3 maneiras de compartilhar a luz de Cristo em um mundo sombrio

Nós podemos compartilhar nossa luz com o mundo enquanto vivemos os princípios do evangelho.

Na nossa última noite de encontro, o meu marido e eu alugámos um filme baseado numa história real, sobre as mulheres aliadas que se infiltraram como espiãs na França durante a Segunda Guerra Mundial.

Como um estadista britânico disse na época , “as lâmpadas estão se apagando por toda a Europa. Não voltaremos a vê-las acesas em nosso tempo.” Sua missão, como uma das mulheres explicou, era compartilhar a luz. A luz da liberdade. A luz da esperança.

Esta é uma analogia poderosa, especialmente considerando os apagões instituídos em Londres, onde luzes foram apagadas e janelas cobertas para tornar mais difícil que os ataques de bombardeiros encontrassem um alvo. Literalmente, as luzes na Europa foram apagadas. Mas estas mulheres trouxeram as suas luzes figurativas para ajudar a combater as trevas das forças nazistas.

Muitas dessas mulheres se sentiram chamadas para fazer o trabalho. Nem todas conseguiram sair vivas. Mas cada uma deu tudo na luta para manter as luzes da liberdade e da esperança acesas. Também estamos em conflito. O conflito contínuo entre o bem e o mal. Como explicou o Élder Quentin L. Cook,

“Nunca foi fácil alcançar ou conservar a liberdade e a luz.  Desde a Guerra no Céu, as forças do mal vêm usando todos os meios possíveis para destruir o arbítrio e extinguir a luz.” Os ataques aos princípios morais e à liberdade religiosa nunca foram tão fortes.”

Como membros da Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, nós também somos chamados a trazer luz a um mundo sombrio. Partilhar a luz da esperança. A luz da liberdade. E a luz da verdade. Então, como compartilhamos nossa luz com o mundo? Aqui estão 3 maneiras:

1. Buscai Cristo, a fonte de luz

Antes de podermos compartilhar a luz, precisamos buscar Cristo, que é a fonte da luz. As escrituras ensinam que é pela luz de Cristo que nós “podemos distinguir entre o bem e o mal” (ver Doutrina e Convênios 88:11-13). O Élder Dieter F. Uchtdorf ensinou,

“Quanto mais inclinarmos o coração e a mente na direção de Deus, mais luz celeste se destilará sobre nossa alma.   E a cada vez que buscarmos com disposição e sinceridade essa luz, mostramos a Deus que estamos prontos para receber mais luz. Gradualmente, as coisas que pareciam embaçadas, escuras e remotas se tornam claras, brilhantes e familiares para nós.”

Buscamos e nos aproximamos de Cristo estudando nossas escrituras e as palavras dos profetas, fazendo nossas orações pessoais de manhã e de noite, e obedecendo aos mandamentos de Deus. No entanto, o inverso é verdadeiro. Como o Élder Uchtdorf advertiu,

“Da mesma forma, se nos afastarmos da luz do evangelho, nossa própria luz se esmaece — não num dia ou numa semana, mas gradualmente com o tempo — até que olhamos para trás e não compreendemos bem por que havíamos acreditado que o evangelho era verdadeiro. Nosso conhecimento prévio pode até parecer tolice para nós porque o que antes era tão claro novamente se tornou borrado, embaçado e distante.”

Quanto mais aprendemos de Cristo e o seguimos, mais nos tornaremos como ele. E à medida que nos tornamos mais como ele, mais a Sua luz pode brilhar através de nós.

2. Preste atenção aos sussurros do Espírito Santo

Vivemos numa época em que as distrações estão à nossa volta. Podemos obter notificações diárias das últimas notícias, aplicativos de jogos mais recentes ou postagens de mídia social mais recentes.

Algumas informações são boas para nós, Outras não. Muitas vezes, os perigos estão escondidos. O que parece ser um post ou filme inócuo pode ter elementos sutis e espiritualmente prejudiciais.

Havia vários exemplos no filme de espionagem de pessoas que não prestavam atenção aos alertas quando algo simplesmente não parecia certo. E as consequências foram trágicas. É fácil ver os erros em retrospectiva, mas a chave é aprender a discernir os avisos quando os recebemos.

O Espírito Santo pode ser o nosso companheiro constante e nos alertar do perigo iminente se permanecermos dignos e prestarmos atenção aos sussurros. O Élder Robert D. Hales disse,

“Quando essa inspiração ocorre, geralmente não nos faz parar de imediato, pois o Espírito de Deus não fala com uma voz de trovão. A voz será tão suave quanto um sussurro, vindo como um pensamento a nossa mente ou como um sentimento a nosso coração. Dando ouvidos a sua inspiração delicada, estaremos protegidos das consequências destrutivas do pecado.  Mas se ignorarmos tal inspiração, a luz do Espírito se desvanecerá.”

O Espírito Santo não só pode nos avisar do perigo iminente, mas também pode nos levar a falar e compartilhar nossa luz com os outros. Há muitos anos, eu estava tendo um dia difícil. Não tinha a certeza se Deus se lembrava de mim.

Mas naquele dia uma amiga passou por aqui e disse: “Não sei porquê, mas senti que precisava de te trazer este presente.” Ao prestar atenção aos sussurros, ela iluminou o meu dia e foi uma resposta à minha oração: Deus se lembrou de mim.

3. Respeite o arbítrio

Podemos partilhar a nossa luz com os outros e oferecer-lhes as luzes da Liberdade e da esperança, mas não podemos forçá-los a aceitar. Um dos perigos do mundo em que vivemos hoje é o conceito de relatividade moral, onde a moral é ditada pelo que é bom e não pelas leis de Deus.

Não podemos ser uma luz para o mundo se acreditarmos nessa filosofia. Mas também temos de compreender que nem todos sentirão ou acreditarão no mesmo que nós. O respeito ao arbítrio do outro tem que ser algo que acontece de ambas as partes.  O Élder Hales ensinou,

“Alguns ficam ofendidos quando levamos nossa religião para o debate público, mas essas mesmas pessoas que insistem em dizer que seus pontos de vista e suas ações devem ser tolerados na sociedade geralmente hesitam muito em conceder essa mesma tolerância aos fiéis religiosos que também desejam que seus pontos de vista e suas ações sejam tolerados.  A falta de respeito generalizada pelos pontos de vista religiosos está rapidamente se transformando em intolerância social e política pelas pessoas e instituições religiosas.”

Trazemos luz ao debate público enquanto discutimos as questões e escutamos uns aos outros. Podemos nem sempre concordar, mas não precisamos de ser desagradáveis. Podemos trabalhar juntos para satisfazer as necessidades das nossas comunidades.

Compartilhar nossa luz com os outros

No filme aqueles mulheres precisaram de muita coragem para compartilhar a sua luz na Europa devastada pela guerra. Mas a sua força ajudou os outros a suportar e continuar a luta. É preciso coragem para partilharmos a nossa luz com os outros também. E apesar da batalha ser espiritual, não é menos intensa. O Élder Uchtdorf disse,

“Mas à medida que procurarmos aumentar nosso amor a Deus e nos esforçar para amar nosso semelhante, a luz do evangelho vai envolver-nos e elevar-nos. As trevas sem dúvida se dissiparão, porque elas não podem existir na presença da luz.  Ao achegar-nos a Deus, Ele Se achegará a nós. E dia após dia, a esperança da luz de Deus vai crescer dentro de nós, “mais e mais brilhante, até o dia perfeito”.

Compartilhamos a nossa luz com os outros na forma como vivemos. Quando mostramos bondade e amor aos nossos semelhantes em tudo o que fazemos, partilhamos a nossa luz. Quando somos honestos nas nossas relações com os outros, compartilhamos a nossa luz. E quando compartilhamos a nossa luz com os outros, iluminamos o mundo. Uma luz de cada vez.

Fonte: Third Hour

| Para refletir

Comente

Seu endereço de e-mail não será divulgado. Os campos obrigatórios estão marcados com *