Por que o Senhor ordenou às três testemunhas que confiassem em Sua palavra?

“Eis que vos digo que devereis confiar em minha palavra e, se o fizerdes de todo o coração, vereis as placas” Doutrina e Convênios 17:1

O conhecimento

Em junho de 1829, Oliver Cowdery, David Whitmer e Martin Harris tornaram-se as Três Testemunhas do Livro de Mórmon. Eles testificaram que viram um anjo, que lhes mostrou as placas de ouro das quais o Livro de Mórmon foi traduzido.

Eles também testificaram que tinham ouvido a voz de Deus declarar que a tradução do registro foi realizada pelo dom e poder de Deus e foram ordenados a prestar testemunho disso.

No entanto, tempos depois e sem o conhecimento da maioria dos que leram a declaração oficial das testemunhas, David Whitmer disse que ele e seus colegas testemunhas estavam inicialmente relutantes em publicar seu testemunho para o mundo.

De acordo com James H. Hart, em 1883 David relembrou: “Quando nos disseram pela primeira vez para publicar nossa declaração, tínhamos certeza de que as pessoas não acreditariam, pois o Livro [de Mórmon] falava de um povo que era refinado e habitava em grandes cidades”.

Por esse motivo, David disse que ele e Oliver realmente “duvidaram e disseram ao Senhor que o povo não acreditaria” em seu testemunho. Eles aparentemente não acreditavam que os habitantes da terra naquela época no estado de Nova York poderiam ser representados por “um povo que era educado, refinado e morava em grandes cidades”.

Então, ao refletir sobre os preconceitos comuns da época, as testemunhas sentiram que os únicos “primeiros habitantes deste país” conhecidos eram “selvagens imundos, preguiçosos, degradados e ignorantes que vagavam pela terra”.

Em resposta a essas preocupações, Davi disse: “o Senhor nos disse que faria isso conhecido ao povo, e as pessoas deveriam descobrir as ruínas das cidades perdidas e abundantes evidências da verdade do que está escrito no Livro”.

Evidentemente acalmadas por esta garantia, as testemunhas redigiram e assinaram uma declaração testificando não apenas que tinham visto o anjo e as placas, mas também que sabiam “com certeza que a obra é verdadeira”.

O Livro de Mórmon foi impresso alguns meses depois e, em 26 de março de 1830, os primeiros exemplares foram colocados à venda na livraria E. B. Grandin em Palmyra, Nova York.

Cerca de um ano depois, o diplomata anglo-irlandês Juan Galindo visitou as ruínas de Palenque em Chiapas, México. Atingido pelas impressionantes ruínas que se estendiam por 20 milhas e inscrições escritas com “caracteres muito bem executados”, Galindo escreveu uma carta ao The London Literary Gazette relatando que a descoberta “resgatou a América antiga de uma acusação de barbárie”.

Ruinas de uma pirâmide em Palenque, Chiapas no México.

Galindo não foi o primeiro europeu a visitar Palenque. O capitão militar espanhol José Antonio del Rio e o artista Ricardo Almendariz exploraram o local no final do século 18. O relatório de Del Rio, inicialmente escrito em espanhol, foi publicado pela primeira vez em inglês em 1822, mas foi recebido com ceticismo e permaneceu pouco conhecido.

Apesar do relatório anterior de del Rio, o editor do Gazette considerou o relato de Galindo uma revelação de “um lugar totalmente desconhecido para a geografia e antiguidades europeias”.

As Três Testemunhas podem ter visto isso como a primeira indicação de que a promessa do Senhor a eles estava sendo cumprida.

Sob a direção de WW Phelps e Oliver Cowdery, o The Evening and Morning Star (o jornal oficial da Igreja de 1832-1834) relatou as descobertas de Galindo, e acrescentou as seguintes observações: “Estamos felizes em ver a prova começar a chegar, dos habitantes originais ou antigos deste continente. É um bom testemunho a favor do livro de Mórmon, e o livro de Mórmon é um bom testemunho de que coisas como cidades e civilizações(…) existiam na América [pré-colombiana]”.

As testemunhas tinham recebido a garantia de que evidências de cidades perdidas surgiriam para apoiar o relato do Livro de Mórmon, então o The Evening and Morning Star enfatizou como o relato de Galindo apoia o testemunho do Livro de Mórmon de “cidades e civilização”.

Desenho de Frederick Catherwood sobre suas viagens à América.

Cerca de uma década depois, John Lloyd Stephens e Fredrick Catherwood publicaram um relato vividamente ilustrado e dramaticamente contado de suas viagens entre as ruínas da América Central.

Apesar de relatórios anteriores, como os de Galindo, foi a publicação dos relatos de Stephens e Catherwood na década de 1840 que deu ao mundo seu primeiro vislumbre real da civilização avançada que existiu no continente americano.

Como outros americanos na época, os santos dos últimos dias ficaram fascinados com as descobertas. John Bernhisel, um recém-converso em Nova York, deu uma cópia dos livros de Stephens e Catherwood ao profeta Joseph Smith.

Wilford Woodruff os leu ao carregá-los de Nova York para Nauvoo e observou: “Senti-me realmente interessado neste trabalho, pois ele trouxe à luz uma abundância de testemunhos como prova do livro de Mórmon”.

Ruínas maias de Tulum na litografia da Península de Yucatan, por Frederick Catherwood.

Da mesma forma, Joseph Smith respondeu a Bernhisel declarando: “Li os volumes com o maior interesse”, e acrescentou que o relato “corresponde e apoia o testemunho do Livro de Mórmon”.

De junho de 1841 a dezembro de 1844, Stephens e Catherwood foram citados 10 vezes diferentes – incluindo 5 vezes enquanto Joseph Smith era o editor – como evidência para o Livro de Mórmon no principal jornal da Igreja, o Times and Seasons.

Várias referências adicionais a Stephens e Catherwood apareceram em outros escritos santos dos últimos dias durante esse mesmo período.

Ao longo do século 19, os santos dos últimos dias continuaram a valorizar as evidências que Stephens e Catherwood forneceram das grandes cidades e da alta civilização na América antiga.

O porquê

Em 1875, um escritor do Chicago Times lembrou de David Whitmer “referindo-se às inúmeras evidências, na forma de ruínas de grandes cidades existentes neste continente, de sua ocupação anterior por uma raça altamente civilizada”, como havia testemunhado sobre o Livro de Mórmon.

Em 1829, porém, existiam poucas evidências de uma civilização tão elevada, o que causou certa preocupação em David e Oliver, mesmo quando testemunharam um anjo mostrando-lhes as placas. Foi como o Senhor disse: eles tinham que ter fé e confiar em Sua palavra (D&C 17:1; D&C 5:12).

Mas o Senhor também prometeu que Sua “palavra será confirmada” (D&C 5:20) e Ele “[traria] à luz as obras maravilhosas” de suas “outras ovelhas” (D&C 10:60-61).

David lembrou de que o Senhor prometeu que outros seriam divinamente conduzidos a “descobrir as ruínas das grandes cidades, e eles teriam abundantes evidências da verdade do que está escrito no livro”. No crepúsculo de sua vida, David disse que tudo tinha “sido cumprido ao pé da letra”.

Para os leitores de hoje, este aspecto pouco conhecido, mas inspirador, da história das Três Testemunhas pode ensinar muitas lições.

Primeiro, serve como um lembrete de que o Senhor cumpre Suas promessas. Tal cumprimento nem sempre acontece imediatamente, às vezes, anos, décadas e até gerações passam antes que as promessas do Senhor sejam cumpridas.

Quando este for o caso, os fiéis devem ter paciência e confiar na palavra de Deus, assim como as Testemunhas do Livro de Mórmon fizeram.

Segundo, prova que mesmo aqueles que têm visões de anjos devem exercer fé. David e Oliver viram um anjo, viram as placas e ouviram a voz de Deus, mas ainda assim tiveram que exercer fé no Senhor para testificar da veracidade do relato do Livro de Mórmon sobre as cidades e grandes civilizações da América antiga, para o qual havia poucas evidências na época.

vida bagunçada em santa

Terceiro, mostra que os primeiros santos dos últimos dias, incluindo o próprio Joseph Smith, não se opunham a ver os eventos do Livro de Mórmon como tendo ocorrido fora dos Estados Unidos.

Ao longo da história de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, seus líderes e membros mantiveram uma diversidade de opiniões a respeito da geografia do Livro de Mórmon.

Hoje, “A Igreja não tem uma posição sobre as localizações geográficas específicas dos eventos do Livro de Mórmon”, a não ser que eles ocorreram em algum lugar “nas Américas antigas”.

Quarto, demonstra a necessidade de paciência quando o conhecimento atual da arqueologia ou da história antiga entra em conflito com as escrituras.

Além da existência de cidades e alta civilização na América antiga, pouco conhecida em 1829, mas amplamente aceita hoje, dezenas de outros detalhes que antes eram considerados anacrônicos no Livro de Mórmon foram confirmados por descobertas arqueológicas.

Embora algumas coisas permaneçam não confirmadas, as evidências arqueológicas tendem a favorecer o Livro de Mórmon.

Essa tendência contínua mostra que a promessa de Deus às Três Testemunhas continua a ser cumprida hoje e o aumento das evidências arqueológicas apoia o Livro de Mórmon.

Também dá às pessoas hoje motivos para exercer fé ao confrontar questões que, por enquanto, permanecem sem resposta sobre escrituras antigas.

Fonte: Book Of Mormon Central

| Livro de Mórmon

Comente

Seu endereço de e-mail não será divulgado. Os campos obrigatórios estão marcados com *