Irmã Aburto: Encontrar cura em ambos os lados do véu

A irmã Reyna Aburto e sua filha Elena, compartilham experiências que prepararam a irmã Aburto para seu discurso “Comigo habita, ó Deus, a noite vem!”, durante a conferência geral de outubro de 2019.

A contínua aprendizagem da maternidade

Entre o ensino médio e sua missão, Elena entrou em uma onda de depressão. Na esperança de ajudar sua filha, a irmã Aburto procurou os recursos da Igreja para obter mais informações, imprimiu discursos e recursos da Igreja e da Universidade Brigham Young.

“Eu não apenas os lia”, explicou a irmã Aburto. “Eu lia três ou quatro parágrafos por dia e ponderava sobre o que foi dito, eu realmente os estudava, queria aprender, queria saber.”

Como ela aprendeu sobre como apoiar alguém com aflições emocionais, ela descobriu a importância de ouvir sua filha.

Ela aprofundou sua compreensão sobre o convênio batismal ao perceber o que significa estar com “aqueles que precisam de conforto” (Mosias 18:9), que ela acredita que pode às vezes significar ouvir em vez de aconselhar.

“Você precisa ter conversas sinceras e estar disposto a ouvir coisas que, às vezes, você não quer ouvir, ser paciente, e apenas ser um bom ouvinte. E às vezes esqueço-me de fazer isso”, disse ela, observando que tem que se lembrar de ouvir em vez de tentar encontrar soluções.

E como a maioria dos aspectos da paternidade, leva tempo para aprender.

“Todos temos dias bons. Todos temos dias ruins. E temos de continuar a tentar e não desistir. Continuar a aprender, continuar a tentar, continuar a ouvir, continuar a amar, continuar a entender”, disse ela.

Inspiração para aprender e ensinar

Quando ela recebeu sua segunda tarefa para falar em conferência geral, irmã Aburto continuou encontrando-se em conversas sobre temas como depressão ou ansiedade.

Enquanto visitava as irmãs ao redor do mundo, elas às vezes perguntavam se era apropriado discutir esses temas na Sociedade de Socorro.

Depois de implorar por orientação sobre seu discurso, ela sabia que deveria falar sobre aflições mentais e emocionais.

Ela também sabia que se iria incentivar conversas sobre o tema, ela precisava liderar pelo exemplo e abrir portas para conversas em sua própria família.

Antes, ela evitava falar sobre a morte de seu pai por suicídio, a fim de lidar com seus próprios sentimentos.

Porém, em sua pesquisa ela descobriu que falar sobre suicídio pode realmente ajudar a preveni-lo.

A irmã Aburto decidiu sentar-se com seus filhos, eles não sabiam os detalhes da morte de seu avô, e contar-lhes mais sobre o que tinha acontecido. Eles choraram juntos e a conversa fortaleceu seus laços familiares.

“Veio do Senhor”

Ao compartilhar durante a conferência geral que seu pai tinha morrido por suicídio, o impacto foi instantâneo.

Imediatamente, as pessoas começaram a falar sobre seus comentários nas redes sociais, dizendo que era “incrível”, “aberto”, “honesto” e “desestigmatizante”.

Depois que a sessão terminou, esposas de Autoridades Gerais se aproximaram dela e compartilharam como coisas parecidas aconteceram em sua família também, e como suas palavras abririam o diálogo sobre um assunto tão difícil e delicado.

“Muitos pensamentos surgem na mente de famílias que passaram por isso. Podemos sentir culpa. Queremos voltar no tempo e mudar isso ou aquilo, para poder evitar”, disse ela.

“Mas a verdade é que não podemos mudar o passado. Precisamos aceitar que alguém tomou a decisão nesse estado de espírito e que Deus é misericordioso. Ele os recebe em seus braços.”

Agora, quando as pessoas preparam sua própria pilha de papéis para aprender sobre a saúde mental, talvez incluída na pilha está a conversa da irmã Aburto, “Comigo habita, ó Deus, a noite vem!”

“Posso testemunhar que o discurso veio do Senhor”, disse ela. Foi ele quem me guiou. Não era sobre mim.”

Quando se trata de curar de aflições associadas com a saúde mental, ela disse que espera que seu discurso guie as pessoas para o Senhor, porque foi nele que ela encontrou cura em sua própria vida.

Uma ligação com o outro lado do véu

Alguns anos depois de seu pai falecer e seu trabalho no templo ter sido concluído, a irmã Aburto teve um sonho em que viu seu pai compartilhando uma mensagem inspiradora em um púlpito de uma capela.

Ela espera que este sonho signifique que ele aceitou o evangelho no mundo espiritual.

“É lindo sentir essa ligação com o outro lado do véu”, disse ela.

“É algo que, é claro, sentimos no templo de uma forma muito tangível, mas também o sentimos em nossas vidas diárias. Há vida após a morte. Os membros da nossa família estão em um lugar onde têm interesse em nós, e poderemos voltar a vê-los, e continuaremos a progredir. Acredito que é um conceito tão bonito e uma coisa bonita para nos dar forças enquanto passamos por tempos difíceis em nossas vidas.”

Um templo em sua terra natal

Em abril de 2018, irmã Aburto deu seu primeiro discurso geral na conferência, “Unânimes”, durante a sessão da manhã de domingo.

Na sessão da tarde de domingo, o Presidente Russell M. Nelson anunciou que um templo seria construído em Manágua, Nicarágua.

O lugar onde a irmã Aburto tinha perdido o seu irmão, se tornaria um lugar onde as pessoas seriam seladas às suas famílias para sempre.

“Se o Presidente Nelson tivesse anunciado o templo no início da sessão de domingo de manhã, eu ficaria muito emocionada”, disse ela.

“Para mim, aquilo foi uma terna misericórdia, apenas o fato dele ter anunciado no final de tudo, porque eu simplesmente não conseguia parar de chorar enquanto pensava em todas as bênçãos que o templo traria ao meu povo. Sei que um templo abençoa não só os membros, mas também as pessoas que vivem em torno daquele lugar. Traz luz, esperança e paz.”

A irmã Aburto acredita firmemente que cada joelho se curvará diante de Cristo como diz nas escrituras (ver Romanos 14:11, Mosias 27:31, e Doutrina e Convênios 88:104), e planeja ensinar aos seus antepassados o evangelho do outro lado do véu, se eles ainda não o aceitaram.

“Talvez eles tenham ajudado as coisas a acontecerem para que eu aceitasse o evangelho. Em vez de lhes dizer o que fazer, podem ser que eles já saibam.”, disse ela.

Fonte: LDS Living

| Inspiração

Comente

Seu endereço de e-mail não será divulgado. Os campos obrigatórios estão marcados com *