Fortalecer nosso amor por Cristo é fortalecer nosso amor ao próximo

Se quisermos ser felizes e produtivos, devemos consultar alguém que saiba como os humanos funcionam. O maior especialista em funcionamento humano é Deus. Vamos consultá-Lo.

As instruções de Deus para o bem-estar

“E Jesus disse-lhe: Amarás ao Senhor teu Deus de todo o teu coração, e de toda a tua alma, e de todo o teu pensamento. Este é o primeiro e grande mandamento.” (Mateus 22:37-38)

O ponto de partida para o bem-estar é amar a Deus com tudo o que temos e com tudo o que somos.

Pense em como Jesus fez isso. Ele ensinou o dia todo, todos os dias, sobre Seu amado Pai. Ele mostrou a graciosidade de Seu Pai ao amar, curar e encorajar os filhos de Deus.

Sempre após um dia de extenuantes ensinamentos e bênçãos, quando Jesus poderia ter dedicado um tempo para se restaurar, as pessoas O seguiram.

Então, Ele continuou a ministrar. Quando a noite chegava, Ele frequentemente fazia algo inesperado.

Ele não disse aos Seus discípulos: “Ei, rapazes. Eu tive um dia agitado. Estou cansado. Eu vou descansar.” Não. Ele sempre encontrava um lugar tranquilo para estar com Seu Pai.

Podemos imaginar que reservar um tempo para orar era mais uma exigência de Jesus Cristo. Eu suspeito o contrário. Acredito que o tempo de Jesus com Seu pai era restaurador.

As restauradoras conversas entre Jesus Cristo e o Pai Celestial

Embora para nós a oração possa parecer cansativa, exigente ou repetitiva, minha hipótese é que para Jesus era um momento de cura.

Conversar com Seu Pai o ajudou a clarear Seu pensamento e renovar Seu espírito. Era uma festa espiritual.

Tenho certeza de que Jesus sentia-Se renovado depois de passar um tempo com Seu Pai Amado.

Há uma razão pela qual Jesus chamou Seu Pai de Abba ou Papa. Eles eram os melhores amigos. E não há nada como o tempo com um melhor amigo, especialmente um perfeitamente compassivo e sábio, para restaurar a alma.

Então, Jesus praticou o que pregou. Mesmo estando exausto no final do dia, Ele reservou um tempo para estar com Seu pai e aprender com Ele.

Ele amava “a Deus com todo [Seu] coração, com toda [Sua] alma e com todo o [Seu] pensamento”.

Isso permitiu que Jesus guardasse o segundo mandamento, amar ao próximo, amar todos os que estivessem ao Seu alcance.

Jesus entendeu a pirâmide do bem-estar. A base do bem-estar é um relacionamento de amor com o Pai Celestial.

Quando estamos cheios de amor a Deus e vindo de Deus, somos capazes de amar nosso próximo – todos os que Deus coloca em nosso caminho.

Quando amamos a Deus e ao próximo, nos sentimos cheios de alegria. Ficamos maravilhados com a felicidade. É assim que Deus nos projetou. Ele sabe como nos enriquecer e nos fazer melhores.

As nossas restauradoras conversas com o Pai Celestial

Não há nada que nos restaure de forma tão eficaz quanto um relacionamento de amor com Deus e buscar abençoar Seus filhos. O Salvador sabia disso. Ele sabia que não poderia sobreviver sem ter uma forte conexão com Deus.

Quando Ele estava cheio do amor de Deus, naturalmente amava, ensinava e abençoava os outros.

E, ao fazer o que Deus O instruiu a fazer, Ele sentiu uma paz que ultrapassa todo o entendimento.

Jesus sabia que Seu bem-estar não vinha de autoafirmações positivas e amplo foco em si mesmo, mas de amar a Deus e a Seus filhos.

Jesus deu o exemplo. Embora Deus não espere que fiquemos acordados a noite toda em oração, Ele deseja que permaneçamos conectados com Ele.

Não apenas devemos orar com sinceridade, mas devemos estar atentos a Ele, recebendo Seu conselho e orientação o dia todo.

Deus quer que nos sintamos bem. Ele quer que sejamos cheios de amor, alegria e paz. Ele nos projetou para a alegria! E Deus sabe que o processo eficaz para obter essa alegria é amá-Lo, servir a Seus filhos e aceitar Seu amor por nós.

Quando seguimos Suas prescrições, experimentamos uma felicidade e um amor indescritível.

Devemos estar sempre vigilantes quando a cultura pop nos diz que devemos amar a nós mesmos antes de amar qualquer outra pessoa.

É fundamental diferenciarmos essas duas ideias

Somos filhos de Deus. A grande verdade da eternidade que o Élder Holland ensinou é:

“Deus nos ama com todo o Seu coração, poder, mente e força. Esse amor é a pedra angular da eternidade e deveria ser a pedra angular de nossa vida diária.”

Nossa compreensão dessas verdades nos dá força e propósito para enfrentar nossos desafios quando o mundo tentar nos convencer do contrário.

Sentir o amor de Deus e lembrar que pertencemos a Ele, nos leva a ser mais semelhantes a Ele e nos motiva a servir a Seus filhos.

Devemos ter cuidado para não confundir essa compreensão de nossa identidade divina com práticas egocêntricas.

O mundo ensina que devemos nos colocar em primeiro lugar antes de ajudar os outros em suas necessidades.

Isso nos coloca no comando de nossas próprias vidas, em vez de nos submetermos a um Pai amoroso que sabe o que é melhor.

O mundo ensina que o amor próprio e o foco em si mesmo estão no cerne do sucesso e da confiança.

Isso não é o que o evangelho de Jesus Cristo ensina e não produzirá a confiança que muitos buscam.

Criar um relacionamento verdadeiro e duradouro com o Senhor

Às vezes, nossas maneiras de nos aproximar de Deus não criam o relacionamento que desejamos.

Não adianta se ajoelhar no final do dia e dizer: “Bem, fiquei um pouco decepcionado hoje. Eu apreciaria se você pudesse resolver as coisas e nos abençoar da maneira que todos sabemos ser a melhor.”

Quando amamos a Deus de todo o coração, ficamos maravilhados com Sua bondade e quando amamos e cuidamos de Seus filhos, sentimos imensa felicidade e nos preocupamos menos com as circunstâncias de nossa própria vida.

Nosso bem-estar se baseia em amá-Lo e servi-Lo. Somos renovados por nossa profunda amizade com Ele.

Não é de surpreender que o novo mandamento que Jesus deu foi:

“Ameis uns aos outros, como eu vos amei a vós… Nisto todos conhecerão que sois meus discípulos, se vos amardes uns aos outros” (João 13:34-35).

As pessoas saberão que somos Seus discípulos porque amamos uns aos outros. Jesus deu este mandamento entre lavar os pés de Seus discípulos e ir para a cruz para morrer por Eles.

Quando somos Seus discípulos, lavamos o rosto das crianças, oferecemos sorrisos, ajuda ao próximo e dedicamos nossas vidas às pessoas que Ele coloca em nosso caminho.

Demostrar o verdadeiro amor de Cristo

Como demonstramos esse tipo de amor quando estamos cansados, oprimidos ou duvidando de nós mesmos?

Essa é a realidade mortal. As exigências da vida são implacáveis! Às vezes questionamos nossas habilidades.

Podemos ganhar força pedindo a Deus que aumente nossas habilidades e nos fortaleça para atender às demandas que enfrentamos.

“O homem bom do bom tesouro do seu coração tira o bem, e o homem mau do mau tesouro do seu coração tira o mal, porque da abundância do seu coração fala a boca” (Lucas 6:45).

À medida que amamos a Deus e Seus filhos, experimentamos Seu amor por nós mesmos? Sim!

Quando estendemos a mão para outras pessoas, sentimos a alegria e o amor de Deus. O amor flui com alegria entre todos nós e nos regozijamos.

Porém, o foco não é o quão bons e incríveis somos. A descrição nas escrituras para resultado do processo de Deus é “tua confiança se fortalecerá na presença de Deus” (D&C 121:45).

O foco está no maravilhoso vínculo criado entre todos nós pelo amor de Deus. Tudo começa quando amamos a Deus de todo o nosso coração, alma e pensamento.

Fonte: Meridian Magazine

| Para refletir

Comente

Seu endereço de e-mail não será divulgado. Os campos obrigatórios estão marcados com *