“Se foi demonstrado que tenho a disposição de morrer por um ‘mórmon’, declaro destemidamente perante o Céu que estou igualmente pronto para morrer em defesa dos direitos de um presbiteriano, um batista ou um bom homem de qualquer outra denominação.” Joseph Smith

É incrível como experiências semelhantes podem unir dois grupos muito diferentes, em especial os grupos religiosos. No dia 22 de maio, o New York Times publicou um artigo sobre como os mórmons estão se manifestando a favor daqueles de crença islâmica. Eles salientaram que todas as pessoas, desde funcionários do governo até cidadãos comuns, podem aprender com o exemplo dado pelos mórmons.

Discriminação política

A página de notícias Buzzfeed News relatou que desde 2015, em 49 dos 50 estados dos EUA, a perseguição contra os muçulmanos aumentou vertiginosamente. Na verdade, algumas autoridades do governo chegaram a dizer que não acreditam que o islamismo é uma religião devidamente organizada. O representante do estado de Oklahoma, John Bennet, chamou o islamismo de “câncer”. O senador do estado de Dakota do Sul, Neal Tapio, questionou a aplicação da primeira emenda da constituição norte-americana aos muçulmanos. Isso é interessante, considerando que os mórmons vivenciaram a mesma exclusão mais de 200 anos atrás.

 

Não causaria espanto saber que o estado de Utah é a contra essa perseguição política. Um dos senadores do estado de Utah, Orrin Hatch, declarou que seria “o primeiro a defender os direitos dos muçulmanos”. Outras autoridades governamentais de Utah também têm adotado essa posição. Eles sabem que se a liberdade de uma religião está sob ataque, a liberdade da nossa religião também está.

Perseguição do passado

Quem conhece bem a história de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, sabe que no início muitos membros passaram por vários desafios e perseguições por causa de suas crenças religiosas.* No ano de 1838, um grupo crescente de mórmons foi perseguido por uma multidão enfurecida e expulso de Kirtland, Ohio. Ao mesmo tempo, Joseph Smith, Hyrum Smith e alguns outros foram condenados a permanecer por seis meses na Cadeia de Liberty, onde as condições eram terríveis. Enquanto isso, os santos fiéis, que tinham fugido para o Missouri, sofreram ataques de outras multidões enfurecidas. Isto levou ao massacre de Haun’s Mill, onde 17 pessoas foram assassinadas.

Toda esta perseguição foi provocada por causa da preocupação que o governo tinha com o número, cada vez maior, de mórmons no país. O governo via esse crescimento como uma ameaça que os liberava de honrar com os direitos da primeira emenda.

E a perseguição não parou por aí. Em 1839 os primeiros santos fugiram para Nauvoo, Illinois, esperando que estivessem finalmente salvos. E eles estavam. Até 1844, quando o amado profeta Joseph Smith foi martirizado, e depois em 1848, foram forçados a deixar Nauvoo também. Quando eles finalmente encontraram refúgio no Vale do Lago Salgado, em 1847, foram assolados por duras provações e tribulações. Apesar de todo o sofrimento, este sentimento foi transmitido de geração em geração como uma lembrança que defende a liberdade religiosa para todos.

*Clique aqui para ver a cronologia completa da história da Igreja.

Deixando-os adorar como, onde, ou o que desejarem

Em 1842, durante um período de paz em Nauvoo, Illinois, Joseph Smith recebeu uma revelação de Deus que hoje conhecemos como as Regras de Fé. São treze, e cada uma delas destaca as diferentes verdades do evangelho.

A décima primeira declara

“Pretendemos o privilégio de adorar a Deus Todo-Poderoso de acordo com os ditames de nossa própria consciência; e concedemos a todos os homens o mesmo privilégio, deixando-os adorar como, onde, ou o que desejarem.”

Os mórmons entendem que se alguma religião está sob ataque, então a liberdade religiosa de todas as religiões também está. “Liberdade religiosa para alguns é tirar liberdade religiosa de todos” (NYT).

O que podemos fazer?

Embora a imprensa política seja influente, a compaixão cristã é mais forte. Seu nome pode não aparecer em um artigo do New York Times por manifestar-se a favor dos muçulmanos, mas você ainda pode ser gentil com seu próximo. Há pessoas e diferentes religiões ao seu redor. Seja caridoso e faça amigos. Eles podem ensinar uma verdade que você não sabia.

Deixe comentários sobre suas experiências com pessoas de outras crenças.

Fonte: MormonHub.com

Relacionado:

Mórmons, Católicos, Muçulmanos e Judeus Reunidos Pela Liberdade Religiosa