O que convencerá você a começar a confiar em Deus?

Um dos discursos que mais me impressionou durante a última conferência geral foi “Cristo ressuscitou; a fé que temos Nele moverá montanhas”, dado pelo Presidente Russell M. Nelson na sessão da manhã de domingo.

“A fé em Jesus Cristo é o alicerce de toda crença e o meio pelo qual temos acesso ao poder divino”, disse o Presidente Nelson.

Em apoio a essa forte declaração, ele citou Hebreus 11:6: “sem fé é impossível agradar a Deus; porque é necessário que aquele que se aproxima de Deus creia que ele existe, e que é galardoador dos que o buscam”.

Ao continuar, o profeta declara que:

“Tudo o que é bom na vida — todas as bênçãos de significado eterno possíveis — começa com a fé. Permitir que Deus prevaleça em nossa vida começa com a fé no fato de que Ele está disposto a nos orientar. O verdadeiro arrependimento começa com a fé no fato de que Jesus Cristo tem o poder de nos purificar, de nos curar e de nos fortalecer.”

A confiança e a fé

A fé é de fundamental importância e, portanto, merece uma séria reflexão. Os comentários do presidente Nelson nos convidam a fazer exatamente isso.

Em primeiro lugar, quero compartilhar um pensamento pessoal: sempre desejei poder livrar-nos da palavra “fé” por um momento.

Por quê? Porque, uma vez que se tornou um termo religioso tão carregado, acho que às vezes pode obscurecer a discussão do assunto que representa.

A palavra grega que é traduzida como “fé” no Novo Testamento, “pistis”, também pode simplesmente significar “confiança”.

E se pensarmos em fé como “confiança”, alguns equívocos comuns sobre o assunto podem ser esclarecidos.

A fé à que as escrituras nos exortam, por exemplo, certamente envolve a crença em certos fatos (por exemplo, na existência de Deus, em Cristo como nosso Redentor Divino e na Restauração da Igreja e do Evangelho).

No entanto, a fé para a salvação não é meramente ou principalmente um assentimento teórico a uma lista de proposições.

Ainda mais importante, é a confiança em uma pessoa. É a confiança em Deus e em Suas promessas. É a confiança no poder de purificação, redenção e ressurreição do Filho de Deus.

Nos assuntos do Evangelho, assim como na vida cotidiana, a confiança frequentemente exige ação. (O que sugere, pelo menos para mim, que a constância da “fé versus obras” é fundamentalmente mal concebida.)

Se dissermos que confiamos em um jovem para dirigir, mas, quando ele pede as chaves do carro, nos recusamos a entregá-las, nós realmente não confiamos nele.

Quando confiamos em uma passarela para suportar nosso peso, mas ao enfrenta-la, recusamos cruzá-la, nossa inação fala mais alto do que nossas palavras.

Ao declarar que confiaria minha vida a um homem, mas me recusar a lhe emprestar cinquenta dólares por medo de não receber o dinheiro de volta, minha fé nele será vazia, vã e até fraudulenta.

Uma partícula de fé

O Presidente Nelson chama nossa atenção para o grande sermão registrado em Alma 32, e particularmente para Alma 32:27, onde o profeta nos pede que “exerçamos” os ensinamentos de Cristo, mesmo que, a princípio, só “[exerçamos] uma partícula de fé, sim, mesmo que não [tenhamos] mais que o desejo de acreditar”.

Para apontar apenas uma implicação bastante clara do ensino de Alma, isso significa que podemos começar pequenos.

E, diz o presidente Nelson, mesmo que isso seja tudo que possamos fazer, devemos fazê-lo. Se passos de bebê são o máximo que podemos dar, então passos de bebê servirão como um excelente começo:

“O Senhor não exige uma fé perfeita para termos acesso a Seu poder perfeito”, ele ressalta. “Entretanto, Ele nos pede que acreditemos.”

Portanto, este é o convite que o Presidente Nelson fez na conferência geral:

“Meus queridos irmãos e irmãs, minha súplica a vocês nesta manhã de Páscoa é que comecem hoje a aumentar sua fé”.

Mas como alguém pode fazer uma coisa dessas? A fé não é algo que alguém tem ou não tem? A fé está sob nosso controle consciente mais do que se apaixonar ou permanecer apaixonado?

Se acreditamos em filmes e livros de amor e romance, o amor simplesmente acontece conosco, assim como deixar de amar.

Porém, as escrituras e a experiência humana comum sugerem o contrário,  o amor pode ser cultivado, desenvolvido (ou deixar de ser nutrido).

A fé exige esforço

Muitos de nós sabemos que frequentemente amamos as causas e as pessoas a quem servimos.

Da mesma forma acontece com a com confiança, com a fé. “Fazer qualquer coisa de forma correta exige esforço”, disse o Presidente Nelson, que é uma autoridade experiente tanto em despender esforços quanto em fazer muitas coisas bem.

“Tornar-se um verdadeiro discípulo de Jesus Cristo não é uma exceção. Aumentar a fé e a confiança que temos Nele exige esforço.”

Portanto, ele oferece cinco sugestões para nos ajudar a desenvolver a fé e a confiança. O primeiro é estudar.

Não discutirei sobre a quarta sugestão (“participar das ordenanças sagradas dignamente”) ou a quinta (que nos aconselha a “pedir [ao nosso] Pai Celestial, em nome de Jesus Cristo, por ajuda”), embora sejam absolutamente vitais. Em vez disso, vou me concentrar em sua segunda e terceira sugestão.

Escolher acreditar

A segunda sugestão é “escolher acreditar em Jesus Cristo”.

Novamente, faz sentido pensar que podemos escolher tal coisa? Afirmo, porém, que, de uma forma muito real e importante, escolher acreditar faz todo o sentido.

Muitas vezes optamos por confiar nas pessoas quando, racionalmente, as evidências para apoiar essa confiança não são estritamente adequadas.

Entregamos nossa vida a alguém no casamento (por sessenta anos mortais, talvez, ou pela eternidade) com base, no máximo, em um curto período de amizade.

Confiamos em cirurgiões que têm um histórico de sucesso bom o suficiente, mas não temos certeza absoluta que, em nosso caso, eles não cometerão um erro grave.

Investimos em coisas pelas quais temos esperança e talvez até boas evidências, mas não temos provas.

No entanto, nesses e em centenas de outros casos, fazemos as melhores escolhas que podemos e seguimos em frente.

“Se tiverem dúvidas sobre Deus, o Pai, e Seu Filho Amado, ou sobre a legitimidade da Restauração ou a veracidade do chamado divino de Joseph Smith como profeta, escolham acreditar e permaneçam fiéis”, aconselha o Presidente Nelson.

Parte dessa escolha afetará o que e como estudamos (sua primeira sugestão). “Apresentem suas dúvidas ao Senhor e a outras fontes fiéis”, aconselha o Presidente Nelson.

“Estudem com o desejo de acreditar em vez de terem esperança de encontrar uma falha na vida de um profeta ou uma discrepância nas escrituras.”

Buscar fontes seguras de conhecimento

Já encontrei muitos santos dos últimos dias que foram fiéis, que se divertiam com aparentes inconsistências e gostavam de buscar, muitas vezes de autores cada vez mais duvidosos, o que afirmavam ser a verdadeira “história interna”.

Com muita frequência, eles desenvolvem um desequilíbrio em seu estudo, negligenciando e às vezes até se recusando a considerar abordagens fiéis às questões em que se concentram.

Devemos ser muito cuidadosos com os livros que lemos quanto com a companhia que mantemos.

Então, o que acontece com aqueles com quem nos associamos? Já foi dito que a principal diferença entre o céu e o inferno é a companhia que teremos.

O mesmo é aplicado nesta vida. “Diga-me com quem tu andas”, observou Goethe, grande poeta alemão do início do século XIX, “e eu direi quem és”.

Epíteto, um filósofo estoico grego do século II disse, “A chave é manter a companhia apenas com pessoas que o elevam, cuja presença desperta o seu melhor”.

O Presidente Nelson disse:

“Parem de ampliar suas dúvidas debatendo-as com outros que duvidam.”

Ele nos aconselha a banir membros da família, amigos e vizinhos que não sejam santos dos últimos dias fiéis? De jeito nenhum.

O excelente discurso do Élder Gary E. Stevenson no sábado de manhã, “Corações entrelaçados” ensina vigorosamente que o Evangelho nos proíbe de fazer isso.

Contudo, tendemos a nos ajustar ao clima ao nosso redor, a nos assimilar ao nosso meio ambiente, e precisamos ter muito cuidado com isso.

Se não desejamos nos tornar como um determinado indivíduo ou grupo, esse indivíduo ou grupo não deve se tornar um elemento dominante em nossa ecologia social.

As influências que nos rodeiam

Inevitavelmente, seremos influenciados por aqueles que colocamos em posição de nos influenciar. E isso tem implicações poderosas para nossas atividades online.

Entre as características inovadoras de nosso ambiente moderno estão as chamadas mídias sociais que, com muita frequência, suplantam a socialização real com amigos e seres humanos reais.

No passado, aqueles que se afastavam da família e da congregação por apostasia geralmente o faziam por conta própria, em algum grau de isolamento.

Agora, porém, existem pseudo comunidades online ansiosas para receber santos que se afastam, e não apenas para apoiá-los, mas para conduzi-los ainda mais à descrença e à quebra de convênios.

Aqueles que seguem esse caminho devem ter clareza sobre o que estão fazendo e sobre o que este caminho provavelmente acarretará no final.

O problema com essas presenças nas mídias sociais não é, apenas ou principalmente que elas fornecem acesso imediato a informações potencialmente indutoras de dúvidas sobre a história da Igreja.

É que elas fornecem “comunidades” alternativas prontamente acessíveis que podem parecer quase substituir a Igreja, “comunidades” ansiosas para apoiar expressões de dúvida e raiva, para zombar da fé e dos fiéis, e para receber novos membros.

Em Alma 30:60 aprendemos que:

“O diabo não amparará seus filhos no último dia, mas arrasta-os rapidamente para o inferno”.

“O poder que possibilita que algo improvável realize o impossível

Volto agora à terceira sugestão do Presidente Nelson, para “agir com fé”.

“O que vocês fariam se tivessem mais fé? Pensem nisso. Escrevam sobre isso. Depois, recebam mais fé ao fazer algo que exija mais fé.”

Se me permitem dizer, esse é um conselho brilhantemente perspicaz. Aprendemos a confiar ao confiar.

Talvez roemos as unhas de ansiedade na primeira vez que nosso filho sai de carro sozinho ou na primeira vez que nossa filha sai com um namorado. No entanto, quanto mais eles conquistam, mais nossa confiança cresce.

À medida que optamos por confiar no Senhor e ver suas promessas cumpridas e nossa vida melhorar, nossa fé Nele se torna mais forte. Em cada caso, porém, devemos primeiro escolher confiar.

“A fé exige esforço”, declara o Presidente Nelson.

“Receber revelação exige esforço. Mas ‘todo aquele que pede, recebe; e o que busca, encontra; e ao que bate, se abre’. Deus sabe o que ajudará sua fé a crescer. Perguntem a Deus; perguntem a Ele repetidas vezes.”

O Presidente Nelson promete que o esforço valerá a pena. “Na verdade”, diz ele, “a fé é realmente o poder que possibilita que algo improvável realize o impossível.”

Fonte: Meridan Magazine

| Fé em Jesus Cristo

Comente

Seu endereço de e-mail não será divulgado. Os campos obrigatórios estão marcados com *