Estudo das Escrituras. Diretos Reservados. Usado com permissão.

Estudo das Escrituras. Diretos Reservados. Usado com permissão.

Com a nova edição da Bíblia em português vários recursos, que não estavam disponíveis em nosso idioma, agora estão ao nosso alcance. Eles ajudarão a absorver melhor o conteúdo da Bíblia, além de incentivar-nos a aplicar a Palavra em nossa vida. Confira os recursos abaixo:

  1. Expressões Idiomáticas. A Bíblia em suas versões em hebraico (língua original do Velho Testamento), em aramaico e em grego (língua em que foi escrita a maior parte do Novo Testamento) foram usada como fontes de referência durante os cinco anos de tradução para nosso idioma. Nas notas de Rodapé encontramos: HEB – Tradução alternativa do Hebraico; IE – explicação de expressões idiomáticas e construções incomuns; e OU – indicando uma expressão alternativa para explicar o significado de frases arcaicas. Por exemplo: em Gênesis 1:1, encontramos uma referência sob a palavra “criou”: HEB – deu forma, criou, sempre um atividade divina; organizou, formou.
  2. Foram Preservados o Espírito e a Linguagem Tradicional das Escrituras. Assim, evitou-se modernizar as passagens de modo a tornar o texto trivial, redundante e desleixado – como em algumas edições que encontramos em nossa língua que ao procurar simplificar o texto adulteram o conteúdo. Todavia, “Foram mantidas as características gramaticais e estilísticas, bem como alguns termos arcaicos, exceto quando se fizeram necessárias modificações que favorecessem a compreensão e a leitura do texto. A acentuação, a pontuação e a ortografia foram atualizadas. Os termos cujo significado se alterou com o passar do tempo e que atualmente têm conotações impróprias foram substituídos por outros mais adequados.” [1]
  3. Referências às outras Obras-Padrão. Nas notas de Rodapé encontramos referências que ligam as escrituras. Assim somos direcionados para referências de escrituras da Bíblia, do Livro de Mórmon, de Doutrina e Convênios e da Pérola de Grande Valor. “A Bíblia e as escrituras modernas “serão [unidas]” (2 Né. 3:12) “para que (…) se tornem uma só (…) na [Sua] mão” (Eze. 37:17), declarando a uma só voz a realidade viva de Deus, o Pai Eterno e Seu Filho, Jesus Cristo.” [2] Por exemplo: em Isaías 2:1 há uma breve nota mencionando que os capítulos 2-14 de Isaías são mencionados em 2 Néfi 12-24.
  4. Guia para o Estudo das Escrituras (GEE). Lendo 2 Samuel 2:4, por exemplo, encontramos referências ao GEE, nos verbetes”Davi” e “Judá- Reino de Judá”. Ao acessar o Guia, que sempre acompanha as escrituras – e que teve uma reformulação recente – encontramos explicações e outras passagens vinculadas a esses temas, além de mapas, Seleção da Tradução de Joseph Smith, cronologias, etc. É um valioso recurso para o entendimento das escrituras.
  5. Tradução de Joseph Smith da Bíblia (TJS). “O Senhor inspirou o Profeta a restituir ao texto bíblico as verdades que haviam sido perdidas ou alteradas desde que o original fora escrito. Essas verdades restauradas esclareceram a doutrina e melhoraram a compreensão das escrituras. Por ter o Senhor revelado a Joseph algumas verdades que os autores haviam registrado anteriormente, a Tradução de Joseph Smith é diferente de qualquer outra tradução da Bíblia existente no mundo. Nesse sentido, a palavra tradução é usada em um sentido mais amplo e de forma diferente da habitual, posto que a tradução de Joseph foi mais uma revelação do que uma tradução literal de um idioma para outro.” [3] Um exemplo é I Pedro 4:6, que na TJS ficou assim: “Por causa disso, é pregado o evangelho aos que estão mortos, para que sejam julgados segundo os homens na carne, mas vivam no espírito segundo a vontade de Deus.”

______________

NOTAS

[1] Introdução – Bíblia Sagrada

[2] Idem a nota anterior

[3] GEE – Tradução de Joseph Smith da Bíblia – Introdução