Por Que Esses 6 Grupos Religiosos se Vestem Desse Jeito?

Porque grupos religiosos se vestem de forma diferente? Roupas usadas pelos líderes religiosos e pessoas devotas de uma fé significam muitas vezes mais do que uma declaração de moda. Um manto simples pode fazer um monge budista se sentir mais perto de Buda, enquanto uma camisa modesta pode ajudar um missionário mórmon a passar uma imagem profissional do proselitismo.

Abaixo estão as diretrizes de vestimentas de seis grupos religiosos e o motivo de as usarem:

Liberdade Religiosa, roupas monges budistas

Monjes budistas do Sri Lanka em 25 de Julho 2015. Imagem via huffingtonpost.com.

Monges e Monjas Budistas

As vestes usadas pelos monges budistas remontam ao tempo do Buda. Existem geralmente três componentes para o manto: eles vestem uma peça de roupa interior ou tanga, um manto, e uma túnica exterior. Monjas budistas normalmente vestem um colete e uma roupa de banho. Na época de Buda, vestes monásticas foram remendadas com pedaços de pano para refletir a vida simples que os monges juraram viver. De acordo com alguns cleros budistas, as vestes criam uma “uniformidade de intenção” visível à primeira vista. Embora as cores destas vestes variem por região, as vestes anteriores usadas por monges budistas eram provavelmente de uma cor amarelo-laranja tingidas usando matéria vegetal e especiarias como curcuma ou açafrão.

Liberdade Religiosa, roupas católicas

Padres católicos celebram o feriado de Corpus Christi em 4 de Junho de 2015 em Brasilia, Brazil. Créditos: Mario Tama. Imagem via huffingtonpost.com.

Padres Católicos

De acordo com o Directory for the Ministry and Life of Priests (diretrizes para o ministério e a vida dos padres), preparado pela Congregation for the Clergy (congregação para o Clero) e aprovado pelo Papa João Paulo II em 1994, o clero deve se vestir de uma forma que os distingua dos leigos. “É particularmente importante que a comunidade seja capaz de reconhecer o padre, homem de Deus, dispersor dos seus mistérios, pelo seu vestuário”, afirma o documento. Padres católicos têm tradicionalmente usado uma batina, ou túnica longa, embora cleros modernos muitas vezes usem ternos pretos simples e um colarinho romano fora das funções litúrgicas. Muitos padres também vestem um colarinho clerical, uma banda estreita, muitas vezes branca que se prende à camisa clerical. Isto pode ser usado com uma camisa de colarinho guia (revelando apenas uma pequena parte do colarinho na frente da garganta) ou uma camisa de colarinho (revelando todo o colarinho.) Embora este estilo de vestimenta seja comum para os padres católicos, é provável que isso tenha se originado na tradição protestante, por volta de meados do século 19.

Liberdade Religiosa, roupas judeus

Membros da comunidade de judeus ortodoxos em 14 de Junho de 2012. Créditos: Spencer Platt. Imagem via huffingtonpost.com.

Judeus Ortodoxos

Mulheres judias ortodoxas são encorajadas a cobrir o cabelo e usar saias abaixo dos joelhos, como sinal de modéstia. Homens ortodoxos costumam usar longas roupas pretas para indicar uma “falta de preocupação com a cor e outros ditames da moda, e, portanto, ajuda para manter as prioridades em linha reta”, de acordo com as diretrizes do Chabad. Homens ortodoxos também vestem um kipá, talit, ou xale, e tzitzit, que são sequências amarradas em um padrão específico que caem dos quatro cantos do talit. Estilos de roupas variam um pouco de seita para seita. Por exemplo, os homens do Haredi normalmente deixam crescer barbas longas e vestem chapéus pretos de abas largas. Alguns homens ortodoxos também vestem payot, ou sidecurls (extensões da costeleta), em referência a uma passagem do Torá que proíbe os homens de “arredondarem os cantos” da cabeça.

Liberdade Religiosa, roupas

Sadhvijis do Jainismo atendem ao ‘Vadi Diksha’ em 12 de Junho de 2015. Créditos: Sam Panthaky. Imagem via huffingtonpost.com.

Monges e Monjas do Jainismo

Monges e monjas do jainismo são encorajados a viver uma vida austera. Muitos mostram isso ao usar vestes totalmente brancas. Na seita Digambara, no entanto, os monges rejeitam todas as formas de bens mundanos, incluindo roupas. Acharya Kundkund, um reverenciado monge Digambara do primeiro século, supostamente escreveu que os monges devem fazer mais do que permanecer nus no vestir. “Oh monge!”, Escreveu. “Qual é o propósito de permanecer nu (ou vestido) se você cair na indulgência de um comportamento malicioso, escandaloso, invejoso, desiludido e de desejos indomáveis. Estando cheio de manchas, você merece a desgraça”.

Liberdade Religiosa, roupas sikh

Peregrinos Sikh oferecem orações num santuário Sikh em 29 de Junho de 2013. Créditos: Arif Ali. Imagem via huffingtonpost.com.

Sikhs (tradicionais)

A roupa espiritual Sikh, ou bana, inclui um turbante, um modesto vestuário e os cinco artigos de fé. O turbante, ou dastar, atua como um símbolo de devoção e dedicação, de acordo com a Coalizão Sikh. Sikhs muitas vezes não cortam o cabelo como os fundadores da fé Sikh fizeram e em consonância com as exigências religiosas. Os cinco artigos de fé incluem: o kachhera, ou roupa solta; a canga, ou pente de madeira; uma kara, ou pulseira de ferro; kes, ou o cabelo não cortado/aparado; e uma kirpan, ou espada cerimonial. Guru Gobind Singh apresentou os cinco artigos em 1699 como uma forma de identificar os membros da fé e ligá-las.

Liberdade Religiosa, roupas missionárias

Missionários mórmons andam nos corredores do centro de treinamento missionário de Provo, Utah, em 8 de Janeiro de 2013. Imagem via huffingtonpost.com.

Missionários Mórmons

Missionários mórmons de tempo integral, chamados élderes ou sisteres, são obrigados a usar roupas modestas e penteados simples. As mulheres devem usar blusas com saias ou vestidos, que cobrem até o joelho. Os homens devem usar ternos. Camisolas, mochilas, tatuagens e piercings, com excepção de brincos para as mulheres, não são permitidos. As diretrizes de vestuário são destinadas a garantir que os missionários pareçam “profissionais” e “atraentes”, segundo o site de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias. A igreja anunciou recentemente que os missionários em países com climas quentes não são mais obrigados a usar paletós no proselitismo.

 

Fonte: Huffingpost.com. Traduzido por Esdras Kutomi