Ecce Homo por Antonio Ciseri

Eu estava em uma conversa informal sobre os acontecimentos mundiais atuais com várias pessoas, algumas das quais eram de ascendência judaica. Tragicamente, os últimos anos têm visto um aumento nos atos terroristas que visam os judeus e as suas sinagogas. Uma pessoa em nosso grupo mencionou a desculpa secular que algumas pessoas têm perseguido os judeus pois “eles mataram o Messias cristão”.

Os ditadores e os déspotas da antiga era romana a Hitler justificaram perseguir e matar os judeus, pelo menos em parte, como base naquela reivindicação completamente falsa. Satanás promulgou essa mentira, e o resultado foi a morte de milhões de judeus inocentes, entre eles mulheres e crianças.

Uma leitura superficial do Novo Testamento pode levar as pessoas a presumir que Caifás, o sumo sacerdote, e os membros do Sinédrio eram culpados. Poncio Pilatos cedeu às suas demandas e, depois de lavar as mãos simbolicamente, no entanto, deu a ordem para crucificar. Os soldados romanos realizaram a crucificação.

Mas esse pequeno fragmento da história nem sequer se aproxima de dar a verdadeira imagem de quem causou a morte de Jesus Cristo.

Qualquer um que culpa os judeus não sabe nada do cristianismo central.

Ele fez uma declaração clara em João 10:15

“e dou a minha vida pelas ovelhas”.

Então ele dá mais detalhes nos versículos 17-18:

“Por isso o Pai me ama, porque dou a minha vida, para tornar a tomá-la. Ninguém ma tira de mim, mas eu de mim mesmo a dou; tenho poder para a dar, e poder para tornar a tomá-la. Este mandamento recebi de meu Pai”.

Ele não poderia ser levado pela força. Ninguém, nenhum exército poderoso poderia ter tomado Cristo e levado-O para a morte. Jesus Cristo era mais poderoso do que todos eles e poderia impedi-los de perpetrar força letal contra Ele. O Senhor também tinha poder sobre a própria morte, como afirmado em João 5:26:

“Porque, como o Pai tem a vida em si mesmo, assim concedeu também ao Filho ter a vida em si mesmo”.

Depois de Seu sofrimento no Getsêmani, os soldados liderados por Judas Iscariotes prenderam o Salvador. Pedro, buscando defender este ato contra Jesus, desembainhou a espada, cortando o ouvido de Malco, um servo do sumo sacerdote. O Salvador imediatamente curou Malco e disse a Pedro para guardar a espada, declarando “não beberei eu o cálice que o Pai me deu?” (João 18:10-11)

Nesse grupo de discussão, depois de revisar essas palavras, o Salvador registrou em João capítulo 10, ocorreu-me que há, de fato, pessoas que causaram a morte de Jesus Cristo.

Caifás na crucificação. Direitos autorais reservados.

Então eu disse ao grupo que eu sabia quem era realmente responsável pelo sofrimento e a morte de Cristo. Perguntei se algum deles conhecia os nomes dos responsáveis. Olhares em branco. Então eu levantei a mão. “Eu sou responsável. Ele morreu porque eu precisava do que só Ele poderia me dar, que era a Sua vida por mim. Ninguém mais poderia fornecer-me os resultados que Seu sofrimento e morte forneceram. Ninguém.”  Alguns deles, em seguida, levantaram a mão e me acompanharam.

Cada um de nós é a causa do sofrimento e da morte de Jesus Cristo. Precisamos do que só Ele poderia dar. Para mim, esta é uma coisa muito solene de contemplar. Ao ler João capítulo 10 fica claro que Ele voluntariamente deu a Sua vida por mim, por todos nós.

O Salvador também incluiu estas alegres palavras:

“eu vim para que tenham vida, e a tenham em abundância”.

Fonte: Third Hour

Relacionado:

Irmão Tad R. Callister: “A expiação de Jesus Cristo”