A vida e o espírito de uma criança antes de seu nascimento

O texto a seguir é uma tradução de um trecho do livro “Gone Too Soon: The Life and Loss of Infants and Unborn Children.”

Depois de ter sentido a perda de um ente querido, muita paz e consolo podem ser encontrados nas doutrinas de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias e suas escrituras associadas.

Embora seja uma crença comum entre os santos dos últimos dias de que os bebês que nascem vivos serão ressuscitados e devolvidos aos pais para serem criados em outro momento, pouco se sabe sobre aqueles que foram perdidos por aborto espontâneo, gravidez ectópica, natimorto ou até mesmo aborto eletivo.

Espiritualmente, vemos a vida desses pequeninos “através de um espelho embaçado”, e muito de como escolhemos pensar sobre esses bebês preciosos que passam tão rapidamente por nossas vidas deve ser entendido pela fé.

No entanto, embora pouco tenha sido dito explicitamente sobre esses bebês e seu destino eterno, existem verdades inexoráveis ​​que podem ser aplicadas às suas circunstâncias únicas.

No evangelho, somos abençoados por ter as verdades e o conhecimento do plano de salvação para nos ajudar em tempos difíceis e sombrios.

Frequentemente ouvimos membros da Igreja que perderam um ente querido dizer: “Sou muito grato por saber que o verei novamente. É horrível pensar que não existe vida após a morte e que esta época na Terra é a única chance que terei de estar com ele.”

O evangelho e seus princípios são, de fato, a fortaleza a que nos agarramos em tempos de provação e tragédia.

No entanto, embora a sociedade em geral não reconheça a perda desses pequeninos bebês, o que é difícil para muitos pais é que muitas vezes os membros da Igreja também não reconhecem os bebês como “pessoas”.

E se eles não forem “pessoas” legítimas, eles serão considerados inelegíveis para a ressurreição.

Se isso for verdade, então este tempo na Terra é o único tempo que os pais terão com esses pequeninos.

Consequentemente, essas vidas se perdem para sempre, e os preciosos benefícios e conforto do evangelho e do plano de Deus são inaplicáveis ​​em relação a esses bebês e seus pais enlutados.

Mas o homem, em seu conhecimento limitado, faz interpretações muito arbitrárias quanto à vontade de Deus.

Como foi decidido que um bebê que nasce muito prematuro, mas respira antes de morrer, será ressuscitado, enquanto outro bebê, talvez levado a termo, mas que morre ainda no útero, não o fará?

Ao estudar um pouco dos princípios que já consideramos verdadeiros, podemos encontrar muito conforto e ter muitos medos acalmados sobre a vida desses bebês que passam tão rapidamente por nossas vidas, mas que nos afetam tão profundamente.

Veja também: A defesa dos que não nasceram

Ensinamentos oficiais da Igreja

Algumas declarações sobre a morte de bebês foram feitas apenas sobre crianças natimortas. No entanto, há algo que pode estar implícito sobre os bebês que não nasceram. No Manual Geral de Instruções, o seguinte é expresso:

“A perda de um filho antes do nascimento é um evento que requer apoio emocional e espiritual para pais enlutados. Os serviços funerários podem ser realizados de acordo com as necessidades e desejos dos pais. Embora as ordenanças do templo não sejam realizadas por crianças natimortas, nenhuma perda de bênçãos eternas ou unidade familiar está implícita. Se desejar, a família pode registrar o nome de um filho natimorto no registro de grupo de genealogia familiar seguido da palavra natimorto entre parênteses.”

Talvez a declaração mais interessante sobre crianças natimortas seja de Bruce R. McConkie em Mormon Doctrine.

O Élder McConkie afirma que as questões relacionadas a “esses bebês não foram respondidas claramente na revelação o momento disponível para a orientação dos santos nesta dispensação.

Sem dúvida, tais assuntos foram estabelecidos nas dispensações passadas, quando mais das doutrinas de salvação eram conhecidas e ensinadas do que as que nos foram reveladas até agora.

Esse documento magistral sobre a origem do homem pela Primeira Presidência da Igreja (Joseph F. Smith, John Winder e Anthon H. Lund) pode confirmar o conceito de que o espírito eterno entra no corpo antes do nascimento, e portanto, essas crianças natimortas serão ressuscitadas.

Afirma:“O corpo do homem inicia sua carreira como um minúsculo embrião, que se torna uma criança, vivificado em um determinado estágio pelo espírito de quem é o tabernáculo, e a criança, após nascer, se desenvolve-se em um homem.”

Esta interpretação está em harmonia com o conhecimento geral que temos da misericórdia e justiça daquele Ser Infinito, em cuja economia divina nada se perde.

Parece que podemos aguardar com esperança e expectativa a ressurreição de filhos natimortos.

O Presidente Brigham Young ensinou que “quando a mãe sente que a vida vem para seu filho, é o espírito entrando no corpo em preparação para a existência imortal”.

E o Presidente Joseph Fielding Smith deu sua opinião de “que esses pequeninos receberão uma ressurreição e então pertencerão a nós”.

Essas declarações podem ser particularmente reconfortantes para casais que perderam um bebê, mesmo no início da gravidez.

Por meio da tecnologia, sabemos que o feto se move e chuta bem no início da gravidez, muito antes que a mulher possa senti-lo.

Brigham Young indicou que os movimentos do bebê eram uma manifestação de que o espírito havia entrado no corpo do bebê.

Se for assim, então parece que mesmo o menor dos bebês é elegível para a ressurreição.

O fôlego da vida

A controvérsia que permeia bebês natimortos, aborto espontâneo, gravidez ectópica, aborto eletivo e sua condição na eternidade está tipicamente centrada no fato de que esses bebês nunca respiraram fora do útero.

Como foi discutido no Capítulo 1, a ciência provou que os bebês respiram dentro do útero muito cedo na gravidez, mas seus pulmões e outros órgãos são muito subdesenvolvidos para suportá-los fora do corpo da mãe.

Muito dessa confusão sobre o que constitui o “fôlego de vida” pode ser atribuída à criação de Adão, onde “formou o Senhor Deus o homem do pó da terra, e soprou em suas narinas o fôlego da vida; e o homem foi feito alma vivente” (Gênesis 2:7; ver também Moisés 3:7).

Conforme indicado na escritura, Adão não era uma “alma vivente” até que Deus colocou “o fôlego de vida” nele – ele se tornou vivo naquele instante. Isso é diferente de um bebê que está vivo no útero, que cresce e se desenvolve por vários meses.

Além disso, o Élder McConkie observa que “há uma distinção entre o espírito e o fôlego da vida”.

O relato de Abraão sobre a criação afirma: “E os Deuses formaram o homem do pó da terra, e tomaram o seu espírito (isto é, o espírito do homem) e puseram-no nele; e sopraram em suas narinas o fôlego da vida; e o homem tornou-se uma alma vivente.” (Abraão 5:7).

Esta escritura afirma claramente que o ato de colocar o espírito e o fôlego em Adão foram duas ações separadas.

Portanto, no caso do natimorto, mesmo que a respiração feita dentro do útero não se qualifique como o “fôlego de vida”, o espírito pode residir dentro do corpo antes do nascimento, e o bebê torna-se então considerado um candidato à ressurreição.

E, por fim, em Doutrina e Convênios lemos: “E o espírito e o corpo são a calma do homem” (D&C 88:15).

Se é possível presumir que um bebê em desenvolvimento que se move, chuta e cresce tem um espírito, e sabemos que tem um corpo, então, de acordo com essa escritura, ele deve ter uma alma. E torna-se elegível à ressurreição.

Pode ser interessante: O que significa um bebê arco-íris?

A ressurreição de todo ser vivente

O Élder McConkie declarou:

“Nada é mais absolutamente universal do que a ressurreição. Todo ser vivente será ressuscitado.”

É interessante, também, observar como as escrituras são específicas sobre quem e o que será ressuscitado:

“Pois todas as coisas velhas passarão e todas as coisas tornar-se-ão novas, sim, o céu e a Terra e toda a sua plenitude, tanto homens como animais, as aves do céu e os peixes do mar;

E nem um único afio de cabelo nem argueiro serão perdidos, pois são obra de minhas mãos.” (D&C 29:24-25).

Não há exceções, notas de rodapé, pós-escritos – todos serão ressuscitados.

As escrituras e escritos dos líderes da Igreja fornecem muitos detalhes sobre todas as formas de vida que serão ressuscitadas. O Élder McConkie afirma,

“Animais, aves, peixes, plantas e todas as formas de vida foram criados pela primeira vez como entidades espirituais distintas na preexistência antes de serem criados ‘naturalmente na face da terra’”.

Ele afirma ainda que “todas as formas de vida ocupam uma esfera designada e desempenham um papel eterno no grande plano de criação, redenção e salvação”.

No entanto, Paulo especificou a diferença entre os tipos de carne:

“Nem toda carne é uma mesma carne, mas uma é a carne dos homens, e outra, a carne dos animais, e outra, a dos peixes, e outra, a das aves” (1 Coríntios 15:39).

Observe que não há distinção entre a carne nascida e a não nascida.

As escrituras ainda especificam o quão preciosas as criações de Deus são para Ele:

“Não se vendem dois passarinhos por um ceitil? E nenhum deles cairá em terra sem a vontade de vosso Pai. E até mesmo os cabelos da vossa cabeça estão todos contados. Não temais, pois; mais valeis vós do que muitos passarinhos” (Mateus 10:29-31).

O Pai Celestial deve ter um lugar para esses bebês muito especiais, que certamente são mais preciosos do que os passarinhos e mais notáveis do que os cabelos de nossas cabeças.

Simplesmente não está de acordo com as doutrinas da Igreja e as escrituras que esses bebês desapareçam de alguma forma em um “buraco negro”, quando um passarinho, um peixe ou mesmo uma planta é preciosa para o Pai Celestial e terá um lugar em Seu reino.

A restauração

santidade da maternidade

O conceito de restauração anda de mãos dadas com a ressurreição. De acordo com Alma, “é necessário que todas as coisas sejam restauradas em sua própria ordem” (Alma 41:2).

Não está claro se isso significa que bebês perdidos serão restaurados como bebês totalmente desenvolvidos ou restaurados aos corpos de suas mães para completar seu desenvolvimento. Mas pode-se ter conforto no fato de que serão restaurados.

“A alma será restituída ao corpo e o corpo, à alma; sim, e todo membro e junta serão restituídos ao seu corpo; sim, nem mesmo um fio de cabelo da cabeça será perdido, mas todas as coisas serão restauradas na sua própria e perfeita estrutura” (Alma 40:23).

Por fim, o Profeta Joseph Smith explicou que todas as perdas serão eventualmente restauradas.

“Serão compensados de todas as suas perdas na ressurreição, desde que continuem a ser fiéis. Pela visão do Todo-Poderoso, eu vi essas coisas (…)”  (History of the Church 5:362).

A luz de Cristo

As escrituras nos dizem que todas as coisas estão cheias da luz de Cristo, que é mais bem explicada como a bondade inata que reside em cada um de nós por causa de nossa herança como filhos e filhas do Pai Celestial.

Esta luz nos ajuda a reconhecer a verdade e nos permite ter uma consciência. Simplificando, é o “Cristo em todos nós”. Doutrina e Convênios explica a luz de Cristo e seu significado:

“Aquele que subiu ao alto, como também desceu abaixo de todas as coisas, no sentido de que compreendeu todas as coisas, para que fosse em tudo e através de todas as coisas, a luz da verdade; Verdade essa que brilha. Essa é a luz de Cristo.

Luz essa que procede da presença de Deus para encher a imensidade do espaço — A luz que está em todas as coisas, que dá vida a todas as coisas, que é a lei pela qual todas as coisas são governadas, sim, o poder de Deus, que se assenta em seu trono, que está no seio da eternidade, que está no meio de todas as coisas.

Ele compreende todas as coisas e todas as coisas estão diante dele e todas as coisas estão ao seu redor; e ele está acima de todas as coisas e em todas as coisas e através de todas as coisas e ao redor de todas as coisas; e todas as coisas existem por ele e dele, sim, Deus, para todo o sempre. E também, em verdade vos digo: Ele deu uma lei para todas as coisas, pela qual se movem em seu tempo e em suas estações” (D&C 88: 6-7, 12-13, 41-42)

Se o Pai Celestial está “está acima de todas as coisas e em todas as coisas” e “todas as coisas existem por ele e dele”, entende-se que esses bebês são especiais simplesmente porque são Suas criações e fazem parte Dele.

Talvez esses bebês estejam apenas vivendo a vida que lhes é ditada por causa da “lei pela qual todas as coisas são governadas”. Talvez eles estejam vivendo “seu tempos e suas estações” de acordo com a vontade de nosso Pai Celestial.

As escrituras apresentam um argumento convincente de que esses bebês perdidos ressuscitarão.

De uma perspectiva escriturística e doutrinária, eles são importantes simplesmente porque existiram nesta Terra.

Todas as coisas criadas pelo nosso Pai Celestial têm uma condição especial – e esses bebês tão amados não deveriam ser exceção.

Fonte: LDS Living

| Para refletir

Comente

Seu endereço de e-mail não será divulgado. Os campos obrigatórios estão marcados com *