O testemunho de Jim, um batista devoto, que enviou cinco de seus sete filhos para a missão apesar de suas crenças e dúvidas sobre a Igreja.

Cresci na igreja Batista. Haviam somente alguns batistas em Clearfield, Utah. Meus pais me ensinaram sobre Jesus Cristo e íamos a igreja todos os domingos.

Na verdade, cresci com uma certa inclinação anti-mórmon. Os batistas do sul amam os Santos dos Últimos Dias, mas sentiam e acreditavam que a doutrina não era correta e que estavam perdidos.

Eles eram bem empenhados em “salvar” as pessoas da Igreja de Jesus Cristo e ajudar para que percebessem que estavam erradas.

Conheci minha esposa Lyndia, ela é membro da Igreja de Jesus Cristo, porém, toda vez que falávamos de religião, eu sempre tentava converte-la e ela a mim. Aprendemos que aquilo não funcionaria.

Jim and Lyndia

Levávamos nossos filhos para a Igreja. Às vezes, a Lyndia levava para a sua e eu levava para a minha. Eles iam em ambas as igrejas. Por fim, esse desafio me deu a sensação de que era melhor deixar com que fossem na Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias.

Logo chegou o momento que as crianças seriam batizadas. Eu estava relutante quando a isto, e tinha os mesmos sentimentos sobre a Igreja.

Quando chegou o momento de serem batizados, foi desafiador e doloroso para mim, porque eu estava renunciando a minha responsabilidade de ensinar aos meus filhos a verdade, bom, a verdade da maneira como eu via e conhecia.

Foi uma luta, mas permiti que meus filhos se batizassem na Igreja de Jesus Cristo.

A parte mais difícil para mim, foi quando meus filhos quiseram ir para a missão. Novamente, me senti como antes, foi difícil saber que iam ensinar algo que eu não acreditava.

Eu disse a eles que já não tinham mais responsabilidades comigo, seu pai terreno. Eles tinham responsabilidade com seu Pai Celestial, e se era aquilo que queriam, então teriam que servir e fazer o melhor trabalho que lhes fosse possível.

O Senhor tem trabalhado em mim, tem me tocado no coração ao longo dos anos. Eu não tinha nenhuma dúvida em minha mente. Ele queria que eu fizesse algo, ele estava me dizendo alguma coisa.

O dia que minhas duas netas foram batizadas e minha outra neta abençoada, foi muito emocionante para mim.

Naquele domingo, uma irmã se levantou para prestar seu testemunho. Ela testificou de Joseph Smith, a verdade do evangelho e da restauração. Foi naquele domingo que meu Salvador me disse: “Você deve olhar a Igreja com outros pensamentos ao invés de tentar desacreditá-la”

Pensei: “Como vou contar para Lyndia e para minha família? Obviamente eles haviam orado por muito tempo. Mas eu sabia que teria que contar e não sabia como, então pensei: Bom, todos estão reunidos, então é só contar.”

Me lembro que houve muita comoção e assombro. Todos estavam felizes, alguns choraram ao saber o que poderia acontecer. Sei que alguns duvidaram – que aquilo estava acontecendo, mesmo após a notícia.

Eu disse a eles que não precisava falar com os missionários porque eu tinha uma casa cheia deles. Cinco dos meus sete filhos eram missionários retornados, e também todos os meus três genros.

Perguntei se eles leriam e orariam comigo e me ajudariam a responder as perguntas que eu tinha. E foi isto que aconteceu. Nos encontravam sempre e orávamos todos os dias.

Ao orar a respeito do evangelho, toda vez eu tinha um sentimento distinto de que o Senhor queria que eu continuasse a ler e a buscar.

Então, meu Pai Celestial me mostrou que eu não tinha que deixar a verdade que eu conhecia para me voltar para Ele, mas que Ele tinha mais verdades para mim.

A por causa daquela resposta, decidi me batizar. Pude falar para a minha esposa que eu iria me batizar.

Depois de um pouco mais de um ano após o batismo, pude ir ao templo e ser selado a minha esposa e a meus sete maravilhosos filhos. O mais extraordinário foi perceber a verdade sobre a família eterna.

Quando perdemos nosso filho alguns anos atrás, saber que estaríamos com ele novamente, que era só um curto período de tempo até que ele estivesse conosco e que estaríamos todos juntos como uma família eterna – perseverar durante aquele momento seria muito difícil sem aquele conhecimento.

Testifico das bênçãos que recebemos através do plano de salvação e saber que novamente verei e estarei com meu filho. Testifico que essa é a melhor e mais maravilhosa coisa que existe.

Fonte: LDSLiving

Relacionado:

O que um católico aprendeu sobre servir missão com os mórmons