …Os missionários reuniram-se com ela e ela foi batizada logo em seguida. Tudo isso porque ela percebera luz no rosto daquela estudante de enfermagem.”

Muitos livros podem ser preenchidos com exemplos semelhantes.

Pode ser interessante: 3 maneiras de compartilhar a luz de Cristo em um mundo sombrio

Todos os filhos de Deus podem irradiar a luz de Cristo

Tenho certeza que você está pensando em suas próprias experiências quando a presença distinta de sua luz ou de outra pessoa influenciou você ou alguém que você conhece.

Na verdade, tem havido tentativas de estudar cientificamente este brilho vindo de membros da Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, com resultados que mostram uma sutil, embora estatisticamente significativa, propensão para que os membros sejam corretamente identificados.

Porque o mecanismo primário para detectar a luz é a alma, e certamente não se limita aos membros da Igreja.

Na verdade, como mencionado acima, muitas vezes é a percepção da luz espiritual que primeiro nos leva a buscar um testemunho das verdades do evangelho.

É importante notar que o que foi citado acima não pretende sugerir que os membros da Igreja têm o monopólio de irradiar bondade através da luz espiritual.

Qualquer pessoa boa e moral irradiará a sua bondade ao ser influenciada pela luz de Cristo. Como o Élder D. Todd Christofferson ensinou:

“Aqueles que professam nenhuma crença religiosa podem ser, e muitas vezes são, pessoas boas e morais… Isto [não] acontece sem a influência divina. Refiro-me à luz de Cristo”.

Não é necessário reconhecer a fonte de luz espiritual irradiada para que a luz seja irradiada.

E é uma influência inconsciente definida apenas por quem somos. Dito isto, quanto mais indivíduos aprenderem a verdade e escolherem acreditar e obedecer a essa verdade, mais luz irão irradiar que está associada a essa verdade.

Fonte: LDS Living

| Para refletir

Comente

Seu endereço de e-mail não será divulgado. Os campos obrigatórios estão marcados com *