Um único versículo das escrituras pode nos ajudar e nos ensinar mais do que podemos imaginar. E isso acontece com o versículo 15 do capítulo 24 de Josué.

O versículo diz:

“Porém, se vos parece mal aos vossos olhos servir ao Senhor, escolhei hoje a quem sirvais: se os deuses a quem serviram vossos pais, que estavam além do rio, ou os deuses dos amorreus, em cuja terra habitais; porém eu e a minha casa serviremos ao Senhor”.

Vamos fazer um estudo deste versículo trazendo-o para nossa vida?

 

A primeira parte do versículo diz: “Porém, se vos parece mal aos vossos olhos servir ao Senhor (…)”. Nesta parte conseguimos compreender que seguir a Cristo não é algo popular e nunca o foi. Em alguns períodos da história, isso poderia ser considerado mal, como nos diz o próprio versículo.

A segunda parte da escritura diz: “escolhei hoje a quem sirvais: se os deuses a quem serviram vossos pais, que estavam além do rio, ou os deuses dos amorreus”. Essa parte é muitíssimo importante para aprendermos sobre a responsabilidade de fazermos escolhas e principalmente nos ensina que devemos escolher um lado, não dá para ser “morno”. Ou somos quentes ou somos frios! Inclusive, outra escritura que poderia muito bem ser adicionada aqui, é Apocalipse 3: 15-16 que diz:

 “Eu conheço as tuas obras, que nem és frio nem quente; quem dera fosses frio ou quente! Assim, porque és morno, e nem és frio nem quente, vomitar-te-ei da minha boca”.

Em resumo, fica claro para nós como é importante escolher a quem serviremos, afinal não é possível amar a dois senhores. Em Mateus 6:24 lemos:

“Ninguém pode servir a dois senhores; porque ou há de odiar um e amar o outro, ou se dedicará a um e desprezará o outro. Não podeis servir a Deus e a Mamom”.

Além de ficar claro para nós que devemos escolher de que lado estamos, aprendemos que todos nós temos o poder de escolha em nossa mão, independente de tradições religiosas familiares ou quaisquer outras questões. O texto bíblico inclusive faz um comparativo: seguiremos cegamente o mesmo que nossos pais ou tomaremos nossas próprias decisões com base no que é verdadeiro?

Mas a última parte do versículo tem uma sabedoria imensa. É preciso muita atenção para compreendê-la em sua totalidade. A última parte diz: “porém eu e a minha casa serviremos ao Senhor”. Já conseguem compreender?

Essa passagem de escritura nos ensina de modo firme sobre o arbítrio. Ela começa com a palavra “porém”.  Essa palavra é uma conjunção adversativa, que expressa a ideia de contraste. Ao iniciar com essa conjunção, a escritura nos ensina que haverá contraste entre as minhas escolhas e as escolhas dos outros. Isso nos leva ao que conhecemos como arbítrio, que é o privilégio que todos nós temos de fazer nossas próprias escolhas. O Pai Celestial nos concedeu esse presente maravilhoso e cabe a nós respeitarmos uns aos outros no exercício individual do arbítrio, mesmo quando e principalmente não concordamos com as escolhas diferentes das nossas.

Em um discurso intitulado por “O Livre-Arbítrio É Essencial Para Nosso Progresso Eterno”, publicado na revista Liahona de junho de 2010, aprendemos:

 “O Pai Celestial concedeu-nos o livre-arbítrio. A possibilidade de escolhermos por nós mesmos é parte essencial do plano de salvação”.

A escritura nos lembra como a nossa escolha é importante. O que deve importar para nós são as nossas escolhas e não as dos outros. Obviamente, podemos ser impactados pelas decisões de outras pessoas, no entanto, ainda cabe a nós decidir como reagiremos ao que nos acontece.

O Presidente Dallin H. Oaks ensinou na última conferência: “O propósito do plano de Deus era dar a Seus filhos a oportunidade de escolher a vida eterna”. E a vida eterna só poderá ser alcançada por meio de nossas escolhas!

No atual estágio em que nos encontramos na mortalidade estamos todos participando do plano de Deus ao fazermos nossas escolhas.

Em uma linguagem mais moderna, a escritura poderia ser reescrita assim:

“Quanto a vocês, não sei o que escolherão, mas eu seguirei a Cristo”.

Obviamente, como membros de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, devemos compartilhar o evangelho o tempo todo. Devemos levar as boas novas de alegria a todos os povos e compartilhar sempre nosso testemunho. No entanto, nossa posição deve ser de expor e não impor nossas crenças.

Eu servirei ao Senhor. E você?

Relacionado:

Como manter-me firme se sou o único membro da Igreja em minha família?