Como saber que somos filhos de Deus pode aumentar nossa autoestima?

Algo primordial e de extrema importância para nossa existência nos dias atuais é compreender que realmente somos filhos e filhas de Deus.

Infelizmente, em nossos dias, há uma triste tendência de comparação, onde nosso valor é avaliado de acordo com o que temos ou quão bem encaixados estamos nos padrões de beleza impostos pela sociedade.

Pensando nisso, existe alguém para quem devemos olhar e aprender algumas lições importantes: Jesus Cristo.

Jesus tinha autoestima?

Jesus tinha uma certeza em sua vida: Ele era filho de Deus (João 1:14). Tal convicção permitia que o nosso Salvador tivesse a plenitude do conhecimento de quem era, sem a necessidade de se comparar com mais ninguém. Assim como o Salvador, precisamos compreender que verdadeiramente existe algo divino dentro de nós e como filhos de Deus temos uma capacidade infinita.

Também pode ser interessante: Confira essa pergunta que vai ajudar você a entender seu potencial divino

Podemos aumentar nossa autoestima quando reconhecemos que somos muito mais que nossa aparência e nossas limitações. Aumentamos nossa autoestima à medida que nos esforçamos para guardar os mandamentos de Deus e para ter sempre conosco a companhia de Seu Santo Espírito. Seremos a “luz do mundo” e consequentemente nos tornaremos atraentes por escolhermos ser diferentes (Mateus 5:14), pois Ele e Suas promessas nunca falham.

Desenvolver uma autoestima permanente e saudável por reconhecer que somos filhos de Deus requer tempo e esforços contínuos. Comecem a mudar algumas coisas e caprichar em outras, não foquem somente em suas falhas e lembrem-se: a beleza é o conjunto da obra.

Como amar a nós mesmos

O segundo e grande mandamento é amar o próximo como a si mesmo, mas como podemos amar, cuidar e edificar o nosso semelhante se não fazemos isso por nós?

Entender que nosso Pai Celestial nos ama com um perfeito amor e que está sempre disposto a nos ajudar, permitirá que tenhamos paciência, amor e misericórdia por nós mesmos e pelas pessoas ao nosso redor; essa certeza mudará nossa caráter e venceremos a vergonha do mundo.

Também pode ser interessante: Como as coisas seriam diferentes se nos amarmos como Deus nos ama?

O Presidente Gordon B. Hinckley nos ensina:

“Há em nossa sociedade uma triste tendência de nos subestimarmos. (…) Não percam tempo sentindo pena de si mesmos. Não se subestimem. Nunca se esqueçam de que são filhos de Deus. Todos temos um legado divino. Algo da própria natureza de Deus existe em vocês. Cantamos “Sou um Filho de Deus” (Hinos, nº 193). Essa não é meramente uma fantasia poética, é a pura verdade. Existe algo de divino dentro de cada um de nós que precisa ser cultivado, que tem a necessidade de vir à superfície, que precisa se expressar.(…)

Acreditem em si mesmos. Acreditem em sua capacidade de realizar coisas grandes e boas. Acreditem que nenhuma montanha é tão alta que não possa ser escalada. (…) Procurem ficar de cabeça erguida, ter mais determinação, ser um pouco melhores. Esforcem-se um pouco mais. Vocês terão mais felicidade. Sentirão uma nova satisfação, uma nova alegria no coração. (…) Vejam o lado positivo das coisas. Saibam que Ele os está protegendo e que Ele ouve suas orações e as responderá, que Ele os ama e manifestará esse amor a vocês.”

Lembrem -se sempre de quem são e de quem estão destinados a se tornarem. Vocês são verdadeiramente filhos e filhas do Deus eterno, Ele conhece e ama cada um de vocês.

Que possamos seguir o conselho do Élder Ronad A. Rasband e amar o que o Senhor ama, e isso inclui amar a nós mesmos.

Escrito por Mirela Siqueira.

| Para refletir

Comente

Seu endereço de e-mail não será divulgado. Os campos obrigatórios estão marcados com *