Como eu encontrei meu amor depois de ter meu coração partido

Cinderela.

A Bela e A Fera.

Tarzan e Jane.

Bela Adormecida.

Esses filmes animados eram meus favoritos enquanto crescia. Por meio deles, aprendi o conceito de ‘Príncipe Encantado’ e ‘Cavaleiro de Armadura Brilhante’. Mesmo sendo tão jovem, eu sabia que também queria uma história do tipo “era uma vez” e “eles viveram felizes para sempre”. Eu experimentava os vestidos esvoaçantes da minha mãe e dançava enquanto imaginava alguém me levantando do chão.

Não demorou muito até que conheci alguém que ficaria muito perto do meu coração por dezoito anos. Nosso relacionamento era a história típica de amigos que acabaram se apaixonando.

Vimos um ao outro crescer e mudar ao longo dos anos – torcendo e ajudando um ao outro por cada marco e luta da vida de adolescente, estudante e profissional. Foi aquele tipo de amor que não importa o quão longe vocês estão ou quanto tempo faz desde que vocês se viram, vocês simplesmente sabem que pertencem um ao outro.

Também pode ser interessante: O melhor conselho sobre casamento que já ouvi

Por causa de nossas carreiras ocupadas, não mantivemos contato com a frequência que desejávamos. Ligávamos e trocavamos e-mails de vez em quando, mas nosso foco era atingir nossos objetivos de carreira. No meu coração, eu sabia que quando nos víssemos novamente, seríamos capazes de continuar de onde paramos. Afinal, era uma amizade, uma conexão e um amor que vinha se fortalecendo há dezoito anos.

Ele conseguiu voar para as Filipinas para me ver em um verão. Achei que era o momento perfeito para falar sobre para onde nosso relacionamento estava indo. Dedicamos muitos anos para construir nossas carreiras, então era hora de nos dar tempo para ficarmos juntos.

“Eu me casei … já faz mais de um ano agora.”

Eu apertei minha mão sob a mesa para ter certeza de que não estava sonhando e, para meu horror, não era um sonho. Eu segurei minhas lágrimas e quase engasguei. Eu nunca soube realmente como era um desgosto até então. Todos os meus sonhos e esperanças de um “felizes para sempre” foram destruídos.

Também pode ser interessante: A felicidade que advém do casamento

Os dias seguintes foram cheios de perguntas, tristeza, dúvida, raiva, arrependimento, decepção, autopiedade e outras inúmeras emoções que destruíram meu terno coração. Os dias se transformaram em semanas e as semanas em meses. Seguir em frente parecia impossível. Parecia que aquele amor jovem, que cresceu por tanto tempo, era impossível de substituir ou replicar.

E ainda assim fui repetidamente lembrada do discurso de Spencer W. Kimball sobre casamento. Ele disse: “… é certo que quase todo homem bom e qualquer boa mulher podem ter felicidade e um casamento bem-sucedido se ambos estiverem dispostos a pagar o preço”. Eu sabia que era o Senhor me lembrando que meu desejo de construir minha própria família não tinha que terminar com meu coração partido.

Sim, foi doloroso, mas o Senhor conhecia minha dor e me confortou por meio de amigos e familiares que ouviram minhas intermináveis ​​justificativas, tentando entender minha realidade e o que eu precisava fazer a seguir. Ele aumentou minha compreensão dos princípios de perdão, caridade e oração enquanto eu procurava respostas sobre como poderia seguir em frente. Ele me deu oportunidades de servir para que eu pudesse me perder no serviço ao próximo.

Ao abrir meu coração em oração a Ele todos os dias, encontrei forças sabendo que Ele conhecia a bênção que eu mais desejava – criar uma família justa com um homem fiel.

Eu conheci esse homem muitos meses depois e me casei com ele um ano depois. No curto período de nosso namoro, ele me mostrou um amor que é “paciente [e] gentil, [um amor que] não inveja, [nem] se vangloria, [um amor que] não é orgulhoso [e] não desonra os outros . [Um amor que] não busca egoísmo, não se irrita facilmente [e] não mantém registro de erros. [Um] amor [que] não se deleita com o mal, mas se alegra com a verdade. [Um amor que] sempre protege, sempre confia, sempre espera, sempre persevera.”

Certa vez, perguntei ao Senhor porque Ele me deixou sofrer uma dor tão dolorosa quando fui fiel durante toda a minha vida, fazendo o meu melhor para viver de acordo com meu potencial. Mas ao conhecer meu marido durante nosso namoro, percebi que a resposta à minha pergunta era porque o Senhor queria que eu encontrasse um amor como o dele – sempre atencioso, altruísta, perdoador e misericordioso.

Não acredito que meu marido e eu estamos destinados a ficar juntos. Mas sei que também não nos encontramos por acaso. Embora nossas escolhas individuais tenham sido uma grande parte de tudo, sei que o Senhor estava nos detalhes de nossa história de amor por meio de uma série de revelações pessoais, o apoio de familiares e amigos e as ocorrências aparentemente impossíveis que, sem dúvida, só foram possíveis por causa Dele.

Estamos casados ​​há sete meses. Alguns podem pensar que é muito curto terminar esta história com “eles viveram felizes para sempre”, mas ambos nos esforçamos a cada dia para ser dignos da promessa do Senhor de que “tudo o que [está ligado] na terra será ligado no céu”.

Quando vêm sofrimentos, como acontece em todas as nossas vidas, o Senhor entende perfeitamente nossa dor e luta, mas também pode nos ajudar a superá-los, hora a hora e dia a dia. À medida que avançamos com fé, fazendo o nosso melhor para manter o Senhor em nossa vida, servindo aos outros, vivendo em retidão e buscando Sua ajuda, Ele abrirá portas que nem sabíamos que existiam. Ele pode nos ajudar a curar e nos guiar em direção ao nosso “felizes para sempre” que ainda não podemos ver. Acima de tudo, lembre-se de que Ele o ama, vê o fim desde o início e realmente deseja sua felicidade eterna.

Fonte: Faith.ph

| Para refletir

Comente

Seu endereço de e-mail não será divulgado. Os campos obrigatórios estão marcados com *