3 passos para receber grandes revelações

O Presidente Nelson declarou claramente que é uma habilidade essencial poder receber revelação pessoal. Nossa sobrevivência espiritual dependerá disso.

 “Imploro para que aumentem sua capacidade espiritual de receber revelações. Mas nos próximos dias, não será possível sobreviver espiritualmente sem a orientação, direção, consolo e influência constante do Espírito Santo.”

Quando pensamos sobre revelação pessoal, muitas perguntas vêm à mente. Como O ouvimos? Como sabemos se Deus está colocando esses pensamentos e sentimentos em nossa mente ou se essas são minhas próprias criações? Por que eu não O ouço? E a maior: O que posso fazer para melhorar o recebimento de revelações pessoais?

Como engenheiro, sinto-me mais confortável com fórmulas e etapas numeradas para alcançar o resultado desejado. Metas espirituais não se prestam a tal precisão e reprodutibilidade, o que pode ser realmente frustrante. Mas chega de metáforas e nuances subjetivas.

A seguir, três ideias fáceis de entender (mais difíceis de fazer) que ajudam pessoas como eu, que precisam de uma abordagem passo a passo para aprender a ouvi-Lo.

1. Nossa consciência é a principal fonte de revelação pessoal

Espere um minuto! Nossa consciência é uma forma de revelação? Eu sei como é minha consciência. Talvez eu esteja mais adiantado nesse processo do que imaginava. Esta é uma grande notícia! Toda a humanidade é abençoada com a Luz de Cristo. Com o Dicionário da Bíblia, aprendemos:

A luz de Cristo é exatamente o que as palavras implicam: iluminação, conhecimento e uma influência edificante, enobrecedora e perseverante que vem sobre a humanidade por causa de Jesus Cristo. Por exemplo, Cristo é “a verdadeira luz que ilumina todo homem que vem ao mundo” (D&C 93:2; João 1: 9).

A luz de Cristo está relacionada à consciência do homem e diz a ele o certo e o errado (ver Morôni 7:12-19). A luz de Cristo não deve ser confundida com o personagem do Espírito Santo, pois a luz de Cristo não é um personagem de forma alguma. Sua influência é preliminar e preparatória para receber o Espírito Santo. A luz de Cristo levará a alma honesta que “dá ouvidos à voz” a encontrar o verdadeiro evangelho e a verdadeira Igreja e, assim, receber o Espírito Santo (ver D&C 84: 46–48).

O passo mais importante para aprender a receber revelação pessoal é reconhecer nossa consciência como a principal fonte de comunicação de Deus para nós. É importante porque esta é muitas vezes a primeira experiência que temos com a revelação e se não prestarmos atenção à nossa consciência, a nossa experiência com uma revelação mais direta e personalizada provavelmente nunca acontecerá.

Nossa consciência, embora sutil, pode ser muito poderosa. C.S. Lewis escreve que nossa consciência é a prova mais importante que Deus existe. “A consciência nos revela uma lei moral cuja fonte não pode ser encontrada no mundo natural, apontando assim para um Legislador sobrenatural.”

Além disso, nossa consciência é a forma de revelação mais difundida e acessível. “É a forma mais difundida de revelação. É dado a todos; permeia tudo; esforça-se com cada pessoa para ajudá-la a fazer o bem e a ter uma vida melhor. ” A consciência é uma “lei escrita em nossos corações”. (Rom. 2:15).

Nossa consciência independe de fé, cultura, raça ou origem e nos indica que devemos fazer o que é certo. É responsável por motivar grandes movimentos humanitários que mudam a história. O Dr. Martin Luther King Jr. ensinou que “chega um momento em que se deve tomar uma posição que não é segura, nem política, nem popular, mas deve tomá-la porque a consciência lhe diz que é a coisa certa”.

O Élder Bruce R. McConkie explica a relação entre a Luz de Cristo e nossa consciência. “A Luz de Cristo tem uma influência edificante, esclarecedora e enaltecedora sobre os homens [e mulheres]. Uma de suas manifestações é chamada de consciência, por meio da qual todos os homens [e mulheres] distinguem o certo do errado ”. [A Luz de Cristo] é o meio pelo qual o Senhor convida e atrai a todos. . . para melhorar sua sorte e vir a ele e receber seu evangelho ”.O Presidente David O. McKay ensinou que“ por aqueles na Igreja que cumprem seus deveres, o Espírito Santo normalmente fala por meio da consciência ”. 

Stephen R. Covey e sua esposa, Sandra compartilharam esta visão esclarecedora sobre nossa consciência:

Certa vez, depois de falar sobre como ouvir a oração em um devocional do Ricks College, uma aluna se aproximou de mim e perguntou: “Como posso realmente saber que Deus está respondendo à minha oração?”

Perguntei-lhe se ela havia sentido algo em seu coração quando todos nós paramos durante o discurso para ouvir nossa própria consciência em resposta às perguntas: “O que preciso fazer para me aproximar do Senhor? Ser um membro da família melhor? Um aluno melhor? ” Ela respondeu: “Oh, sim. Eu sei tantas coisas que devo fazer.”

Pois bem, irmã, sugiro que esqueça sua pergunta por enquanto e apenas faça essas coisas. Ao fazer isso, você se familiarizará mais com a voz dele e essa será a resposta à sua pergunta. Algum tempo depois, essa jovem se aproximou de mim novamente após uma palestra e testificou que “ouvir e obedecer minha consciência foi a lição religiosa mais prática que já aprendi. Isso mudou minha vida. ”

“Estamos tentando ensinar nossos filhos [aplica-se a todos] quando eles oram para executar suas ações, atitudes e planos por meio de suas consciências para ver se eles se enquadram. Estamos tentando ensiná-los a fazer perguntas básicas e ouvir suas consciências em busca de respostas, tais como: “O que preciso fazer para estar mais perto de Deus?” “Como posso ser um membro melhor da Igreja?” “Como posso me preparar melhor para minha missão?” “Como posso ir melhor na escola?

Uma grande vantagem que vem com nossa consciência é que ela tem uma barreira de dignidade muito menor do que os sussurros do Espírito Santo. Na verdade, um dos aspectos mais úteis de nossa consciência é que ela é acionada precisamente quando fazemos algo errado. Todos nós estamos familiarizados com a sensação de ter uma “consciência culpada”. No entanto, nossa consciência não é à prova de balas. Ignorar repetidamente sua direção diminui gradativamente sua voz até que quase não seja ouvida.

Nossa consciência não está lá apenas para nos lembrar quando pecamos. Também “sugere” o que é certo fazer. Sentimos que devemos ajudar nosso cônjuge a colocar os filhos na cama, orar antes de dormir, colocar nossas roupas de ginástica, ler as escrituras, evitar aquela segunda porção de sobremesa, telefonar para nossa família que ministramos, desligar a TV e ajudar com uma tarefa de casa da criança, pedir desculpas por uma explosão rude ou, melhor ainda, evitar a rudeza em primeiro lugar e a lista continua. Esses são mandamentos feitos sob medida para nós.

Seguir os ditames de nossa consciência nos leva ao batismo e à confirmação, onde as mãos são colocadas em nossa cabeça por alguém com a devida autoridade e ouvimos as palavras: “Receba o Espírito Santo”. Isso nos dá o dom do Espírito Santo, que é o direito (não a garantia) à companhia constante daquele membro da Trindade, com base em nossa fidelidade.

Para aqueles que receberam o Dom do Espírito Santo, os sussurros podem vir por meio da Luz de Cristo, conforme declarado pelo Presidente McKay acima. O Élder Charles W. Penrose ensinou que uma pessoa que recebe o dom do Espírito Santo recebe “uma dotação cada vez mais elevada do mesmo espírito [Luz de Cristo ou nossa consciência] que ilumina todo homem que vem ao mundo” .Se nós não temos certeza de como reconhecer quando o Espírito Santo fala conosco, imagine nossa consciência tomando esteroides.

2. A chave para aumentar a revelação pessoal é dar atenção à revelação que já recebemos

Obedecer às orientações de nossa consciência aumenta nossa fé e nos torna dignos de receber a revelação mais direta e personalizada disponível por meio do dom do Espírito Santo. Néfi nos diz,

Darei aos filhos dos homens linha sobre linha, preceito sobre preceito, um pouco aqui e um pouco ali; e abençoados os que dão ouvidos aos meus preceitos e escutam os meus conselhos, porque obterão sabedoria; pois a quem recebe darei mais; e dos que disserem: Temos o suficiente, destes será tirado até mesmo o que tiverem. (2 Néfi 28:30)

Um ciclo virtuoso se estabelece quando obedecemos a um sentimento de fazer o que é certo. O Senhor então nos abençoa com mais sussurros que, se obedecermos, resultarão em mais bênçãos espirituais. Isso cria um ciclo que nos leva cada vez mais perto Dele. Este processo é descrito em D&C 50:24.

“Aquilo que é de Deus é luz; e aquele que recebe luz e persevera em Deus recebe mais luz; e essa luz se torna mais e mais brilhante, até o dia perfeito.”

A chave para mais revelação é ser obediente à luz e ao conhecimento que já recebemos. Obediência é o que impulsiona esse ciclo virtuoso. 

O Presidente Eyring fornece informações valiosas sobre como esse ciclo virtuoso é aplicado à medida que progredimos das influências intermitentes do Espírito para sentir sua presença constante.

“Assim, por muitos motivos, precisamos da companhia constante do Espírito Santo. Nós a desejamos, mas sabemos por experiência própria que não é fácil mantê-la. Todos pensamos, dizemos e fazemos coisas em nossa vida cotidiana que podem ofender o Espírito. O Senhor nos ensinou que o Espírito Santo será nosso companheiro constante quando nosso coração estiver “[cheio] de caridade” e “a virtude [adornar nossos] pensamentos incessantemente” (ver D&C 121:45).

Para aqueles que se debatem com o elevado padrão necessário para qualificar-nos para a dádiva da companhia do Espírito, ofereço este incentivo. Houve ocasiões em que vocês sentiram a influência do Espírito Santo. Pode ter acontecido hoje. [durante a conferência].

Vocês podem tratar esses momentos de inspiração como a semente da fé descrita por Alma (ver Alma 32:28). Plantem cada uma delas. Vocês podem fazê-lo colocando em prática a inspiração que tiveram. A inspiração mais valiosa será para você saber o que Deus deseja que você faça. Se for a de pagar o dízimo, ou a de visitar um amigo que está sofrendo, façam isso. Seja o que for, façam isso. Quando tiverem mostrado sua disposição de obedecer, o Espírito lhes enviará mais impressões do que Deus deseja que façam.

À medida que obedecerem, as impressões do Espírito virão com mais frequência, cada vez mais até obterem uma companhia constante. Seu poder de escolher o certo vai aumentar.

Não somos deixados sozinhos neste caminho de usar o ciclo virtuoso para passar da consciência para a companhia constante do Espírito Santo. Uma das funções do Espírito Santo é “Santificador” – tornando-nos mais santos. O Presidente Ezra Taft Benson compartilhou o seguinte sobre os poderes santificadores do Espírito Santo:

O Espírito Santo faz com que nossos sentimentos sejam mais ternos. Sentimo-nos mais caridosos e compassivos. Estamos mais calmos. Temos uma capacidade maior de amar. As pessoas querem estar perto de nós porque nosso próprio semblante irradia a influência do Espírito. Temos um caráter mais piedoso. Como resultado, somos mais sensíveis aos sussurros do Espírito Santo e, portanto, capazes de compreender as coisas espirituais.”

3. Discernir entre as três vozes em nossa mente

A mente sã normalmente tem três vozes. A primeira voz é nossa própria mente.

“Você se ouve pensar. Você fala consigo mesmo, discute coisas consigo mesmo, discute consigo mesmo, repreende, elogia e tagarela consigo mesmo o dia todo.

Essa voz é distinguível porque é insegura, ou em outras palavras, questiona as coisas e raramente é definitiva ou decisiva.

Quase sempre faz perguntas. O que é que foi isso? Quem disse isso? Porque você disse isso? O que isso significa? Você acha? O que aconteceria se? Eu me pergunto?”

A segunda voz é a influência do adversário. O Élder Faust explicou algumas das formas que essa voz assume:

“O adversário tenta silenciar essa voz com inúmeras vozes altas, persistentes, persuasivas e atraentes: 

  • Vozes negativas que relembram as injustiças que as pessoas acham que sofreram.

  • Vozes queixosas que detestam os desafios e o trabalho.

  • Vozes sedutoras que incitam à sensualidade.

  • Vozes lisonjeiras que nos acalentam com segurança carnal.

  • Vozes intelectuais que professam sofisticação e superioridade.

  • Vozes orgulhosas que confiam no braço de carne.

  • Vozes aduladoras que nos incham de orgulho.

  • Vozes céticas que destroem a esperança.

  • Vozes hedonistas que nos impelem à busca de prazeres.

  • Vozes de comerciais que nos tentam a despender “dinheiro naquilo que não tem valor [e nosso] trabalho naquilo que não pode satisfazer”. (2 Né. 9:51)

A terceira fonte de informação em nossas mentes é a voz do Senhor por meio do Espírito Santo. Começa como a consciência, a luz de Cristo, e é um dom gratuito. Em seus estágios mais rudimentares, é uma ânsia silenciosa de escolher o certo, de abandonar as escolhas erradas e de buscar uma verdade maior.

Como sabemos se os sussurros vêm do céu, de nossos próprios pensamentos ou do adversário? Considere as palavras de Morôni:

Portanto, tende cuidado, meus amados irmãos, a fim de que não julgueis ser de Deus o que é mau; ou ser do diabo o que é bom e de Deus.

Pois eis que, meus irmãos, dado vos é julgar, a fim de que possais distinguir o bem do mal; e a maneira de julgar, para que tenhais um conhecimento perfeito, é tão clara como a luz do dia comparada com as trevas da noite. (Morôni 7: 15–16).

Em outras palavras, “se é bom, vem de Deus”. Este se tornou um mantra útil quando pensamentos e sentimentos vêm à minha cabeça e ao meu coração. Não preciso me preocupar com qual voz está falando, porque se é bom, vem de Deus.

Qualquer inspiração para fazer o bem, jejuar, orar, ajudar, abençoar, ser gentil, expressar amor, obedecer a um mandamento, adorar, servir; todos estes, e mais um milhão como eles, vêm de Deus.

Você pode saber com um conhecimento absoluto, nada duvidando, que esses sussurros são revelações. Eles não podem mais ser ignorados impunemente.

Boas sugestões vêm de Deus. O mal vem do adversário. Perguntas e análises vêm de dentro. É realmente simples assim.

Reconhecer as três vozes [nossa própria voz, tentações do mal, consciência e/ou o Espírito Santo] ajuda a decifrar as conversas complexas que ouvimos em nossas mentes. Quando você entende quem está dizendo o quê, você não precisa mais se confundir sobre o que fazer.

Este é o caminho de três etapas para uma revelação maior. Começa com o reconhecimento de que nossa consciência é uma revelação. A Luz de Cristo manifestando-se em nossa consciência continuará a ser uma fonte significativa de revelação por toda a vida, mesmo depois de recebermos o dom do Espírito Santo.

Isso é especialmente verdadeiro quando nossas ações nos separam da influência desse membro da Trindade. Ao obedecermos à inspiração de fazer o bem, desencadeamos um ciclo virtuoso que aumenta nossa capacidade de receber revelações mais específicas e personalizadas.

Não há necessidade de se distrair preocupando-se com qual voz está falando em nossa cabeça quando nos lembramos, “se é bom, vem de Deus.” Ao nos qualificarmos para receber o Espírito Santo, Seus poderes santificadores aceleram o crescimento de nossa espiritualidade.

Ao implementar essas três etapas, estaremos seguindo o conselho profético do Presidente Nelson. Aumentaremos nossa capacidade de receber revelação pessoal e desfrutar de mais paz e bênçãos em nossa vida.

Fonte: Meridian Magazine

| Inspiração
Publicado por: Larissa Silberman
Estudante de Marketing na Universidade Anhembi Morumbi. Trabalhou como instrutora no Centro de Treinamento Missionário e serviu na Missão Chile Rancagua. Mãe, esposa, empreendedora e assistente de conteúdo na More Good Foundation.
A vida e o espírito de uma criança antes de seu nascimento
Kit de emergência: 7 itens que não podem faltar na sua mochila

Comente

Seu endereço de e-mail não será divulgado. Os campos obrigatórios estão marcados com *