O que significa dizer que Deus “descansou” no sétimo dia?

Nos relatos antigos da criação do Oriente Próximo, “descanso” não é apenas o motivo para empreender a criação em primeiro lugar, mas também o final feliz que segue a criação como o evento culminante da vitória triunfante da ordem e do domínio divino sobre o caos.

No relato bíblico, como nos antigos relatos do Oriente Próximo, como Enuma Élish, Deus descansa (ou “cessa”) quando seu trabalho é concluído.

Quando o faz, tomando o Seu lugar no meio da criação e ascendendo ao Seu trono, um templo feito com mãos divinas surge como um santuário – uma “sala de controle do cosmos”, como Walton o diz.

Esta compreensão acadêmica atual do processo descrito em Gênesis 1 como a organização de um mundo adequado, para servir como uma morada para Deus está em contraste com a visão tradicional, agora cientifica e teologicamente desacreditada, de que a história bíblica apenas descreve em termos poéticos os passos discretos de uma criação material ‘à partir do nada’, seguida de um simples “cessar” de atividade.

Em vez disso, a partir dessa perspectiva atualizada, podemos considerar o sétimo dia da criação como a glorificação de Deus e a culminação de todos os eventos anteriores da criação.

O verdadeiro descanso é finalmente alcançado apenas quando Deus governa supremo em Seu templo divino – e Seu justo e devidamente nomeado rei governa na terra.

A ordem e a perfeição da criação

A graça da criação completa é maravilhosamente expressa na forma literária através do simbolismo dos números, “o heptade” (conjunto de sete), representando a perfeição divina.

“As sete unidades literárias da narrativa apresentam sete vezes a fórmula para a efetivação da vontade divina e a declaração de aprovação divina; e os seis dias da Criação culminam no sétimo”.

Outros detalhes do texto hebraico destacam o mesmo tema:

A primeira frase tem sete palavras em hebraico 7

A segunda frase tem catorze palavras em hebraico 7×2

O relato da criação é dado em 56 versículos 7×8

O nome de Deus (Elohim) aparece 35 vezes 7×5

A terra (erets) aparece 21 vezes 7×3

Céus (shamayim, raqia) aparece 21 vezes 7×3

Bom (tov) sete vezes 7

O sétimo parágrafo em hebraico corresponde ao 7º dia 7

A fim de enfatizar o foco central do capítulo, o comprimento da descrição de cada período de criação cresce mais à medida que a história progride.

“Os dois primeiros dias são resumidamente recontados (com 31 e 38 palavras, respectivamente). Os três dias seguintes (dias 3, 4 e 5) são aproximadamente o dobro desse comprimento (69, 69, e 57 palavras, respectivamente); e o relato do último dia de criação (dia 6) é dobrado novamente (149 palavras).”

Adão e Eva foram criados no sexto ou no sétimo Dia?

nomes

Doutrina e Convênios 77:12 parecem implicar que foi obra de Deus até agora, e não o próprio sétimo dia, que foi santificado.

Além disso, o versículo pode ser levado a dizer que a criação do homem em corpo físico, aconteceu no início do sétimo dia, em vez de o final do sexto.

“Assim como Deus fez o mundo em seis dias e no sétimo dia terminou sua obra, santificando-o, e também do pó da terra formou o homem.”

Porque o versículo parece contradizer a interpretação padrão de Moisés 2:26-27 como sendo um relato da criação física da humanidade no sexto dia, alguns concluíram que há uma ambiguidade semântica ou gramatical na revelação, por exemplo, talvez “acabada” deva ser entendida como “terminada”.

Também é possível que tenha havido algum erro de transcrição, já que “as primeiras cópias manuscritas da seção 77 não sobreviveram”.

Ou talvez, como Stephen Whitlock sugeriu, a criação da humanidade descrita em Moisés 2:26-27 foi considerada como algo diferente e além da formação de Adão “do pó da terra”.

“E eu, Deus, abençoei o sétimo dia e santifiquei-o”

 

O culminar da semana de atividades divinas não está no ato de criação, mas sim na bênção e santificação do dia em que a criação cessou.

Ao contrário das bênçãos específicas ao homem e aos animais dadas em Moisés 2:22, 28, esta bênção “é indefinida e pertence ao próprio tempo. …Deus, através de sua criatividade, já estabeleceu Sua soberania sobre o espaço; a idéia aqui é que ele é soberano ao longo do tempo também”.

Para “santificar” algo é declará-lo não apenas bom (como foi feito para os produtos dos seis dias da criação), mas para torná-lo santo.

Desta perspectiva, Truman G. Madsen explicou: “longe de ser um dia de injunções estritas, que são deveres sem alegria impostos sobre os deveres do dia anterior, o ‘Sabbath’ (Dia do Senhor) é a recompensa para o resultado, na verdade, o clímax de todas as outras criações preparatórias. Não é uma paragem imposta. Foi para isso que toda a preparação foi concebida e, portanto, tem grande valor. Foi, de fato, feito para o homem”.

Conclusão

No livro de Hebreus, os leitores são incitados a entrar no “descanso do Senhor”. Catherine Thomas escreveu: “eles tinham permanecido muito tempo no sopé da experiência espiritual. Tendo ‘provado o dom celestial, …a boa palavra de Deus, e os poderes do mundo vindouro’ eles não podiam mais adiar a retomada da escalada para que não perdessem a promessa. … A promessa de entrar no “descanso do Senhor” a que Paulo se refere repetidamente é a mesma promessa explicada em Doutrina e Convênios 88:68-69:

“Portanto, santificai-vos… e virão dias em que vereis [Deus]; porque ele vos desvendará sua face”.

Fonte: Meridian Magazine

| Para refletir

Comente

Seu endereço de e-mail não será divulgado. Os campos obrigatórios estão marcados com *