Pergunta: Um membro da família está tentando se intrometer entre meu marido e eu. Essa pessoa fala mal dele para mim pelas costas dele. Bem, sempre conto tudo ao meu marido, não temos segredos. Fui ensinada pelo evangelho que meu marido é meu companheiro e nós compartilhamos as coisas um com o outro 100%. Tenho medo de confrontar essa pessoa sobre isso porque ela está passando por alguns problemas mentais/emocionais e poderia ficar chateada. O que posso fazer?

Resposta:

Obrigado por falar sobre isso. É difícil passar por esse tipo de situação e ficar entre seu cônjuge e um familiar. Você certamente não pediu para passar por isso, mas está passando. No geral, você está certa em priorizar o relacionamento com seu marido sobre qualquer outra pessoa (exceto o Senhor). Parece que este membro da família só quer ser ouvido e acha que você é uma boa ouvinte, mas definitivamente poderia ser um motivo oculto de manipulação e conluio.

Não tenho certeza se há algo no evangelho que diz que você deve compartilhar todas as informações com o seu cônjuge. Uma coisa é guardar segredo, outra é ocultar informações ou mentir. Isso não pode acontecer. Outra coisa é decidir que não é o momento certo para dizer. A verdade é que, se esse membro da família tem problemas com seu marido, essa pessoa deveria conversar com ele, não com você. Diga isso a esse familiar.

Sugestão

Se eu estivesse no seu lugar, diria algo do tipo: “Percebi que você está chateado e sou grata por confiar em mim para compartilhar o que está sentindo. Preciso que saiba que, por mais que te ame, o meu primeiro compromisso é com o meu marido. Não gosto de esconder coisas dele, então, como quero que você confie em mim, eu não posso manter segredos. Honestamente, se você está preocupado, fale com ele. Tenho certeza de que ele vai ouvir e que tentará entender e fazer mudanças, se precisar”.

Se esta pessoa se sentir melhor com você presente na conversa ou que um terapeuta estivesse presente para ajudá-los a resolver o conflito, então incentive e facilite isso. Se ela prefere não expressar os sentimentos para o seu marido, então incentive-a a contar as confidências a um conselheiro ou líder do sacerdócio ao invés de falar com você.

As pessoas com problemas mentais e emocionais precisam de apoio, mas também precisam de limites. O mundo delas é instável e os limites ajudam-nas a saber onde estão as linhas limitadoras. Caso contrário, elas podem brincar com a sua compaixão e levar você a comprometer os seus limites. Isto não é útil para eles, nem para um cristão como você.

Espero que isso ajude.

Fonte: Mormonhub

Relacionado:

Terapeutas Mórmons Convidados a Ajudar na Preservação da Liberdade Religiosa