Neste ano, lemos e estudamos a vida de Jesus através do programa Vem, E Segue-Me.  Ao ler novamente os relatos de Seu último dia através de Mateus, Marcos, Lucas e João – Suas últimas horas, terminando com o Seu sacrifício em nosso favor, fico impressionado – fico admirado por Seu amor por cada um de nós. Por você, por mim, por cada pessoa. Sabemos que ele foi traído, ridicularizado, espancado e crucificado. É tão difícil imaginá-Lo sendo tratado com tanto ódio, raiva e violência! Ele não fez nada além de fazer o bem continuamente.

Mas mesmo no último dia de Seu ministério mortal, Ele estava cheio de amor e perdão.

Dos muitos princípios demonstrados através deste ato notável, gostaria de focar nossa atenção, por um momento, em três coisas:  Amar, Perdoar e Se Arrepender.

A Expiação é o melhor ator de amor e perdão. E o que Deus nos pede em troca? Arrepender-se, perdoar uns aos outros e amar. 

Isso soa maravilhoso, e eu sei que é o caminho certo, mas …

  • Ele me magoou tanto!
  • Isso não é justo!
  • Eu não mereço ser tratado assim!
  • Eles trapacearam!
  • Ele me roubou!
  • Eu fui traído!

Essas emoções fluem facilmente das experiências da vida, mas qual é a alternativa para o arrependimento, perdão e amor?  Ficar bravo, ressentido, recuar, atacar, fofocar. Isso parece com a pessoa que você quer ser? Ou o jeito que você quer viver? 

Você não pode ser amargo e esperar que sua vida seja doce.

Você pode pensar que quando alguém te ofende, isso está atingindo você. Mas não. Não é você. Mas se você levar isso para o lado pessoal, você faz com que isso atinja você e você sofre.

Essa é uma das razões pelas quais o Salvador diz que, quando não perdoamos os outros, permanece em nós o pecado maior!’  

Um coração rancoroso impedirá seu progresso na vida muito mais do que qualquer coisa que alguém possa fazer a você.

Vamos considerar o primeiro desses três princípios.

Amar

O Élder Holland disse que “É amar, não ser amado, que nos aproxima verdadeiramente uns dos outros”.  Se Deus nos ama, como acreditamos, por que há infelicidade? E não precisamos procurar mais do que nossa própria experiência para saber que isso é verdade. Você ama alguém e ainda assim estão infelizes?

Então, o que realmente te faz feliz? É amar – sentir amor por outra pessoa. Como o amor por uma criança ou um neto. Pode ser difícil descrever, mas você conhece esse sentimento de alegria e felicidade. E você faria qualquer coisa por estas pessoas.

O VERBO amar vem antes do substantivo amor.

Stephen Covey compartilhou uma experiência que ele teve ao conversar com um grande grupo. Depois, um dos ouvintes foi até ele para pedir conselhos. Ele disse que não amava mais a esposa, que eles haviam se distanciado e que ele estava procurando um advogado.

Stephen disse: “Ame-a”.

“Mas eu te disse, eu não a amo mais – eu simplesmente não sinto nada. O que devo fazer”?

“Ame-a.”

“Mas eu acabei de dizer que eu não amo – Nós não estamos mais apaixonados, o amor simplesmente não existe mais. Eu acho que não estou ajudando nem a ela nem a mim. Estou confuso sobre o que devo fazer.”

“Meu amigo, AMAR – o VERBO, vem antes de AMOR – o SUBSTANTIVO.”

“Descubra como você pode servi-la e demonstrar amor por ela. Trate-a com respeito. Coloque suas necessidades antes das suas. Veja o bem-estar dela e você encontrará o amor que procura – um amor muito maior do que imagina ”.

O poeta Edwin Markham disse:

Ele desenhou um círculo que me excluiu –

Herege, rebelde, uma coisa a desprezar.

Mas o amor e eu tivemos a sagacidade de vencer:

Nós desenhamos um círculo e o incluímos!

Por causa da humildade, força e completo conhecimento do Plano de Felicidade do Pai, o Salvador terminou a Expiação – Essa tarefa incompreensivelmente dolorosa e impossível! E ao fazê-lo, Ele desenhou um círculo que nos inclui.

Seu amor faz com que nossa capacidade de amar seja possível e completa. Mas devemos agir – devemos demonstrar amor. O VERBO amar vem antes do substantivo amor. Ou poderíamos dizer: a AÇÃO de amar vem antes do sentimento do amor.

O que aprendi sobre Jesus Cristo com a vista de Élder Oaks

Perdoar 

E quanto ao perdão?

Eu não sei a diferença entre Amor e Perdão. 

Não consigo entender.

Novamente, Jesus demonstra, através de Suas palavras e Suas ações, que perdoar é amar – e amar é perdoar. 

Perdoar e ser perdoado são dois lados da mesma moeda. 

Jesus ensinou esse princípio com uma história em Mateus 18: 24-35

Vou parafrasear aqui rapidamente:

Um servo foi trazido ao rei, este, lhe devia 10.000 talentos – Uma quantia incrivelmente grande de dinheiro!  Mas o servo não podia pagar, então o rei ordenou que ele fosse vendido, e sua esposa e filhos, e tudo o que ele tinha, e pagamento seria feito.

Então aquele servo, prostrando-se, o adorava, dizendo: Senhor, sê paciente comigo, e tudo lhe pagarei. O rei se moveu de íntima compaixão e perdoou-lhe a dívida.

Mas o servo saiu, e encontrou um de seus companheiros, que lhe devia cem denários (cerca de 3-4 meses de salário de um trabalhador comum – uma soma quase completamente insignificante em comparação com a dívida apenas perdoada), e lançou mão dele, sufocando-o, dizendo: Paga-me o que me deves! O homem prostou-se aos seus pés, e rogava-lhe, dizendo: Sê paciente comigo, e tudo lhe pagarei.

Ele, porém, não quis; antes foi e lançou-o na prisão, até que pagasse a dívida.

Quando os outros viram isso, disseram ao rei tudo o que aconteceu. Então o rei lhe disse: Servo malvado, perdoei-te toda aquela dívida, porque me suplicaste: Você também não deveria ter compaixão de seu companheiro, como eu também tive misericórdia de ti? E, indignado, o seu senhor o entregou aos atormentadores, até que pagasse tudo o que lhe devia.

E aqui é onde o Salvador mostra a importância dessa parábola:

Assim vos fará também meu Pai celestial, se de coração não perdoardes, cada um a seu irmão, as suas ofensas.

Novamente, na Seção 64: 8-10 de Doutrina e Convênios, Ele nos aconselha:

8 Meus discípulos, nos dias antigos, procuravam pretextos uns contra os outros e em seu coração não se perdoaram; e por esse mal foram afligidos e severamente repreendidos.

9 Portanto, digo-vos que vos devíeis perdoar uns aos outros; pois aquele que não perdoa a seu irmão suas ofensas está em condenação diante do Senhor; pois nele permanece o pecado maior.

10 Eu, o Senhor, perdoarei a quem desejo perdoar, mas de vós é exigido que perdoeis a todos os homens.

Você pode pensar na sua própria vida e lembrar como você foi afligido e severamente castigado por não perdoar?

Pense em como você sofreu mais com a sua raiva e desgosto do que com as coisas pelas quais causaram a tristeza e raiva! Toda vez que você se lembra delas e das emoções negativas que foram causadas, você sente a dor de novo e de novo. Justiça faria com que alguém sofresse somente uma vez, mas nós sofremos mil vezes. Isso não é justiça nem misericórdia.

CS Lewis disse:

“Ser cristão significa perdoar o indesculpável, porque Deus perdoou o indesculpável em você.”

Eu devo perdoar o indesculpável nos outros porque Deus perdoou o indesculpável em mim!  

Essa palavra indesculpável parece ser muito ruim, não é?  O que ela realmente significa? E o que eu fiz que é indesculpável?

Qualquer coisa que exija arrependimento é indesculpável, porque QUALQUER uma delas me afasta de Deus.   

Em Doutrina e Convênios, Seção 1:31, o Senhor diz:

“Pois eu, o Senhor, não posso encarar o pecado com o mínimo grau de tolerância.”

Isso abrange tudo!

Agora, com todo o nosso esforço para melhorar, nós ainda erramos. Nós ainda perdemos a paciência, julgamos erroneamente, mantemos rancores e ressentimentos, fofocamos, alimentamos nosso orgulho e somos descuidados em nossos relacionamentos com os outros e com Deus.

Felizmente, há o verso 32 da mesma seção:  “Entretanto, aquele que se arrepender e cumprir os mandamentos do Senhor será perdoado”.

O que nos leva ao terceiro princípio que a incrível Expiação do Salvador torna possível.

Arrepender-se

Às vezes agimos como se nossa consciência fosse a voz mansa e delicada que nos diz o que outras pessoas deveriam fazer. Mas essa Luz de Cristo existe para você e para mim – para orientar e guiar e inspirar, se estivermos dispostos a ser humildes, ouvir e agir.

A palavra “arrepender-se” ou “arrependimento” é encontrada em todas as escrituras.

  • Na Bíblia 133 vezes
  • Em Doutrina e Convênios 135 vezes
  • No Livro de Mórmon 382 vezes

O conselho do Senhor para nós é claro.

Na sessão do sacerdócio desta última Conferência Geral, o Presidente Nelson compartilhou seu conselho sobre o arrependimento:

“Muitas pessoas consideram o arrependimento uma punição — algo que deve ser evitado, exceto em circunstâncias muito sérias.  Entretanto, esse sentimento de punição é engendrado por Satanás. Ele tenta impedir que confiemos em Jesus Cristo,3 que está de braços abertos,4 esperando e desejando nos curar, perdoar, limpar, fortalecer, purificar e santificar.

“A palavra arrependimento no Novo Testamento Grego é metanoeo. O prefixo meta significa “mudar”. O sufixo noeo está relacionado às palavras gregas que significam “mente”, “conhecimento”, “espírito” e “respiração”.

“Assim, quando Jesus pede que você e eu nos arrependamos, Ele está nos convidando a mudar nossa mente, nosso conhecimento, nosso espírito — e até mesmo o modo como respiramos. Ele nos pede que mudemos a maneira como amamos, pensamos, servimos, gastamos nosso tempo, tratamos nossa esposa, ensinamos nossos filhos e até mesmo como cuidamos de nosso corpo.

“Nada é mais libertador, mais enobrecedor ou mais crucial para nosso progresso individual do que um enfoque constante, diário no arrependimento. O arrependimento não é um evento, mas um processo. Ele é a chave para a felicidade e a paz de consciência. Quando acompanhado da fé, o arrependimento permite que tenhamos acesso ao poder da Expiação de Jesus Cristo.

Quer vocês estejam trilhando diligentemente o caminho do convênio, quer tenham se desviado ou saído dele ou até mesmo nem consigam enxergá-lo de onde estão agora, rogo-lhes que se arrependam. Conheçam o poder fortalecedor do arrependimento diário — o poder de agir melhor e de ser melhor a cada dia.”

“Quando decidimos nos arrepender, decidimos mudar!  Permitimos que o Salvador nos transforme em uma versão melhor de nós mesmos.”

Precisamos fazer melhor e ser melhores porque estamos em uma batalha. O inimigo está quadruplicando seu exército! Peça ao Pai Celestial que lhes mostre o que está impedindo vocês de fazerem as mudanças necessárias.

O que precisamos começar a fazer e o que nós precisamos parar de fazer para que possamos ser melhores do que nunca fui e fazer as coisas como nunca fizemos?

O Presidente Nelson nos deu duas maneiras de fazermos melhor e sermos melhores:

1. Como eu trato meu corpo

  • O dom deste corpo nos permite tornarmos mais semelhante a Deus
  • A maioria das tentações que o adversário coloca em nosso caminho são projetadas para prejudicar nosso próprio corpo ou os dos outros.
  • Satanás é miserável sem um corpo e quer que sejamos miseráveis por causa de nossos corpos 

2. Como eu trato as mulheres da minha vida – esposas e filhas, mães e irmãs

  • Meu primeiro e mais importante dever é ser um companheiro para minha esposa
  • Nada em qualquer tela é mais importante que seu bem-estar 
  • Oro para ter meu coração em sintonia com o coração dela
  • Procuro seu conselho e escuto – suas ideias melhorarão minhas ideias!
  • As forças do mal nunca foram mais intensas do que são hoje!

Nosso foco deve estar no arrependimento diário. Esta é a única maneira de manter nossa família segura. O Senhor precisa de homens e mulheres altruístas que priorizem o bem-estar de seu próximo. Homens e mulheres que se esforçam para fazerem melhor e serem melhores.

Sei que, quando você e eu nos esforçamos para nos arrepender, para perdoar e amar, viveremos milagres em nossa vida. Deixe-me enfatizar essa promessa de Deus:

Você viverá milagres em sua vida ao se arrepender, perdoar e amar.

O Profeta fez essa promessa a nós, assim como o Senhor, cujo Sacrifício Expiatório torna tudo isso possível.

Fonte: MeridianMagazine

Relacionado:

Como entender a doutrina e o processo do arrependimento