O Estado pode legalizar o aborto? É errado o casamento entre pessoas do mesmo sexo? E a eutanásia? As mães podem abortar quando sabem que os filhos são anencéfalos? Tem algum problema beber bebidas alcoólicas? Podemos comprar aos Domingos? E rock, podemos ouvir?

Você já respondeu a todas essas perguntas, eu imagino e isso é fantástico. Responder a cada uma dessas perguntas mostra que você tem opinião própria e posicionamento, independente da situação. Como membros de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, devemos defender nossas crenças, praticar o que acreditamos e honrar os convênios que fizemos com o Senhor.

“(…) Tomar sobre si o nome de teu Filho e recordá-lo sempre e guardar os mandamentos que ele lhes deu, para que possam ter sempre consigo o seu Espírito”. Doutrina e Convênios 20:77

Nós desejamos tomar sobre nós o nome de Cristo, recordá-lo sempre e guardar os mandamentos que Ele nos deu. Muitas vezes, no entanto, nós estaremos sozinhos em nossos posicionamentos.

Lembremo-nos do que nos disse o Presidente Monson:

“Tenhamos a coragem de contrariar o senso comum. Escolhamos sempre fazer o certo mais difícil em vez de fazer o errado mais fácil”.

É isso que precisaremos fazer em muitas ocasiões quando nos perguntarem alguma daquelas perguntas lá em cima. Por exemplo, a Palavra de Sabedoria nos diz exatamente o que devemos fazer em relação a bebidas alcoólicas. A Família – Proclamação ao Mundo nos ensina sobre o padrão do casamento. E todas as outras perguntas, podemos encontrar respostas no manual de Administração da Igreja, sites oficiais, escrituras e também no Guia para Estudo das Escrituras (GEE).

No entanto, surge um problema:

Como lidar com as diferenças de opiniões?

O Evangelho pode nos ajudar!

Em muitos casos, como o caso do aborto, não é somente nossa opinião que voga e sim, o posicionamento oficial da Igreja a qual pertencemos. E se pertencemos a Igreja de Cristo, se temos um testemunho da veracidade das coisas que aprendemos lá, nós seguiremos exatamente o que diz a Lei. Não se trata aqui de obediência cega e sim de saber que essas coisas, conforme são ensinadas, são os padrões estabelecidos pelo Senhor.

Mas voltando a pergunta, como lidar com as diferenças de opiniões? Esses pontos, se observados, podem ser fundamentais quando nos depararmos com situações conflitantes.

Expor e não impor

Devemos deixar nossa fé transparecer. O Presidente Monson ensinou:

“Dia após dia, em seu caminho rumo a seu destino eterno, aumentem sua fé. Proclamem sua fé! Deixem sua fé transparecer!” (Deixem sua fé transparecer – Liahona Abril de 2014)

E ao deixar nossa fé transparecer, estamos expondo as coisas que acreditamos, estamos proclamando nossa fé. Mas não devemos confundir expor as coisas em que acreditamos com querer impor as coisas em que acreditamos. Cada um dos filhos de Deus será julgado por suas obras. Cada um  dos filhos de Deus tem algo precioso chamado livre arbítrio.

“Portanto, os homens são livres segundo a carne; e todas as coisas de que necessitam lhes são dadas. E são livres para escolher a liberdade e a vida eterna por meio do grande Mediador de todos os homens, ou para escolherem o cativeiro e a morte, de acordo com o cativeiro e o poder do diabo; pois ele procura tornar todos os homens tão miseráveis como ele próprio”.  (2 Néfi 2:27)

O Élder Dallin H.Oaks também ensinou:

“Como seguidores de Cristo, devemos viver pacificamente com outras pessoas que não compartilham de nossos valores ou não aceitam os ensinamentos sobre os quais se baseiam”. (Amar os outros e conviver com as diferenças – Liahona, Outubro de 2014)

telas

Saiba ouvir

Hoje em dia, prestar atenção no outro para ouvir com atenção suas ideias é uma qualidade rara.  Em geral, o comportamento humano não é propenso ao hábito de escutar com atenção, porque as pessoas têm uma tendência natural a falar mais.  Olhe nos olhos da outra pessoa e mantenha a calma enquanto conversar com ela. Esteja focado no diálogo sem distrações que possam prejudicar a concentração de ambos. É importante tentar manter-se afastado de qualquer pensamento preconceituoso. Lembre-se: o respeito é fundamental em qualquer situação.

Você não precisa concordar com tudo o que foi dito, mas deve ouvir com atenção sem impor de maneira arrogante a sua opinião.  Compreenda de fato o que o outro transmitiu para então questioná-lo. Dessa forma, você evitará interpretações infundadas.  Tenha consideração pelas opiniões de outras pessoas e demonstre respeito por elas.

Há uma frase erroneamente atribuída a Volteire, mas que foi dita na verdade por  Evelyn Beatrice Hall,que diz assim: “Eu não concordo com uma palavra do que você diz, mas defenderei até a morte o direito de dizê-la”. Isso é civilidade, isso é tolerância, isso é respeito ao próximo.

Não ouvir opiniões diferentes é abrir as portas para arrogância e para estagnação, porque é na discordância que a gente aprende e cresce. É preciso ouvir o que o outro tem a dizer, tentar entender o ponto de vista dele e absorver de tudo o que foi dito, pois, alguma coisa poderá ser para seu crescimento pessoal.

discernir

Evite contendas

“Cessai de contender uns com os outros; cessai de falar mal uns dos outros”. (Doutrina e Convênios 136:23)

Contenda quer dizer discórdia, argumentações e disputas. A contenda de forma alguma é agradável ao Senhor.   O Salvador disse que o espírito de discórdia é do diabo.

“Pois em verdade, em verdade vos digo que aquele que tem o espírito de discórdia não é meu, mas é do diabo, que é o pai da discórdia e leva a cólera ao coração dos homens, para contenderem uns com os outros”. (3 Néfi 11:29)

É normal que as pessoas tenham visões diferentes, e há ocasiões em que os discípulos de Jesus Cristo precisam defender suas crenças diante da oposição. Mas devemos formular nossas posições de modo positivo e factual, sem ficarmos zangados, amargos e sem ofender.

Você já deve ter ouvido que podemos “discordar sem ser desagradáveis”. Para evitar contendas, devemos avaliar nossos motivos e desejos. As escrituras dizem que “da soberba só provém a contenda” (Provérbios 13:10) Se sua maior preocupação é “vencer uma discussão” ou “ter razão”, é quase certo que haverá espírito de discórdia.

O Presidente Nelson ensinou algumas maneiras de evitar contendas:

(1) Mostrar preocupação e compaixão pelos outros;

(2) Conter o impulso de falar ou escrever de maneira conflituosa para ganho ou glória pessoal;

(3) Em humilde submissão, amar verdadeiramente a Deus. Assim poderemos ter o Espírito do Senhor conosco, não o espírito de discórdia.

(Russell M. Nelson, “O Cancro da Discórdia”, A Liahona, julho de 1989, p. 74.)

um jantar

Sempre haverá oposição em todas as coisas

Já imaginou como seria um mundo com todas as pessoas pensando exatamente igual? De onde viria a alegria? De onde viria o progresso?  Desde que o mundo é mundo, há oposição. Aprendemos que:

“Porque é necessário que haja uma oposição em todas as coisas. Se assim não fosse, meu primogênito no deserto, não haveria retidão nem iniquidade, nem santidade nem miséria, nem bem nem mal. Portanto, é preciso que todas as coisas sejam compostas em uma; pois se fossem um só corpo, deveriam permanecer como mortas, não tendo vida nem morte, nem corrupção nem incorrupção, nem felicidade nem miséria, nem sensibilidade nem insensibilidade.

Portanto, teriam sido criadas em vão; portanto, não haveria propósito na sua criação. Portanto, isso destruiria a sabedoria de Deus e seus eternos propósitos, assim como o poder e a misericórdia e a justiça de Deus.

O Senhor Deus concedeu, portanto, que o homem agisse por si mesmo; e o homem não poderia agir por si mesmo a menos que fosse atraído por um ou por outro.

E então, eis que se Adão não houvesse transgredido, não teria caído, mas permanecido no jardim do Éden. E todas as coisas que foram criadas deveriam ter permanecido no mesmo estado em que estavam depois de haverem sido criadas; e deveriam permanecer para sempre e não ter fim.

E não teriam tido filhos; portanto, teriam permanecido num estado de inocência, não sentindo alegria por não conhecerem a miséria; não fazendo o bem por não conhecerem o pecado.

Mas eis que todas as coisas foram feitas segundo a sabedoria daquele que tudo conhece.

Adão caiu para que os homens existissem; e os homens existem para que tenham alegria”.

(2Néfi 2: 11-12;16;22-25)

Será que compensa iniciar uma discussão ou até mesmo uma briga, para tentar convencer o outro? Oposições sempre existiram e elas são necessárias para o progresso.

no divórcio

Não julgar

Infelizmente, muitos de nós temos o hábito de julgar aqueles que pensam diferente ou estão vivendo diferente dos padrões que para nós, são os ideais.  E isso definitivamente, não é agradável ao Senhor.

“Não julgueis, para que não sejais julgados. Porque com o juízo com que julgardes sereis julgados, e com a medida com que tiverdes medido hão de medir a vós.E por que reparas tu no argueiro que está no olho do teu irmão, e não vês a trave que está no teu olho?” (Mateus 7:1-3)

O Élder Gregory A.Shwitzer disse:

“Às vezes acabamos fazendo um juízo apressado das pessoas, que pode mudar ou redefinir nosso relacionamento com elas. Frequentemente julgamentos equivocados são feitos devido a informações limitadas ou por não enxergarmos além daquilo que temos a nossa frente”. (Desenvolver um bom julgamento e não julgar os outros – Liahona Abril de 2010)

O Elder Dieter F. Uchtford ensinou o seguinte em um de seus discursos na Conferência Geral de 2012:

“Esse assunto de julgar os outros poderia, de fato, ser ensinado em um sermão de duas palavras. No que se relaciona a ódio, maledicência, desprezo, infâmia, rancor ou o desejo de magoar, apliquem o seguinte:

Parem já!

É muito simples. Simplesmente temos de parar de julgar os outros e devemos substituir os pensamentos e sentimentos dessa natureza por um coração cheio de amor a Deus e a Seus filhos. Deus é nosso Pai. Somos Seus filhos. Somos todos irmãos e irmãs. Não tenho palavras exatas para expressar com suficiente eloquência, ardor e persuasão para que fique bem marcada essa questão de não julgar os outros. Consigo citar escrituras, tentar expor a doutrina e vou até mesmo citar um adesivo que vi recentemente. Estava afixado no para-choque traseiro de um carro cujo motorista parecia ser um pouco ríspido, mas as palavras do adesivo ensinam uma lição profunda. Dizia: ‘Não me julgue só porque o meu pecado é diferente do seu’. Devemos reconhecer que todos somos imperfeitos — que somos todos mendigos diante de Deus”.

Continuaremos a julgar?

vergonha

Ame ao próximo, independente de suas opiniões

O conselho do Élder S. Mark Palmer concernente a amar é:

“Nunca devemos deixar de amar uma criança, um amigo ou um membro da família só porque essa pessoa não está vivendo de acordo com nossas expectativas”.

É muito fácil amar quando são nossos amigos. É muito simples orar por aqueles que gostamos. É muito prazeroso conviver com pessoas que pensam de forma semelhante. Mas o mandamento dado pelo Mestre é:

“Amarás o teu próximo como a ti mesmo”. (Mateus 22:39)

E quando as opiniões forem diferentes? E quando iniciarmos uma discussão política? E quando nossos pontos de vistas foram opostos?  “Amarás o teu próximo como a ti mesmo”.

“Todas as vezes que vocês sentirem que estão lhe pedindo que façam algo difícil, pensem no Senhor olhando para vocês, amando vocês e convidando-os a segui-Lo”. (E Jesus, olhando para ele, o amou – Liahona Abril de 2017)

Que não nos esqueçamos de que:

“Aqueles que são mais difíceis de amar são os que mais precisam de amor”. (E Jesus, olhando para ele, o amou – Liahona Abril de 2017)

Esperamos que esse artigo possa ajudar a ver as diferentes opiniões sob uma nova perspectiva. Mas se você discorda de algo, ou de tudo, está tudo bem também. Afinal, sempre haverá oposição.

Conte-nos como o Evangelho  ajuda você a lidar com as diferenças de opinião.

Relacionado:

Como falar de religião com seus amigos sem causar contenda