A doutrina de Cristo não é racista

Como as acusações contra sua história, alguns insistem que a doutrina da Igreja de Jesus Cristo contém o racismo “embutido” em si. Aqueles que fazem essa afirmação estão cientes do que a Igreja realmente ensina?

É cada vez mais comum ouvir afirmações em comentários públicos ultimamente de que o racismo é de alguma forma intrínseco à doutrina dos santos dos últimos dias – até mesmo “no DNA” de nossa fé e seus ensinamentos.

Após um recente relatório da BYU sobre igualdade racial, foi dado como certo entre alguns críticos que quaisquer medidas para erradicar o racismo seriam “insuficientes” até que a Igreja “confrontasse” o que eles alegavam ser racismo “embutido na doutrina central”.

Como uma pessoa escreveu nos comentários após uma revisão desse relatório do Salt Lake Tribune, “O racismo está embutido na cultura e nas escrituras mórmons”.

É notável como raramente esses tipos de afirmações acusadoras são questionados. Tais declarações são tomadas por muitos como algo de uma verdade evangélica recém-descoberta – apresentada como se todo observador atento devesse concordar com sua clareza evidente.

É claro que, se algo é legitimamente verdadeiro, o escrutínio apenas o estabelecerá mais e provará sua validade.

No entanto, em comparação com o escrutínio intensivo aplicado a cada elemento da doutrina e ensino da Igreja pelos críticos, muito pouco escrutínio vai na direção inversa, considerando as suposições por trás dessas acusações comuns.

A seguir, fazemos parte disso – respondendo a esta afirmação de doutrina racista e detalhando por que não só é falsa – mas como infelizmente esconde a verdade mais clara: que a doutrina e os ensinamentos da Igreja de Jesus Cristo não são racistas.

O cerne do ensino na Igreja

Resumindo de forma simples, esta Igreja proclama que “Deus ama todos os seus filhos” e “que a redenção por meio de Jesus Cristo está ao alcance de toda a família humana nas condições que Deus prescreve”.

A Igreja declara enfaticamente que todo aquele que é justo – independentemente da raça – é “favorecido por Ele”.

Antigamente, Néfi afirmou no Livro de Mórmon, “todos são semelhantes para com Deus”, e  Pedro mais tarde ensinou que Deus “não faz acepção de pessoas”.

Hoje, as crianças da Primárias de diferentes raças e etnias em todo o mundo testificam: “Sou um filho de Deus”.

A doutrina e os ensinamentos da Igreja de Jesus Cristo estão entre os menos racistas de todos na terra.

Esse é o tema subjacente, predominante e dominante do ensino, não apenas hoje – mas desde a restauração inicial da Igreja.

Onde o desvio desse ensino surgiu, como se poderia antecipar em um mundo sitiado pelo animus racial por milênios, essas digressões frequentemente dependem do uso indevido e da interpretação errônea de um subconjunto muito pequeno de escrituras, algumas das quais são abordadas abaixo.

Nada do que se segue nega a realidade do preconceito entre uma parte dos membros – tanto do passado quanto do presente – nem as ações (ou omissões) de líderes anteriores que os santos modernos podem legitimamente lembrar com alguma tristeza.

Além de atitudes ou decisões individuais apenas, o grau em que o preconceito racial tem permeado historicamente a maioria das instituições de maneiras sutis e abertas também significa que uma conversa séria sobre o racismo sistemático não deve ser descartada.

Nesse artigo, nosso foco é a doutrina real – ensinamentos que concordamos simplesmente nem sempre foram totalmente apreciados, adotados e vividos.

Ensinamentos do Livro de Mórmon fora de contexto

Os críticos citam referências neste texto sagrado que descreve as distinções entre uma pele escura ou “pele negra” entre o povo lamanita e uma pele “branca” entre os nefitas.

Uma vez que o texto vincula essas distinções a níveis relativos de fidelidade a Deus (com a pele sendo escura em uma ocasião e branca em outra, com base nas escolhas que as pessoas fizeram), não é difícil ver por que alguns se sentiram confusos e até indignados.

“Que mensagem isso envia para as pessoas?”

Bem, continue lendo! Se lermos esses quatro versículos específicos isoladamente, e ignorarmos todos os 6.600 restantes, não ficaremos surpresos se tivermos sentimentos de confusão ou frustração.

No entanto, se o objetivo é algo mais – uma compreensão de toda a verdade – precisamos ler todo o texto para examiná-lo.

Afinal, nenhum crítico literário, linguista ou estudioso de qualquer credibilidade poderia julgar um texto com base em uma leitura isolada de 0,06% de seu conteúdo.

Mais do que simplesmente desafiar a interpretação popular desses quatro versículos entre nossos críticos seculares, o resto do livro, argumentamos, fornece o contexto crítico, até mesmo indispensável, a partir do qual explorar essas referências corretamente.

Na ausência desse contexto mais amplo, torna-se quase impossível evitar uma percepção estreita e simplificada ao longo das linhas de “o Livro de Mórmon diz que ter pele escura vem da desobediência, e que se seguirmos a Deus, nossa pele será mais branca. O que mais precisa ser dito?”

Muito! Em primeiro lugar, esta não é a mensagem geral do Livro de Mórmon, e é preciso ampliar seu conteúdo poderosamente para poder dizer isso.

Em vez de declarações gerais da verdade para todo o mundo, os dois casos em que ocorreram mudanças na cor da pele (filhos de Lamã tornando-se mais escuros e lamanitas convertidos antes da vinda de Cristo tornando-se mais claros) são um subtexto passageiro para algo muito maior, mais profundo: que cada um de nós, “homem e mulher, velho e jovem, negro e branco”, temos a mesma escolha crítica diante de nós: como respondemos a Jesus e seus ensinamentos.

Tudo depende disso. O livro declara que aqueles que confiam no Cordeiro de Deus o suficiente para segui-Lo, afastando-se de outros tipos de caminhos atraentes, seguirão uma trajetória de desenvolvimento diferente daqueles que não o fazem.

A importância dessa distinção, entre seguidores e céticos, sempre esteve no centro da mensagem cristã para o mundo, assim como para o próprio Livro de Mórmon.

Se há uma mensagem sobre a inferioridade que este cânone sagrado proclama, é sobre a trajetória inferior daqueles que escolhem uma vida traindo a Deus, que “nunca foi felicidade”.

Nada disso é para negar que essas diferenças no tom de pele eram importantes para esses povos antigos, como foram importantes ao longo da história da humanidade para a maioria das culturas.

Com algumas exceções, diferenças étnicas acaloradas sempre foram reais e cruas até mesmo ao longo da história sagrada. Um exemplo são os dissidentes do povo de Deus que escolheram se marcar externamente de uma nova maneira para se distinguir, já que sua cor de pele não o faria.

Isso também não sugere que as pessoas não devam ter curiosidade ou preocupação com as referências em questão.

No entanto, como aqueles poucos versículos que recebem tanta atenção deixam claro, quaisquer diferenças na cor da pele que surgiram eram, na época, apenas um marcador superficial dessas diferenças mais profundas e consequentes.

A pergunta duradoura que esses versículos apontam é: Você seguirá a Cristo, confiará Nele e irá “deixar que Deus prevaleça em sua vida?” como o presidente Russell Nelson declarou recentemente?

Essa é a questão central em torno da qual tudo o mais no Livro de Mórmon se articula, e não de uma forma que se correlaciona de forma linear e clara com a pele negra ou branca.

A correlação entre cor de pele e retidão

Embora os nefitas de pele clara tenham sido descritos como mais obedientes no início, mais tarde no livro, foram os ânti-néfi-leítas de pele escura que deram o exemplo para os nefitas de pele clara enterrando suas armas de guerra.

E mais tarde, foram os lamanitas que estenderam a mão para os nefitas iníquos afim de exortá-los a se arrepender e seguir a Deus.

E, é claro, no final os únicos sobreviventes no Livro de Mórmon – em duas civilizações separadas – foram as pessoas de pele escura, e não por acaso.

Como o Profeta Jacó havia advertido (e predito), isso aconteceu, pelo menos em parte, porque o povo lamanita seguiu mais a Deus na maneira como cuidavam e amavam seus preciosos familiares.

Embora todas as pessoas no final do registro fossem iníquas, o texto sugere que a fidelidade anterior que os lamanitas demonstraram aos princípios cristãos fundamentais contribuíram para sua preservação – e que a destruição das pessoas de pele mais clara aconteceu porque eles acabaram se voltando contra Deus e uns aos outros, em ódio e animosidade.

Isso torna o livro uma acusação contra a cor branca? Não mais do que pode ser lido como uma acusação contra a cor escura.

Como em nossos dias, não são apenas as animosidades raciais que colocam as pessoas umas contra as outras; é um conflito entre o bem e o mal (com “racismo / etnocentrismo” como um dos membros constitutivos do “mal”).

Da mesma forma, não foi apenas a reconciliação racial que uniu esse povo antigo; foi uma reconciliação com o próprio Deus – especialmente quando o próprio Cristo veio visitar o povo. Em toda a história, há poucos exemplos de transformação mais profunda na superação do racismo como a vivida por essas duas nações durante aquele evento. É uma ótima leitura para todos (ver 3 Néfi 11-27).

escrituras em malaio

No entanto, antes deste momento de definição – e depois – as pessoas continuaram a viver separadas ao longo de sua história, muitas vezes por linhas étnicas. No único caso em que o livro lança uma luz sobre a animosidade específica à cor da pele, o Profeta Jacó o condena direta e vigorosamente:

“Portanto, eu vos dou um mandamento, que é a palavra de Deus: que não mais os injurieis por sua pele escura nem os injurieis por causa de sua imundície; mas deveis recordar vossa própria imundície e lembrar-vos de que a imundície deles lhes adveio por causa de seus pais.”

Então, havia racismo no Livro de Mórmon? Sim. Mas, como o próprio texto do livro deixa claro, esse é um racismo que o livro condena.

Sugerir o contrário e insinuar que o texto do Livro de Mórmon e a doutrina central da Igreja estão promovendo o animus racial é míope, na melhor das hipóteses, e totalmente desonesto, na pior.

Foi Néfi, irmão mais velho de Jacó, que foi além de “não ser racista”, para expor a mensagem mais central e positiva que o livro compartilha sobre Jesus, que “porque ama o mundo a ponto de entregar sua própria vida para atrair a si todos os homens.

Néfi continua:

“Portanto, a ninguém ordena que não participe de sua salvação. Eis que clama ele a alguém, dizendo: Afasta-te de mim? Eis que vos digo: Não; mas ele diz: Vinde a mim todos vós, extremos da Terra, comprai leite e mel sem dinheiro e sem preço.”

Entender a doutrina divina

Em muitos aspectos, a restauração é a história de um povo decaído perseguindo uma doutrina exaltada.

É assim que vemos a restrição de um século aos afrodescendentes portadores do sacerdócio. Enquanto alguns continuam a insistir que a manutenção prévia da restrição é mais uma confirmação de que a doutrina dos santos dos últimos dias é inerentemente racista, acreditamos que é a remoção da restrição há 43 anos é o que reflete a “plenitude” de nossa verdadeira doutrina.

Mesmo assim, o progresso em viver essa doutrina tem sido decepcionantemente lento.

Uma reunião de todas as raças, credos e origens

Com o tempo, o evangelho de Cristo, conforme ensinado na Igreja de Jesus Cristo, foi projetado para quebrar barreiras, não para edificá-las.

Em vez de agregados em uma localidade, nação ou língua, os santos dos últimos dias acreditam explicitamente que o povo escolhido de Deus está espalhado por todas as nações, línguas, raças, gêneros e culturas em todo o mundo.

O sólido fundamento doutrinário desta reunião é que todos os seres humanos são igualmente amados por Deus e todas as pessoas têm o mesmo valor aos olhos de Deus.

E isso significa que ninguém é excluído. Como o próprio Néfi pergunta: “[Deus] ordenou a todos que não participasse de sua salvação? Eis que vos digo: Não; mas ele o deu gratuitamente a todos os homens e ordenou a seu povo que persuadisse todos os homens a se arrependerem”. Ele então reitera:

“Pois nenhuma destas iniquidades vem do Senhor, porque ele faz o que é bom para os filhos dos homens; e não faz coisa alguma que não seja clara para os filhos dos homens; e convida todos a virem a ele e a participarem de sua bondade; e não repudia quem quer que o procure, negro e branco, escravo e livre, homem e mulher; e lembra-se dos pagãos; e todos são iguais perante Deus, tanto judeus como gentios.”

É verdade que o próprio Jesus Cristo restringiu seus ensinamentos aos judeus, excluindo os gentios durante sua vida.

Mais tarde, Pedro foi finalmente instruído de que era hora de levar o evangelho aos gentios, que precisavam de um estímulo divino extra.

A Igreja antiga, então, como a Igreja moderna, eventualmente mudou para um trabalho de unificar as pessoas através das fronteiras raciais, étnicas e culturais.

Como em épocas anteriores, essas divisões levam tempo para serem superadas.

No entanto, como o Presidente Nelson enfatizou, a maior prioridade de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias é reunir pessoas em amor e unidade de todas as raças, culturas e nacionalidades em todo o mundo.

Em suma, a substância da mensagem subjacente do Livro de Mórmon e da Igreja que proclama sua validade é inerentemente contrária à hostilidade racial.

E concluir o contrário exigiria um mal-entendido fundamental e profundo de seus ensinamentos expressos tanto pelos profetas antigos quanto modernos.

Fonte: Public Square Magazine

| Para refletir, Popular

Comente

Seu endereço de e-mail não será divulgado. Os campos obrigatórios estão marcados com *