Os santos dos últimos dias acreditam na Bíblia?

Para deixar absolutamente claro uma de nossas 13 Regras de Fé – um pequeno texto que revela nossas crenças diz:

“Cremos ser a Bíblia a palavra de Deus” (8ª Regra de Fé)

Entretanto, algumas pessoas questionam essa afirmação pois dizem que temos outro livro – “outra Bíblia” – chamado “O Livro de Mórmon”. Também afirmam que não cremos que a Bíblia seja perfeita ou impecável em seu texto. Vou explicar.

Temos outra Bíblia?

Temos sim uma outra escritura sagrada. É o Livro de Mórmon. Na verdade não é apenas ele. Nosso cânone de escrituras está aberto – e atualmente temos quatro livros sagrados que consideramos as obras-padrão – e, junto com as palavras dos profetas vivos – formam a base da nossa doutrina.

Essas escrituras não competem com a Bíblia, não a contradizem, não a inferiorizam. De fato, essas outras escrituras valorizam e reforçam os ensinamentos Bíblicos. O Apóstolo Paulo ensinou que Deus age com testemunhas (2 Coríntios 13:1). O Élder Tad R. Callister ensinou:

A Bíblia é uma testemunha de Jesus Cristo, o Livro de Mórmon é outra. Por que essa segunda testemunha é tão crucial? A seguinte ilustração pode ajudar: quantas linhas retas você pode traçar, passando por um único ponto, em uma folha de papel? A resposta é: infinitas. Suponha agora que esse ponto único representa a Bíblia, que as centenas de linhas retas traçadas passando por esse ponto representam as diferentes interpretações da Bíblia e que cada uma dessas interpretações representa uma igreja diferente.

O que aconteceria, porém, se naquela folha de papel houvesse um segundo ponto representando o Livro de Mórmon? Quantas linhas retas você pode desenhar passando por esses dois pontos de referência — a Bíblia e o Livro de Mórmon? Apenas uma. Apenas uma interpretação das doutrinas de Cristo sobrevive ao testemunho dessas duas testemunhas.

Vez após vez, o Livro de Mórmon age como uma testemunha confirmadora, esclarecedora e unificadora das doutrinas ensinadas na Bíblia, para que haja apenas “um só Senhor, uma só fé, um só batismo”. (“O Livro de Mórmon — Um Livro de Deus”, Conferência Geral outubro de 2011)

O próprio Senhor falou que muitas pessoas ignorariam ou rejeitariam suas novas revelações, dizendo que a Bíblia lhes bastava. Porém, Ele disse:

“Não sabeis que há mais de uma nação? Não sabeis que eu, o Senhor vosso Deus, criei todos os homens e que me lembro dos que estão nas bilhas do mar? (…) e revelo minha palavra aos filhos dos homens, sim, a todas as nações da Terra?

Por que murmurais por receberdes mais palavras minhas? Não sabeis que o depoimento de aduas nações é um testemunho a vós de que eu sou Deus, de que me recordo tanto de uma como de outra nação? Portanto, digo as mesmas palavras, tanto a uma nação como a outra. (…)

E isso eu faço para provar a muitos que sou o mesmo ontem, hoje, e para sempre; e que pronuncio as minhas palavras segundo a minha própria vontade. E porque eu disse uma palavra não deveis supor que não possa dizer outras; pois o meu trabalho ainda não está terminado, nem estará até o fim do homem, nem depois disso para sempre.” (2 Néfi 27:7-9)

A Bíblia tem erros?

Nossa oitava Regra de Fé, que citei bem no começo do artigo, diz que cremos da Bíblia, mas acrescenta: desde que seja traduzida corretamente”.

O Profeta Joseph Smith aprendeu, enquanto traduzia o Livro de Mórmon, que através dos anos muitas partes “claras e sumamente preciosas” da Bíblia haviam sido tiradas ou perdidas. (Ver 1 Néfi 13:26.) A Bíblia é um livro sagrado que contém a palavra de Deus, mas foram cometidos erros quando ela foi copiada e traduzida para diversas línguas. Palavras foram omitidas, modificadas ou acrescentadas, mudando o significado de algumas escrituras. Durante a apostasia que se seguiu à morte de Cristo não havia profetas ou apóstolos para garantirem que as escrituras fossem copiadas e traduzidas corretamente.

Para alguém que ama a Bíblia pode parecer ofensivo dizer que ela contém erros – mas a Palavra de Deus não contém falhas – as falhas são frutos das obras dos homens, que intencionalmente ou não alteraram o significado original de alguns partes. Felizmente, os outros livros de escrituras e os profeta nos ajudam a entender o verdeiro significado de certas passagens.

Nosso amor pela Bíblia

Como membros da Igreja de Cristo amamos a Bíblia e a estudamos sempre. Sem ela, a Restauração do Evangelho nestes últimos dias seria impossível.

O Presidente M. Russell Ballard disse sobre esse livro maravilhoso:

“Presto solene testemunho de que cremos sincera e plenamente no Senhor Jesus Cristo, e em Sua palavra revelada por meio da Bíblia Sagrada. Não só cremos na Bíblia, mas também nos esforçamos para seguir seus preceitos e ensinar sua mensagem. A mensagem de nossos missionários é Cristo, Seu Evangelho e Sua Expiação, e as escrituras são o texto dessa mensagem. Dizemos a todos: “Oferecemos-lhes nosso amor e os convidamos a vir. Permita-nos compartilhar tudo o que Deus revelou”.

Irmãos e irmãs, precisamos ajudar todas as pessoas, inclusive nossos próprios membros, a compreender mais plenamente o poder e a importância da Bíblia Sagrada. A Bíblia contém as escrituras que nos levam — a nós e toda a humanidade — a aceitar Jesus Cristo como nosso Salvador. Que deus nos conceda o desejo e a capacidade de aceitar e viver Seus ensinamentos.” (“O Milagre da Bíblia Sagrada”, Conferência Geral abril de 2007)

| Para refletir
Publicado por: Lucas Guerreiro
Escritor, Advogado, Membro da Comissão de Direito e Liberdade Religiosa da OAB/SP, Membro da J. Reuben Clark Law Society São Paulo. Fez Missão em Curitiba - Brasil. Gosta de desenhar, estudar filosofia, fotografar, viajar e assistir series de super-heróis.
Vem e Segue-me – lição 22 - “Quando o Filho do Homem vier” -...
segunda vinda
O que os santos dos últimos dias acreditam sobre a Segunda Vinda?

Comente

Seu endereço de e-mail não será divulgado. Os campos obrigatórios estão marcados com *