Foto de capa: um parente vivo que Stacie descobriu ao visitar a vila ancestral de sua segunda-bisavó Maria.

Stacie Kingdon Proctor tinha 18 meses de idade quando seus pais se divorciaram. Enquanto crescia, ela mudou de escolas 18 vezes antes de ir para o ensino médio. Embora ela amasse seus pais e procurasse conexão em cada novo lugar para o qual ela se mudou, a vida de Stacie parecia sempre fragmentada. Como adulta, Stacie deixou um casamento infeliz, o que agravou os sentimentos de desconexão.

Stacie casou-se novamente, e o futuro parecia brilhante. Mas em 2014, seu tio, que tinha sido uma influência amável e amorosa para ela, cometeu suicídio como resultado de uma doença mental, desencadeando sua própria depressão profunda que, chegou a um estágio no qual foi necessário que ela se internasse. Ela sentia-se desesperada, desamparada e sozinha, e depois de ter recebido alta do hospital, ela estava desesperada por uma sensação de conexão – ela queria sentir que pertencia a algum lugar. Ela não sabia quem ela era ou como superar seus sentimentos de isolamento de seu marido, família e até mesmo Deus.

Recuperação da depressão

Depois de um ano e meio, e ainda se sentindo pesada com a confusão e a solidão, Stacie e seu marido Andy se mudaram para Huntington Beach, Califórnia, onde ela foi chamada como conselheira das moças. Embora ela continuou lutando para entender sua doença mental e o sentimento desconectado da realidade, ela se propôs a ajudar as moças em busca de sua história familiar.

Esta foi uma curva de aprendizado para ela, mas como Stacie aprendeu a navegar na página do FamilySearch, ela não só ajudou as moças a encontrar a árvore genealógica delas, mas ela começou a descobrir as próprias raízes familiares. Pela primeira vez desde sua internação, ela sentiu um vislumbre de conexão.

À medida que Stacie pesquisava, sua tela de computador era preenchida com nomes estendendo gerações do lado de seu pai. A mãe dela, Linary, no entanto, foi adotada, e seu nome estava sozinho na página, desconectado de todos os antepassados. Partes do passado de Linary carregavam dor e perguntas não resolvidas, mas como Stacie discutiu essas conexões com ela de uma maneira gentil e compassiva, eles começaram a perceber que aprender sobre gerações passadas estava oferecendo a cura que cada um precisava.

A genealogia no processo de cura

Stacie fez mais pesquisas por mensagens enviadas à meia-irmã de sua mãe no Facebook para obter quaisquer detalhes adicionais que ela pudesse sobre os pais biológicos de Linary.  Ela recebeu a informação biográfica de sua avó biológica e bisavós e inseriu tudo na árvore genealógica. Com os elos perdidos restaurados, o nome de Linary de repente não só tinha agora uma linhagem familiar, mas ela ia até 557 A.C.

Vendo nome após nome, geração após geração conectar todo o caminho para a frente no tempo para seu próprio nome deu a Stacie uma bela perspectiva que ela nunca tinha conhecido antes. Em vez de ser desconectado, sozinho e sem esperança, ela se conectou. Ela pertencia. Ela era uma ligação em uma cadeia de almas familiares com histórias significativas.

Linary e Stacie.

Quanto mais a história da família permeava a vida de Stacie, mais ela sentia um senso de propósito e uma compreensão de sua identidade mais profunda. Ela fez um teste de DNA e rastreou suas linhas de família através do FamilySearch para a Hungria, Inglaterra, França, Escócia, Irlanda e até mesmo o Egito. Ela veio de agricultores que passaram suas vidas labuta em campos e reis e rainhas que viviam no colo do luxo. Ela viu o amor, a bondade, a dificuldade, a doença mental, e a verdadeira humanidade que fluiu em sua árvore genealógica e trouxe significado para ela.

Em sua busca para aprender mais, Stacie decidiu ir para a Hungria e Áustria com seu marido e pai para procurar registros familiares e percorrer as aldeias onde seus antepassados haviam caminhado. Em uma região conhecida como Burgenland, eles passaram tempo nos arquivos e paróquias pesquisando os registros que mantiveram a história dos nascimentos, casamentos e mortes de seus antepassados, registros que não estavam disponíveis digitalmente. Como ela examinou os registros, ela estava cheia de emoção.

Registros familiares encontrados durante a viagem de Stacie à Hungria e Áustria em setembro de 2018.

“Senti uma ligação muito forte e amorosa com a minha segunda bisavó, Maria. Ela veio para a América por conta própria aos 25 anos. Foi incrível pensar em quanta coragem ela teve para fazer essa viagem.”

Agora, quando Stacie enfrenta um desafio, ela pensa em sua avó. Ela diz a si mesma: “seja corajosa, como a avó Maria”. Stacie às vezes usa o medalhão de ouro que pertencia a sua bisavó, filha de Maria, como um lembrete físico da força que ela teve.

Foto da tataravó Maria de Stacie Millisenta na Hungria, segundo a partir da esquerda, circa 1892. A foto na direita é um close-up do livro de oração visto em suas mãos na foto à esquerda.

Embora ela continue ativamente a gerir o seu bem-estar mental, os olhos de Stacie agora enxergam o mundo de modo diferente. Ela não se pergunta mais quem ela é e por que está aqui. Ela vê esperança, bondade e propósito. Em vez de ver seu passado como fragmentado, ela agora enxerga uma cadeia ininterrupta.

Fonte: LDSMAg.com

Relacionado:

7 Coisas que o Ajudarão a Fazer Sua Genealogia