O nascimento de Cristo e as forças do mal

A maioria de nós adora a época de Natal. Pensamos na devoção de Maria e de José, em sua humilde vontade de criar e educar o Messias. Os nossos corações se enchem de compaixão à medida que eles se afastam das estalagens. Nos lembramos dos anjos, que transmitiram a notícia aos pastores, e como se apressaram para ver o Menino Jesus. É tudo tão glorioso, algo que só poder ser superado pela Expiação, ainda mais gloriosa, 33 anos depois, nos levando a celebrar durante a Páscoa.

E nós amamos a perseverança e a compreensão dos Reis Magos, que visitam Jesus quando Ele tem dois anos de idade. Sabemos que visitam Herodes, que, numa fúria ciumenta, ordena que todos os bebês sejam mortos. Mas nem sempre insistimos nessa parte horrível da história. No entanto, há coisas para aprender aqui.

Primeiro, temos um vislumbre de um tirano desequilibrado, louco pelo poder, que não vai parar por nada— nem mesmo com assassinato—para ficar no seu trono. Em seguida, a importância de ouvir a orientação do Senhor. Os Reis Magos são “advertidos por Deus em um sonho” para não voltar a Herodes com notícias sobre a localização de Cristo.

José, também, é avisado em um sonho para pegar sua pequena família e fugir para o Egito, para impedir que Herodes mate Jesus. Depois Herodes continua a matar todos os bebês e crianças de Belém. Em Mateus 2:18 lemos o cumprimento da profecia, de que haveria “lamentação, choro e grande pranto; Raquel chorando por seus filhos, e não quis ser consolada, porque já não existem.”

É difícil imaginar tanta violência em tão grande escala, e contra os membros mais inocentes da sociedade. Portas sendo arrombadas, bebês sendo arrancados dos braços das suas mães, que gritavam em súplica, horríveis assassinatos que foram testemunhados por outras crianças.

Anos depois, há uma diferença de idade dentro de toda a comunidade masculina. É possível que nenhum dos apóstolos de Jesus tivesse a mesma idade. Alguns eram mais velhos, outros mais novos. Talvez alguns até tenham irmãos que foram mortos naquela época. Foi uma cicatriz cruel que permaneceu por gerações.

Mas como é que este evento da antiguidade se aplica às nossas vidas hoje? Nós também vivemos num mundo assustador. Vemos a violência aumentar, vozes furiosas encherem a terra, estamos vivendo durante uma pandemia, empresas e escolas estão fechadas, as opiniões estão fervendo, e muitos sofrem ansiedade com tudo isso. Como pode o nosso Natal ser pacífico em meio a todo esse caos?

Os nossos líderes mostraram o caminho. O Presidente Russell M. Nelson nos disse que um dos significados hebraicos da palavra Israel é “permita que Deus prevaleça.” Ele disse: “o próprio nome Israel se refere a uma pessoa que está disposta a permitir que Deus prevaleça em sua vida. Esse conceito aviva minha alma!”

Deus prevalecerá. Assim como Herodes não pôde frustrar a majestosa missão de Jesus Cristo, os conspiradores do mal não podem frustrar o plano de Deus para coligar Israel, para ministrar aos pobres e doentes, para ensinar a verdade em todos os cantos, e para se preparar para a Segunda Vinda de Cristo.

Templos continuam a ser construídos, convênios e selamentos continuam a ser feitos, as pessoas continuam a ser ensinadas, os corações continuam a se abrir. E tudo isso acontece com rapidez, apesar dos homens e mulheres que conspiram, apesar do tumulto dos nossos dias atuais.

Esta história também nos lembra de buscar inspiração. Nos ensina a observar as tentativas de Satanás de destruir o plano de Deus e destruir cada um de nós! É uma oportunidade de reunir coragem para a batalha e ter fé no resultado. Essa história pode nos ajudar a olhar para o futuro em vez de nos afundarmos no desespero do presente.

Você pode procurar todas as bênçãos prometidas a Israel em seus estudos. Elas são grandiosas. Elas são surpreendentes. Elas nos ajudam a ser mais humildes. Elas nos ajudam durante um momento tão conturbado.

Herodes juntou-se às fileiras dos tiranos malvados, com as suas ações que sujam sua reputação. As crianças inocentes que ele matou herdaram a glória no céu, e Cristo continuou a cumprir Sua magnífica missão salvadora em todos os detalhes. Ninguém podia parar os propósitos de Deus. E o mesmo acontece hoje. O Natal é fantástico. Alegria para o mundo! Deus prevalecerá.

Fonte: Meridian Magazine

| Para refletir

Comente

Seu endereço de e-mail não será divulgado. Os campos obrigatórios estão marcados com *