Porque uma vítima SUD de assalto pediu ao juiz que fosse misericordioso

Em seu novo livro, Make a Choice: When You Are at the Intersection of Happiness and Despair, Jeff Benedict, autor best-seller do New York Times, compartilha uma história comovente de um de seus ex-companheiros missionários, Bruce Jasper. Divorciado e vivendo com sua mãe viúva, Jasper foi capaz de encontrar uma profunda compaixão e incrível força para perdoar um estranho que lhe causou dor e sofrimento imenso. Abaixo, Jeff recorda a trágica história, porém esperançosa, de seu amigo:

Em 3 de outubro de 2009, Bruce disse à sua mãe que ele estava saindo. Era um sábado, e ele queria experimentar um novo conjunto de arco e flecha que ele havia comprado. Ela disse-lhe para se divertir e ter cuidado; ela iria encontrá-lo na volta.

Bruce levou cerca de duas horas para atravessar as belas paisagens de Logan Canyon e Bear Lake. Um amante da natureza e campista ao longo da vida, ele passou o dia explorando trilhas. Ele acabou no Bear Lake Valley, em Montpelier, Idaho, uma cidade de três mil habitantes. Com o fim do dia, ele encontrou um motel para a noite. Ele então dirigiu-se para uma refeição no Butch Cassidy Restaurant and Saloon. Enquanto comia, ele viu um homem muito mais jovem assediando verbalmente uma garçonete.

‘Isso não é maneira de falar com uma senhorita”, disse Bruce.

De acordo com relatos de testemunhas, quando Bruce deixou o restaurante, o jovem seguiu-o para fora e deu um soco na parte de trás da cabeça.

Bruce caiu como uma árvore derrubada, o rosto batendo contra a passarela de concreto. Sangrando muito na cabeça, seu pulso desapareceu rapidamente e ele perdeu a consciência. A próxima coisa que ele se lembrou foi de estar acordado no Hospital Regional de Logan depois de passar por seis horas de cirurgia plástica de emergência. Placas de metal foram inseridas em torno de seus olhos. Seus ossos nasais quebrados foram repostos.

A mãe de Bruce, Ione, recebeu um telefonema em casa no meio da noite. Ela viu o rosto de Bruce inchado, desfigurado e enfaixado. Ele estava irreconhecível. Seus sinais vitais ainda eram fracos. Ele estava perto da morte.

O homem que atacou Bruce foi preso no local e acusado de assalto – agravado por pilhagem, grandes danos corporais e incapacidade permanente. Ele tinha 23 anos e estava em liberdade condicional por roubo. Acontece que seus anos juvenis tinham sido tragicamente tristes. Se fosse condenado por atacar Bruce, seus anos adultos seriam gastos atrás das grades. No entanto, o promotor poderia recomendar um período de seis meses em uma instalação de abuso de substâncias, o que resignaria sua convicção de roubo. Como vítima, Bruce teria uma oportunidade de dizer ao tribunal como se sentia sobre a condenação alternativa proposta.

Bruce Jasper

Bruce Jasper. Imagem via LDSLiving.com.

Por um tempo, Bruce não estava em condições de falar com ninguém. Após sua cirurgia inicial, ele passou dois meses dentro e fora do hospital lidando com infecções crônicas e outras complicações decorrentes das lesões. Por exemplo, uma das placas de metal sob os olhos deslizou até o céu da boca, causando um furo que resultou em infecção. Um olho não piscava após o assalto, e sua fala era arrastada. Envergonhado por sua aparência e sua incapacidade de juntar as palavras, ele não queria encontrar sua família e amigos.

Eventualmente, Bruce conversou com sua mãe e seu advogado sobre a próxima audiência do seu agressor. Convencido de que ele não viveria por muito mais tempo, Bruce confessou que não queria morrer com malícia em seu coração. “Se eu vou sobreviver a isso não é tão importante quanto o que eu posso fazer para ajudar este jovem mudar de vida”, Bruce disse a eles.

Apesar da dor de cabeça e tontura paralisante, Bruce viajou com sua família para Idaho para a audiência. Ele disse ao tribunal que ele apoiava a clemência. O tratamento, segundo ele, era preferível ao encarceramento. O pensamento de Bruce era claro: ele tinha desfrutado de uma educação ideal com os pais e de oportunidades para crescer e prosperar; o jovem que o atacou não tinha nada disso.

“Bruce queria tentar ajudar esse garoto a mudar de vida”, disse Ione. “Colocá-lo no programa de tratamento foi uma opção melhor do que colocá-lo atrás das grades por muitos anos.”

O tribunal atendeu os desejos de Bruce e condenou o jovem de 23 anos a seis meses de tratamento. No entanto, se o jovem não cumprisse os requisitos do tratamento e satisfizesse todos os termos de sua liberdade condicional, ele iria para a prisão pelo tempo completo por seu roubo mais anos adicionais pelo ataque a Bruce.

Semanas mais tarde, Bruce e Ione estavam no quarto da família. Era 14 de janeiro de 2010, e o Utah Jazz jogava na televisão. Bruce ficou imóvel no sofá. A dor tornou-se insuportável, e ele não tinha comido muito nas últimas 48 horas. Quando o jogo terminou, Bruce sentou-se.

“Mãe, eu estou tão cansado.”

“Vamos fazer a oração e ir para a cama. Eu vou fazer a oração.”

“Não, eu quero orar.”

Do sofá, ele lutou para conseguir falar. Ele agradeceu a Jesus Cristo por Seu exemplo e tudo o que Ele havia feito para a humanidade. Ele expressou gratidão pelo privilégio de ser um missionário quando ele tinha 19 anos. Ele também agradeceu a Deus por sua família e amigos, e ele pediu uma bênção sobre eles. Então ele orou por seu agressor. Levou uma hora para dizer todas as palavras da oração. Ione enxugou algumas lágrimas. Ela nunca o ouviu abrir a alma assim.

Em seguida, ele se esforçou para se mover e a abraçou. “Eu te amo, mãe”, ele sussurrou. “Eu não sei se eu vou estar aqui de manhã,” ele continuou. “Eu estou tão cansado.”

Algumas horas mais tarde, Bruce morreu durante o sono. Ele tinha 44 anos.

Semanas depois da morte de Bruce, Ione recebeu uma carta de agradecimento do banco de olhos de Utah. Bruce era um doador de órgãos, e o olho que tinha sido protegido pela pálpebra que nunca piscou corretamente após o ataque tinha sido enviado para o exterior e tinha dado a visão a outra pessoa. Pouco tempo depois, Ione recebeu uma segunda carta, desta vez de uma jovem que tinha sido incapaz de andar devido aos ossos do tornozelo deformados. Um dos ossos de Bruce foram colocados cirurgicamente, dando-lhe a capacidade de andar.

Bruce com sua família

Da esquerda para a direita: o pai de Bruce, John; o irmão de Bruce, David; Bruce e sua mãe, Ione. Imagem via LDSLiving.com.

“Às vezes demora um tempo”, disse Ione. “Mas o bem vence o mal.”

Certamente Ione ensinou isso a Bruce na forma como ela o criou. E as escolhas de Bruce nos ensinam o poder de escolher dar a alguém, especialmente alguém que nos ofendeu, uma segunda chance.

Jeff Benedict é um escritor convidado da Sports Illustrated e um autor best seller do New York Times de 14 livros. Seu site é jeffbenedict.com.

Por Jeff Benedict, adaptado de seu livro “Make a Choice: When You Are at the Intersection of Happiness and Despair”. Artigo publicado em LDSLiving.com. Traduzido por Esdras Kutomi.