O que podemos fazer na Igreja de Jesus cristo para ajudar vítimas de abuso sexual

Mais de uma em cada três mulheres e quase um em cada quatro homens foram vítimas de abuso sexual em algum momento de suas vidas, de acordo com o CDC.

Aproximadamente, uma em cada quatro meninas e um em cada treze meninos sofrem com abuso sexual em algum momento de suas vidas.

As estatísticas são alarmantes e podemos nos sentir paralisados por nossa inexperiência e desconhecimento sobre o assunto.

É possível que apenas mencionando o assunto possamos ajudar na cura das vítimas de abuso sexual?

Sage Williams sentiu pela primeira vez o desejo de defender as vítimas de abuso sexual durante seu serviço como missionária em tempo integral.

Após sua missão, ela estudou enfermagem na BYU e trabalhou como assistente de pesquisa em um estudo sobre agressão sexual e o sistema de justiça criminal.

Williams se capacitou para ajudar vítimas de abuso sexual e se juntou à equipe de crise de abuso sexual de Utah. Imediatamente após a formatura, ela estudou para trabalhar como enfermeira especialista em casos de agressão sexual.

Ela obteve um mestrado em políticas de saúde na London School of Economics. E concentrou sua pesquisa e tese no papel dos líderes religiosos na formulação e implementação de políticas de saúde.

Juntamente com a Dra. Jennifer Wortham, diretora executiva da iniciativa de saúde, religião e espiritualidade em Harvard, Williams organizou o “Fé e desenvolvimento: Estratégias para prevenir e curar o abuso sexual infantil”, um simpósio realizado em Harvard.

Em um podcast, A apresentadora Morgan Jones conversou com Williams sobre como nós, como membros de A Igreja de Jesus Cristo, podemos criar  um espaço de cura e esperança para vítimas de abuso sexual.

O seguinte trecho foi editado para maior clareza.

Morgan Jones: Sage, sinto que isso é algo que não falamos muito como Santos dos Últimos Dias.

Digo isso porque no ano passado algumas pessoas que conheço e foram vítimas de abuso sexual, me perguntaram se eu sabia se a Igreja fornecia recursos para os membros que sofreram com abuso sexual.

Sei que existem, mas sinto que podemos fazer algo a mais.

Então, como você acha que podemos começar a falar sobre esse assunto? É útil para criar um espaço de cura para pessoas que sofreram com o abuso sexual?

jovem problemático

Sage Williams: essa é uma ótima pergunta e eu faço isso o tempo todo porque me preocupo muito com os membros da Igreja e com todos aqueles que sofreram abuso sexual.

Me preocupo se sabem que é possível se recuperar e desejo que avancemos para nos tornarmos uma comunidade mais solidária e de cura.

A primeira coisa que me vem à mente é o que você disse: começar a falar sobre esse assunto.

Podemos usar a palavra “abuso sexual” em algumas de nossas conversas, em todas as oportunidades que temos tanto em casa quanto na Igreja.

Há algumas maneiras mais simples de começar a incluir isso em nossas conversas. A primeira, é usar nossa doutrina e Escrituras, e relacioná-las com as experiências que vivemos.

Na verdade, eu amo a palavra “religião” porque vem da palavra latina re-ligare, que é ligate e significa ligar.

Então, o objetivo da religião é conectar todas as coisas. Unir a doutrina e as experiências de vida, para nos ajudar a viver melhor.

Por exemplo, se alguém está ensinando uma lição sobre o poder de cura de Cristo, ele também pode falar sobre como os sobreviventes de abuso sexual podem encontrar cura através de Jesus Cristo.  Além disso, expressar que Jesus Cristo tem o poder de nos curar de nossas perdas, doenças físicas ou qualquer outra experiência mortal que tenhamos.

Sempre que falamos sobre nossos convênios batismais de chorar com os que choram e confortar aqueles que precisam de conforto, podemos incluir uma conversa sobre como ouvir as pessoas que sofreram abuso sexual.

Apenas ouvi-los, entender sua dor e sentar-se lá com eles é uma maneira de manter esse convênio. Outro exemplo é Jesus Cristo, Ele é nosso defensor perfeito. Então, quando falamos sobre Ele e Seu papel como defensor, podemos mencionar como podemos seguir Seu exemplo e defender pessoas vulneráveis.

Agora, respondendo à sua pergunta, “isso faz alguma diferença?” claro que sim.

O simples fato de mencionar essas palavras, cria um ambiente de cura.

Se um professor fala sobre abuso sexual e compartilha cuidadosamente seu testemunho sobre como a cura é possível, isso imediatamente envia uma mensagem aos sobreviventes de abuso sexual de que eles são bem-vindos ali, que aquele é um lugar seguro e que aquela é uma comunidade que os apoia.

Muito rapidamente, a outra coisa em que pensei foi que os professores, líderes das Moças e dos Rapazes, bem como seus pais, devem ter em mente que, devido às estatísticas, se há cinco ou dez pessoas em sua classe, a probabilidade de alguém ter alguma experiência com abuso sexual é realmente alta.

Então, se você está ensinando uma lição sobre a lei de castidade, inclua apenas uma pequena mensagem: “se alguém aqui passou por abuso sexual, ou se algum de seus amigos passou por isso, apenas saiba e lembre-se de que a culpa não é sua. Há uma solução e eu estou aqui para ouvir ou apoiar.”

Ao falar sobre esse assunto, mesmo que seja difícil e desconfortável, você envia uma mensagem muito clara de que isso é algo que você se importa e deseja ajudar.

Fonte: LDS Living

| Para refletir

Comente

Seu endereço de e-mail não será divulgado. Os campos obrigatórios estão marcados com *