Elder Tad R. Callister ensina sobre porque precisamos de heróis

Nesta mensagem para o Church News, o Élder Tad. R. Callister, Setenta Autoridade Geral Emérita ensinou sobre como é importante termos heróis em nossas vidas e qual a diferença que eles fazem.

Suponha por um momento que você tem a sorte de assistir aos Jogos Olímpicos mundiais. Você ouve o anúncio no auto falante que o salto em altura será o próximo evento.

Com grande expectativa, você examina o campo interno, mas fica intrigado por não ver nenhum ponto para a competição de salto em altura. E não está em lugar nenhum.

Em seguida, o é feito um anúncio de que o ponto para a competição de salto em altura foi removido. Em vez disso, os concorrentes foram informados de que eles devem encontrar um espaço aberto e, em seguida, saltar tão alto quanto possível.

Os concorrentes estão atordoados e protestam contra a decisão, mas é dito que eles não precisam de uma barra, que teoricamente, eles podem saltar tão alto quanto sem ela.

Um pensamento lhe vem à mente, “os oficiais não podem estar falando sério. Todos sabem que a barra para o salto extrai cada pedaço de energia e força que um concorrente tem e, assim, eleva-o a alturas maiores do que de outra forma possível.”

A vida real ensinou a vocês que há uma enorme diferença entre a teoria acadêmica e a realidade concreta.

E é por isso que precisamos de heróis. Eles são a realidade concreta – o padrão – a barra que nos eleva a alturas maiores do que de outra forma possível por conta própria.

Mais do que uma banalidade — mais do que um princípio moral — eles constituem o exemplo da vida real de um homem ou de uma mulher que “o fez” e, portanto, possuem o poder inerente de libertar o potencial divino dentro de nós, de nos elevar a alturas novas, mesmo aparentemente inatingíveis.

Aprender sobre heróis é muito mais do que uma lição de história, muito mais do que um exercício intelectual ou missão de descoberta de fatos.

Provoca uma agitação do nosso coração e da nossa alma que refina e purifica o nosso carácter. Heróis eliminam desculpas e mentalidade de vítima.

Eles demonstram atributos divinos em suas vidas e, assim, nos dão uma visão ampliada de quem realmente somos e no que realmente podemos nos tornar.

E com essa visão ampliada vem a motivação ampliada.

Os heróis são muito mais do que ídolos ou celebridades. Eles são indivíduos que trazem o melhor em nós — que nos ajudam a participar da “conduta piedosa” (Doutrina e Convênios 20:69) para a vida eterna.

Felizmente, heróis não são apenas luzes brilhantes de um passado distante, mas estão em toda parte – o amigo que sofre sem perder a fé, o empresário que é honrado, mesmo quando a lei não exige, a mãe que sacrifica seus interesses pessoais, a fim de passar um tempo de qualidade com seus filhos, e o patriota que defende o país e a Constituição.

Os heróis nos ajudam a saber que os mortais com todas as suas falhas e fraquezas podem elevar-se acima deles e alcançar a grandeza, até a piedade.

São eles que nos dão esperança e força para sermos melhores e continuar mesmo em momentos de desespero ou desânimo.

Simplesmente dito, os heróis inspiram grandeza em indivíduos e nações.

Jovens Guerreiros de Helamã

Temos muitos heróis religiosos que atuam como catalisadores espirituais que nos elevam a um lugar mais elevado. Quando jovem, eu amava a história dos 2 mil filhos de Helamã e queria ser como eles, cheios de fé, coragem e honra.

Não há dúvida de Mórmon olhou Morôni, o comandante-em-chefe dos exércitos nefitas, como um herói, quando ele escreveu:

“Em verdade vos digo que se todos os homens tivessem sido e fossem e pudessem sempre ser como Morôni, eis que os próprios poderes do inferno teriam sido abalados para sempre; sim, o diabo nunca teria poder sobre o coração dos filhos dos homens” (Alma 48:17).

Esta é uma razão pela qual é tão importante estudar as escrituras — para descobrir heróis espirituais que podem servir como nossos modelos.

No entanto, há alguns que querem degradar ou denunciar muitos dos nossos heróis do passado, simplesmente porque eram imperfeitos — uma condição com a qual todos os mortais sofrem.

Algumas pessoas podem se concentrar na cabeça e nos braços desaparecidos da famosa estátua “Vitória de Samotrácia”, mas no processo, perder completamente a obra-prima que é universalmente aclamada.

E da mesma forma, alguns podem se concentrar na perda momentânea de fé de Pedro em como ele afunda na água, mas no processo, perder de vista o fato de que por alguns passos ele realmente caminhou sobre a água.

Quantas pessoas você conhece que tenham caminhado sobre a água, mesmo por alguns passos?

Pedro

Alguns tornam-se tão obcecados com as imperfeições de um indivíduo, que no processo não reconhecem suas forças mais do que suficientes, e assim, os heróis que realmente são.

Pode não ser um imperativo moral ter heróis, mas o homem ou mulher que tem heróis tem mais um incentivo para ser melhor do que a pessoa que não tem nenhum.

Heróis são como uma barra que nos eleva ao céu. Não reconhecer heróis ou viver sem eles é viver sem essa barra – “saltar” sob o nosso potencial, tanto individualmente quanto como nação.

Fonte: Church News

| Para refletir

Comente

Seu endereço de e-mail não será divulgado. Os campos obrigatórios estão marcados com *