3 maneiras de criar um relacionamento sexual saudável no casamento

Para a maioria de nós, o dia do nosso casamento representa um começo promissor, incluindo o potencial para uma maior intimidade emocional e sexual.

Muitas vezes, também trazemos muitas expectativas para esse novo nível de intimidade. Alguns de nossos preconceitos sobre o casamento são úteis e fundamentados, enquanto outros podem atrapalhar nossa capacidade de criar uma parceria íntima.

Em meu trabalho como educadora de relacionamento e terapeuta, tenho frequentemente observado uma suposição problemática que as pessoas às vezes fazem no início do casamento: que o prazer e a paixão durante o sexo vêm facilmente no casamento, simplesmente em função de estar apaixonados.

Os desafios surgem quando os casais começam a medir sua escolha de casamento com base na realização – ou na falta dela – dessa expectativa imperfeita.

A realidade é que a desilusão é comum nos primeiros estágios do casamento.

Nosso relacionamento é testado à medida que enfrentamos as diferenças e insatisfações que vêm de limitações pessoais, personalidades diferentes e imaturidade sexual.

O conflito no relacionamento pode doer, mas a boa notícia é que provavelmente não há nada de errado!

Quando você abraça, em vez de resistir, ao desafio inerente e significativo de criar uma verdadeira parceria no casamento, isso o ajudará a responder melhor às tensões inerentes do início do casamento.

Vamos falar sobre três mudanças de perspectiva que podem ajudar a criar um relacionamento emocional e sexual mais forte.

Pode ser interessante: Um plano estratégico para o seu casamento durar para a eternidade

1. Veja a sexualidade como um presente de Deus

Como santos dos últimos dias, entendemos que a sexualidade é um presente de Deus. Também entendemos que nossos corpos não são impedimentos para nossa espiritualidade; em vez disso, são veículos em sua direção.

Acreditamos que nossa incorporação facilita nossa capacidade de nos tornarmos mais semelhantes a Deus. Como ensinou o apóstolo James E. Talmage,

“… consideramos nossos corpos como dádivas de Deus. Nós, santos dos últimos dias, não consideramos o corpo algo a ser condenado, algo a ser abominável… É peculiar à teologia dos santos dos últimos dias, considerarmos o corpo uma parte essencial da alma”.

A bondade da sexualidade é determinada pelo que fazemos com este presente. Podemos usar nossa sexualidade para sermos elevados ou rebaixados.

Aprender a amar e ser amado por meio do corpo é fundamental para nossa capacidade espiritual e de nos relacionarmos e nos permite experimentar algo da divindade por meio desse amor profundo. Também é fundamental para a felicidade no casamento.

Embora muitos temam instintivamente o prazer, a realidade é que Deus quer isso para nós no contexto do casamento porque é uma bênção, porque nos ajuda e porque Deus deseja que tenhamos alegria.

“O fato é que Deus … plantou em seu cerne aquelas afeições que são planejadas para promover sua felicidade e união” (Escritos de Parley Parker Pratt, 52–53).

Para ver a sexualidade como um presente, dê a si mesmo permissão total para descobrir e receber prazer.

Isso é especialmente importante para mulheres que aprenderam com muita frequência que a abnegação crônica é uma virtude.

Deixar-se nutrir sexualmente é uma profunda bondade para consigo mesmo e também para com o cônjuge.

A sexualidade é um presente para homens e mulheres. Deus preparou ambos os gêneros igualmente, embora de maneira diferente, para a intimidade e o prazer.

Mas muitos aprendem falsamente que a sexualidade é crítica para o bem-estar dos homens, mas não para as mulheres.

Algumas mulheres veem seu desejo limitado como uma expressão de feminilidade e acreditam que ser uma boa esposa requer cuidar das necessidades sexuais do marido.

Não é de surpreender que a acomodação passiva da esposa aos desejos do marido rapidamente transforma seu interesse inicial em ressentimento.

Sentir-se obrigado a fazer sexo sempre matará a paixão. Além disso, deixa ambos os parceiros se sentindo indesejados, incompreendidos e não amados.

2. Veja a intimidade sexual como um processo de desenvolvimento e objetivo compartilhado

Os casais devem considerar a realização sexual saudável como uma meta para trabalhar juntos e devem reconhecer que o processo leva tempo.

Os casais recém-casados ​​chegam ao relacionamento com um amplo espectro de sentimentos em relação à intimidade sexual.

Alguns podem estar bem preparados e confortáveis ​​em sua sexualidade, enquanto aprenderam que discutir sexo é um tabu, ou talvez até mesmo internalizado a noção de que a sexualidade é perigosa e uma ameaça potencial à espiritualidade e à estabilidade de um casal.

Pode levar algum tempo para um ou ambos os parceiros trabalharem esses tipos de sentimentos, portanto a paciência e a comunicação são essenciais para esse processo.

Ter paciência pode significar que um casal recém-casado não se preocupa em consumar imediatamente o casamento, mas em vez disso se concentra na exploração e no prazer compartilhados, principalmente no início.

Como as mulheres geralmente despertam mais lentamente do que os homens, é importante não se precipitar para a relação sexual.

A relação sexual na noite de núpcias muitas vezes deixa esposas inexperientes desanimadas. E quando não há animação (como acontece quando a ansiedade é alta), as mulheres podem sentir dor, o que não precisa ser o caso.

A dor inicial criará maior ansiedade e menor excitação na próxima vez, possivelmente levando a mais dor e, eventualmente, aversão sexual.

Após o casamento, começar devagar e desenvolver uma conexão sólida por meio do comportamento sensual é muito mais importante para o bem-estar a longo prazo do casal.

Leia também: Compatibilidade e casamento eterno: Se você buscar a Deus, Ele o guiará até a pessoa certa

3. Veja a sua capacidade de amar como uma habilidade que você pode desenvolver

É importante ver a intimidade sexual como uma linguagem pela qual se pode amar e ser amado, desejar e ser desejado.

É um idioma no qual você pode se tornar mais fluente com prática e atenção. Por exemplo, você pode usar o toque para comunicar rejeição ou direito, ou pode usar o toque para comunicar amor, desejo e gratidão.

Considere o que você já comunicou em seu relacionamento íntimo com seu cônjuge.

O que seu cônjuge entende sobre você durante seu momento de intimidade?

O que você expressa sobre como se sente em relação a seu cônjuge?

O que você pode mudar nas mensagens que oferece por meio de seu envolvimento físico?

Oferecer aceitação e gentileza por meio da sexualidade é uma habilidade que você pode desenvolver.

Sob essa luz, o desejo não é algo que acontece com você no casamento. Em vez disso, o desejo é uma expressão de escolha do seu cônjuge – é escolher priorizar e cuidar dele e compartilhar sua sexualidade com ele.

Esse tipo de significado oferecido por meio do contato íntimo é o que torna o sexo uma experiência unificadora e ancoradora e o que o torna desejável para casais felizes.

Encontrar paz dentro de nós mesmos

Aumentar sua capacidade de intimidade emocional e sexual pode ser desafiador, mas vale a pena.

O casamento permite que você aumente sua compreensão de Deus por meio do desenvolvimento de sua capacidade para todas as formas de intimidade; conhecer profundamente e ser conhecido cria sabedoria e alegria.

Ao amar seu cônjuge – investindo em seu bem-estar – você entende mais sobre a verdadeira natureza de Deus.

Quando Cristo nos ensina que ao nos perdermos, somos salvos (Marcos 8:35), Ele não ensina a negar o prazer.

Ele ensina a perder a necessidade de nos vermos de maneira egoísta, o que nos ajudará a enfrentar nossas limitações com honestidade e coragem em benefício do casamento.

Desta maneira, encontraremos paz dentro de nós mesmos e paz nos braços de um cônjuge.

Ao criar essa realidade por meio de nossa própria coragem, começaremos a entender um pouco sobre o céu também.

Como Parley P. Pratt ensinou:

“Nossas afeições naturais são plantadas em nós pelo Espírito de Deus, para um propósito sábio. (…) Elas são as fontes principais de vida e felicidade – são o cimento de toda sociedade virtuosa e celestial – são a essência da caridade, ou amor”.

Fonte: LDS Living

| Fortalecendo as Famílias

Comente

Seu endereço de e-mail não será divulgado. Os campos obrigatórios estão marcados com *