Muitas vezes, em nossa ansiedade de viver os mandamentos de Deus, nos concentramos em tudo que devemos evitar para permanecermos justos.

Mas essa tendência pode tornar-se perigosa quando começamos a olhar para a vida como os fariseus, que se fixaram tanto em permanecer incontaminados do mundo que quantificaram tudo, concentraram-se na obediência externa e transformaram os mandamentos em uma lista de coisas.

Nunca devemos olhar para o evangelho como uma série de limitações ou regras.

Em vez disso, devemos ver o evangelho como Cristo o vê, procurando por todo o bem e mudanças que podemos fazer através dele.

Claro que vamos falhar. E muitas vezes, nossas quedas serão mais dolorosas porque estamos alcançando uma altura maior. Mas todos nós fomos colocados aqui nesta terra para sermos testados. Jesus Cristo foi testado. Mas foi isso que fez a Sua Expiação e o Seu triunfo sobre a morte fossem tão extraordinários.

Isto me faz lembrar a parábola da ovelha perdida, e uma nova perspectiva que podemos ter quando a invertemos.

Pense, por um momento, sobre aquela ovelha perdida e as 99 seguras em seu pasto.

Agora inverta seus papéis. Há 99 ovelhas contentes em seu pasto e apenas uma ovelha que saiu em busca do pastor, por algo mais.

Claro, o bom pastor descobre que uma ovelha provavelmente estava machucada, assustada e com frio, que caíra em buracos, perambulava e, às vezes, esquecia seu propósito.

Mas aqui está – enquanto todas aquelas outras ovelhas estavam complacentemente em seus campos dizendo: “Rapaz, você não está feliz por não estarmos perdidos agora?” A ovelha que está lutando é a única a ser levada nos ombros do pastor…

Ela é a única a ser levada para casa.

falará

He restoreth my soul – de Yongsung Kim.

Ele é a única que ganha uma comemoração.

Então, enquanto muitos de nós estamos pensando na igreja: “Rapaz, eu estou feliz porque eu faço todas as coisas corretamente”, não sentimos tanto o amor do Salvador.

Não precisamos pecar para perceber nossa dependência de nosso Salvador, mas, de uma forma ou de outra, precisamos perceber que estamos todos perdidos de certa forma. Podemos ver vislumbres do Bom Pastor de tempos em tempos em nossas vidas, mas ainda não voltamos para casa. Ainda estamos no caminho para sermos encontrados.

E isso significa que precisamos nos esforçar constantemente. Precisamos procurar fazer mais do que estamos fazendo. Precisamos pensar no que podemos nos tornar, sem medo de falhar. Precisamos do poder, amor e graça de Cristo a cada momento.

E precisamos reconhecer que todos nós estamos perdidos, apenas de maneiras diferentes. Julgamentos ou correções de rumos bem intencionadas pelas outras ovelhas não ajudam a ovelha perdida. Somente o toque pessoal e orientador do Pastor pode realmente ajudar todos os que estão perdidos a serem encontrados. Aqueles que não reconhecem que estão perdidos são os mais perdidos de todos porque não aprenderam ainda a confiar em Cristo.

Então, em vez de se preocupar e se concentrar em tudo o que não podemos fazer ou tudo o que precisamos fazer na Igreja, concentre-se no bem que você pode criar. Concentre-se em encontrar o Salvador, mas perceba, no final, que somos sempre os únicos a serem encontrados. Ele é quem nos leva, quem faz mais de nós do que jamais pudemos fazer por nós mesmos e é quem nos leva para casa para estar novamente com nossos pais celestiais.

Fonte: LDSLiving

Relacionado:

Vem e Segue-me – Lição 19 – “Achei a ovelha perdida” – Lc 12-17 e Jo 11