Vergonha e culpa são a mesma coisa? + 4 passos simples para superar a vergonha

A vergonha é um sentimento que nos leva a acreditar que não estamos à altura do ideal e que somos incapazes de mudar.

Enquanto o mundo tenta nos fazer sentir culpados, esquecemos que temos o poder de aceitar ou rejeitar a opinião dos outros, especialmente quando começamos a vida adulta.

O sentimento de vergonha impede que as pessoas mudem, seja quando nós fazemos outras pessoas terem esse sentimento ou quando são os outros que nos fazem sentir vergonha.

Se uma pessoa se acostumou a se sentir culpada de tudo desde a infância, é muito provável que leve muito tempo para conseguir se livrar desses pensamentos e emoções tão marcantes.

No entanto, é possível superar o sentimento de vergonha com a ajuda de amigos que nos apoiam, por meio da ajuda de um terapeuta e, acima de tudo, pelo poder da Expiação de Jesus Cristo.

Pensemos nisso, se quisermos que os outros parem de nos menosprezar, devemos parar de menosprezar os outros.

A diferença entre vergonha e culpa

O Salvador vê as pessoas como seres capazes de cometer erros, mas que por sua vez são capazes de mudar por meio da Expiação.

A esperança para mudar é um sentimento inerente ao arrependimento, que leva as pessoas a se sentirem “mal” pelos erros que cometeram, mas que nunca as levará a sentir uma vergonha sem fim.

Há alguns anos, eu li um livro escrito por Sue Bergin, intitulado “Eu ainda sou um Papai Noel?”, onde ela explica a diferença entre o sentimento de culpa e o sentimento de vergonha.

“Brené Brown, pesquisadora da Faculdade de Pós-Graduação em Trabalho Social da Universidade de Houston, realizou estudos sobre o sentimento de vergonha por mais de uma década e define o último como ‘um sentimento doloroso e intenso de imperfeição que faz com que as pessoas não se sintam dignas de serem amadas'”.

Ela faz uma distinção clara entre o que é culpa e o que é vergonha explicando que a vergonha consiste em sentir que somos ruins, enquanto a culpa nos faz sentir que fizemos algo errado.

Dios

Reconhecer que cometemos um erro é muito diferente de acreditar que nós somos o erro. Uma coisa nos leva ao arrependimento e a outra nos leva ao desespero.

Então, aqui nós compartilhamos quatro coisas que você pode fazer para ajudá-lo a superar o sentimento de vergonha, um inimigo silencioso que acaba com a nossa esperança.

  1. Estabelecer relações com pessoas que nos fazem bem

Pessoalmente, tentei me distanciar das pessoas que me enviam mensagens depreciativas. Muitas vezes, as pessoas que não conseguem resolver seus próprios problemas e projetam seus medos, raiva e inseguranças nos outros.

A parábola de Jesus Cristo sobre o argueiro e a trave em Mateus 7 fala desta dinâmica. Não devemos procurar a companhia de pessoas que nos façam ter sentimentos negativos.

  1. Falar com um profissional

Em certos momentos da nossa vida, precisaremos de ajuda para podermos seguir em frente. Podemos pedir ajuda aos líderes da Igreja e/ou a um profissional.

Não há nada de errado em receber esse tipo de ajuda, pelo contrário, é um ato de coragem. Isso pode nos ajudar a restaurar relacionamentos com as outras pessoas, traçar limites e conhecer melhor quem somos.

  1. Aproveitar ao máximo o poder da Expiação

A Expiação pode nos ajudar de várias maneiras.

jesucristo

Primeiro, ela nos ajuda a aceitar que somos filhos de Deus, que temos um Pai Celestial amoroso que nos criou para ser uma força para o bem, que temos um valor infinito e incomparável.

Segundo, por meio do arrependimento, a Expiação nos dá a oportunidade de mudar.

Terceiro, mesmo que ainda não tenhamos superado todas as nossas deficiências, a Expiação pode cobrir o que nos falta, desde que estejamos comprometidos em fazer nossa parte.

  1. Parar de causar o sentimento de culpa nas outras pessoas

Eu percebo que, às vezes, eu também cometi esse erro por causa do medo e da raiva.

Em vez de nos concentrarmos nas falhas dos outros, devemos tentar reconhecer nossos pontos fortes.

E se temos que falar sobre os erros de outra pessoa, como um pai faria com seu filho, devemos ter cuidado ao falar do assunto para não ferir seus sentimentos, conforme aconselhado em Doutrina e Convênios 121: 43, “mostrando então um amor maior por aquele que repreendeste”.

Busquemos o amor puro de Cristo para amar uns aos outros.

Aceitemos o amor de Deus por nós. Vamos amar a nós mesmos. E vamos nos concentrar nas coisas positivas.

Fonte: lachiesarestaurata.it

| Para refletir

Comente

Seu endereço de e-mail não será divulgado. Os campos obrigatórios estão marcados com *