A Vida Não É Justa

Como membros da Igreja de Jesus Cristo, somo ensinados a acreditar na verdade, na justiça, na misericórdia e que o bem sempre vence no final. Contudo, nesse mundo decaído, nem tudo sempre será justo ou equivalente. Para alguns, esse é um conceito difícil de engolir. Por vezes, será necessário uma grande fé para continuarmos no caminho e com perspectiva.

O Élder Dallin H. Oaks disse que “A maioria de nós passa, em maior ou menor grau, pelo que as escrituras chamam de “fornalha da aflição” (Isaías 48:10;1 Néfi 20:10). Alguns se dedicam integralmente aos cuidados de um familiar com problemas sérios de saúde. Outros enfrentam a morte de um ente querido ou a perda ou adiamento de uma meta digna como o casamento ou a chegada de filhos. Há ainda quem precise lidar com deficiências pessoais ou sentimentos de rejeição, inadequação ou depressão. Por meio da justiça e misericórdia do amoroso Pai Celestial, o refinamento e a santificação possíveis por meio de tais experiências podem ajudar-nos a ser o que Deus deseja que nos tornemos.” (“O Desafio de Tornar-se”, Conferência Geral de Outubro de 2000).

Contudo, quando uma pessoa não é recompensada pelos seus esforços, ou quando uma pessoa com uma doença debilitante olha para uma saudável, um impulso inevitável vem em alto e bom som: “A vida não é justa!”

Mark Banschick, autor do artigo “It’s not fair! but why should it be?” (Não é justo! Mas por que deveria ser?), publicado em 2011 na revista Psychology Today, diz que “como adultos, nosso senso de justiça é agredido quando vemos pessoas poderosas se livrando das consequências de seus crimes… Por que algumas pessoas nascem ricas enquanto outras nascem pobres? Por que algumas pessoas são mais saudáveis, mais bonitas, ou mais carismáticas que outras? O mundo nunca foi justo.”

E se a vida fosse justa? Nossas vidas podem não se parecer com aquilo que esperávamos que fosse. Um folheto de marketing, usado pela Cruz Vermelha do Canadá, dá-nos algumas pespectivas:

“Se você tem comida na sua geladeira, roupas sobre o seu corpo, um teto sobre a cabeça e um lugar para dormir, você é mais rico que 75% do mundo.”

“Se você tem dinheiro numa conta bancária e na sua carteira, ou alguns trocados a mais, você está entre os 8% mais ricos do mundo”

“Se você acordou essa manhã com mais saúde do que doença, você é mais abençoado que o 1 milhão de pessoas que não vão passar dessa semana.”

“Se você nunca passou pelo perigo de um combate, ou pela agonia da prisão ou da tortura ou pelas terríveis pontadas de fome e inanição, você é mais sortudo que outras 500 milhões de pessoas que vivem em sofrimento.”

“Se você pode ler essa mensage, você é mais afortunado que outras 3 bilhões de pessoas no mundo que não sabem ler.”

No discurso “Para Que Eu (…) Pudesse Atrair a Mim Todos os Homens”, da Conferência Geral de Abril de 2016, o Élder Dale G. Renlund disse que “Se a vida fosse realmente justa, vocês e eu jamais ressuscitaríamos, jamais poderíamos comparecer limpos perante Deus. Quanto a isso, sou grato por a vida não ser justa… [P]or meio da compaixão, da bondade e do amor de Deus, todos receberemos mais do que merecemos, mais do que jamais conseguiríamos ganhar e mais do que jamais teríamos esperança de obter.”

Numa escritura do Livro de Mórmon, muito repetida, lemos “Porque é necessário que haja uma oposição em todas as coisas. Se assim não fosse… não haveria retidão nem iniquidade, nem santidade nem miséria, nem bem nem mal” (2 Néfi 2:11).

Jesus Cristo, uma pessoa imaculada e incontaminada (ver 1 Pedro 1:19), é o perfeito exemplo de alguém que não merecia nenhuma das injustiças que Lhe foram impostas em vida. Contudo, elas foram necessárias para que Ele pudesse cumprir sua missão na Terra.

Explica o Élder Neal A. Maxwell: “Um bom amigo meu, que sabe do que está falando, fez uma observação sobre provações: ‘se é justo, então não é uma provação de verdade!’ Ou seja, sem a presença adicional de algo inexplicável ou de certa ironia e injustiça, as experiências não nos proporcionariam crescimento e desenvolvimento suficientes. A crucificação de Cristo foi, claramente, a maior injustiça na história da humanidade; mas o Salvador suportou isso com majestade e indescritível valor” (All These Things Shall Give Thee Experience (1980), p. 31).

Enquanto procuramos diligentemente nos tornarmos como Cristo, e sermos dignos de sermos chamados como um de Seus discípulos, podemos esperar, por um minuto, que nossas vidas não conterão uma variedade de decepções, alguma medida de injustiça ou um tanto de desigualdade?

Na Conferência de Mulheres da BYU de 1998, a Sister Sheri L. Dew, então segunda conselheira na Presidência Geral da Sociedade de Socorro, disse que “Lúcifer nos sussurra que a vida não é justa e que se o Evangelho fosse verdadeiro, nunca teríamos problemas ou decepções… O Evangelho não é uma garantia contra tribulações. Isso seria como uma prova sem questões. Ao contrário, o Evangelho é um guia de como manobrar através dos desafios da vida com um senso de direção e propósito.” (“This Is a Test. It is Only a Test”).

Somos extremamente abençoados de ter o Evangelho de Jesus Cristo em nossas vidas. Ele traz esperanças para um mundo problemático. Cristo é o antídoto pessoal que precisamos para achar paz num mundo completamente injusto. “Tenho-vos dito essas coisas para que em mim tenhais paz; no mundo tereis aflição, mas tende bom ânimo, eu venci o mundo.” (João 16:33)

No discurso “Tenham Bom Ânimo”, da Conferência Geral de Abril de 2009, o Presidente Thomas S. Monson disse: “Ninguém passa pela vida sem problemas e desafios, e mesmo tragédias e infortúnios. Afinal, em grande parte, estamos aqui para aprender e crescer por meio desses acontecimentos em nossa vida. Sabemos que há momentos em que teremos sofrimento, pesar e tristeza. Contudo, foi-nos dito: ‘Adão caiu para que os homens existissem; e os homens existem para que tenham alegria’ (2 Néfi 2:25).

“Como podemos ter alegria na vida a despeito de tudo que venhamos a enfrentar? Novamente, as escrituras declaram: ‘Portanto tende bom ânimo e não temais, porque eu, o Senhor, estou convosco e ficarei ao vosso lado.’” (D&C 68:6).

O LDS Church News é uma publicação oficial de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias. O conteúdo da publicação apoia as doutrinas, princípios e práticas da Igreja.

Artigo original no site deseretnews.com. Imagem principal via LDS.org. Traduzido por Nathan Kutomi.