8 relatos divinos de profetas e apóstolos que viram o Salvador

Nossos profetas e apóstolos foram designados como testemunhas especiais de nosso Salvador Jesus Cristo. Embora não precisemos ver nosso Redentor face a face para testemunhar de Sua vida e missão divinas, alguns líderes da Igreja compartilharam relatos incríveis de quando viram o Senhor, seja através de sonhos ou visões. Suas experiências testificam do amor, graça, poder e glória de nosso Salvador.

Presidente George F. Richards

“Noite passada sonhei que via o Salvador e que o abraçava. Não consigo descrever esses sentimentos, mas acho que foi um pedaço do céu. Nunca esperarei nada melhor daqui em diante. O amor do homem pela mulher não se compara. Que sejamos fiéis e façamos todos os sacrifícios necessários para viver em Sua presença para todo o sempre” (Lucile C. Tate, LeGrand Richards, 47, citado em Sonhos como Revelação).

Durante a Conferência Geral de abril de 1974, o Presidente Spencer W. Kimball falou sobre um sonho que o Presidente George F. Richards compartilhou durante uma reunião com o Quórum dos Doze Apóstolos:

“‘O Senhor revelou aos homens, durante os sonhos, algo maior do que eu alguma vez entendi ou senti antes.” Ouvi isso mais de uma vez em reuniões do Conselho dos Doze quando George F. Richards era o presidente… Ele disse: “Eu acredito em sonhos, irmãos. O Senhor me deu sonhos que para mim são tão reais e tão de Deus quanto o sonho do Rei Nabucodonosor… ou o sonho de Leí, que através de um sonho levou a sua família para fora do país com dificuldades, rumo à terra prometida, ou quaisquer outros sonhos que possamos encontrar nas escrituras.

“‘Não tem nada de errado em ter sonhos importantes’, disse ele. E então, há mais de 40 anos, tive um sonho que tenho certeza de que era do Senhor. Neste sonho eu estava na presença do meu Salvador enquanto Ele pairava no ar. Ele não me disse nada, mas o meu amor por Ele foi tão grande que eu não tenho palavras para explicar. Eu sei que nenhum homem mortal pode amar o Senhor como eu senti naquele dia pelo Salvador, a menos que Deus apareça a ele. Eu teria ficado na sua presença, mas havia um poder que me afastava Dele.

“‘Como resultado desse sonho, eu tinha este sentimento de que, não importa o que fosse exigido de mim, o que o evangelho pudesse implicar para mim, eu faria o que fosse pedido até mesmo se custasse minha vida…

“‘Se ao menos eu pudesse estar com o meu Salvador e ter o mesmo sentimento de amor que tive naquele sonho, este seria o objetivo da minha existência, o desejo da minha vida'” (Spencer W. Kimball, “a causa é justa e digna”).

Presidente Lorenzo Snow

Quando Allie Young, neta do Presidente Lorenzo Snow, era uma jovem, costumava visitar o avô no seu escritório no templo. Uma noite, enquanto acompanhava Allie para fora do templo, o Presidente Snow de repente parou Allie no corredor e contou-lhe sobre sua experiência celestial no templo. O seguinte é um trecho de “O Senhor Precisava de um Profeta”:

“O Presidente Snow parou de repente e disse, ‘Espere um momento, Allie. Quero te dizer uma coisa.’ Allie escutou atentamente enquanto o seu avô lhe falava de uma experiência inesquecível que ele teve naquele lugar do templo: Foi aqui que o Senhor Jesus Cristo apareceu no momento da morte do Presidente Woodruff. Ele me instruiu a ir em frente e reorganizar a Primeira Presidência da Igreja imediatamente e não esperar como tinha sido feito após a morte dos presidentes anteriores, e que eu deveria suceder o Presidente Woodruff [como Presidente da Igreja].

“O Presidente Snow estendeu a mão esquerda e disse:’ Ele estava aqui, cerca de um metro acima do chão. Parecia que ele estava em cima de uma placa de ouro maciço.’

“Ainda sussurrando e reverentes, o Presidente Snow disse a Allie que a aparência do Salvador era tão gloriosa e brilhante que ele mal podia olhar para Ele.

“O presidente Snow, colocou a mão direita sobre a cabeça de Allie e disse: ‘Agora, minha neta, eu quero que você se lembre que este é o testemunho de seu avô, que saiu de seus próprios lábios, que ele realmente viu o Salvador, aqui no templo, e falou com Ele face a face’.” (Susan Arringtom Madsen, O Senhor Precisava de um Profeta, 82-83).

Presidente George Q. Cannon

Enquanto servia como missionário no Havaí, o Presidente George Q. Cannon teve uma experiência sagrada com o Salvador.

“Em uma ocasião, enquanto orava em um jardim atrás da casa de Nalimanui, o Presidente Cannon recebeu uma poderosa manifestação divina tão sagrada para ele que raramente mencionava isso em público e nunca forneceu detalhes” Daniel Peterson escreveu, compartilhou o Deseret News.

“Mais tarde, porém”, ele disse que “Deus se revelou a mim como nunca tinha feito antes… Muitas coisas me foram reveladas durante aqueles dias, quando Ele era o único amigo que tínhamos para nos apoiar. Assim, estabeleceu-se uma amizade entre o nosso Pai e eu, que acredito que nunca será esquecida ou diminuída… Ele condescendeu em ficar comigo, pois ouvi a sua voz mais de uma vez assim como um homem fala com outro.”

O testemunho pessoal e poderoso do Salvador do presidente George Q. Cannon foi mais tarde registrado em 1898 no diário de Joseph Dean, que participou de uma reunião no Templo de Salt Lake. Dean compartilhou:

“Nunca senti uma influência tão celestial na minha vida, especialmente durante a última hora. Só saímos às 12:30. Durante a última hora, nossos corações estavam tão cheios do espírito, que a maioria de nós estava em prantos e chorando de alegria. O Presidente George Q. Cannon começou a falar às 11:30. Ele estava falando ou começou a falar que sabia que Jesus era o Cristo, pois tinha visto o Seu rosto e ouvido a Sua voz. Ele foi dominado por suas emoções e ele teve de ficar de pé e não dizer nada por alguns momentos até se controlar. Ele também testificou que sabia que Deus vivia porque ele tinha visto Seu rosto e ouvido Sua voz. Ele também sabia que o Espírito Santo era um ser vivo porque ele ouvia Sua voz” (Diário de Joseph H. Dean, 3 de abril de 1898, Arquivos da Igreja).

Imagem: churchofjesuschrist.org

Elder Orson F. Whitney

“Tive uma manifestação maravilhosa, uma advertência de uma fonte Superior, impossível de ignorar. Foi um sonho, ou uma visão num sonho, enquanto me deitava na minha cama na pequena cidade de Columbia, no Condado de Lancaster, Pensilvânia. Parecia que eu estava no Jardim de Getsêmani, como uma testemunha da agonia do Salvador. Eu O vi tão claramente como vejo qualquer pessoa.

De pé atrás de uma árvore, eu vi Jesus, com Pedro, Tiago e João, enquanto eles vinham através de uma portinhola à minha direita. Deixando os três Apóstolos lá, depois de lhes dizer para se ajoelharem e orarem, o Filho de Deus passou para o outro lado, onde Ele também se ajoelhou e orou. Era a mesma oração que todos os leitores da Bíblia estão familiarizados: “Pai, se possível, passe de mim este cálice; todavia não seja como eu quero, mas como tu queres.’

“Enquanto orava, as lágrimas escorriam-lhe pelo Seu rosto, que estava virado para mim. Fiquei tão comovido ao vê-Lo, que também chorei por pura compaixão. Todo o meu coração estava com Ele; eu O amava com toda a minha alma, e ansiava estar com Ele.

“Em seguida, Ele se levantou e caminhou para onde aqueles apóstolos estavam ajoelhados, dormindo! Ele os sacudiu gentilmente, despertou-os, e em um tom de reprovação terna, sem o menor sinal de raiva ou impaciência, perguntou-lhes claramente se eles não podiam velar com ele por uma hora. Lá estava ele, com o terrível peso do pecado do mundo sobre seus ombros, com as dores de cada homem, mulher e criança penetrando em sua alma—e eles não podiam velar com ele uma única hora!

“Voltando para Seu lugar, Ele ofereceu a mesma oração de antes; então voltou e novamente os encontrou dormindo. Mais uma vez Ele os acordou, os admoestou, e mais uma vez voltou e orou. Isso ocorreu por três vezes, até que eu estava perfeitamente familiarizado com sua aparência—rosto, forma e movimentos. Ele era de nobre estatura e majestosa fisionomia – não era fraco e nem afeminado como alguns pintores o retratam; mas era o próprio Deus que Ele era e é, tão manso e humilde como uma criancinha.

“De repente, as circunstâncias pareciam mudar, a cena permaneceu na mesma. Em vez de antes, foi depois da crucificação, e o Salvador, com os três Apóstolos, agora estavam juntos em um grupo à minha esquerda. Eles estavam prestes a partir e subir para o céu. Já não aguentava mais. Fugi de trás da árvore, caí aos pés Dele, abracei-o nos joelhos, e implorei-lhe para me levar com Ele.

Jamais esquecerei a gentileza com que se abaixou, me levantou e me abraçou. Era tão vívido, tão real. Senti o calor de Seu corpo, enquanto Ele me segurava nos Seus braços e dizia com amor: “Não, meu filho; estes terminaram a sua obra; eles podem ir comigo; Mas tu deves ficar e terminar a tua.” Mesmo assim, abracei-o.

Olhando fixamente para Ele, porque era mais alto do que eu, supliquei-lhe fervorosamente: “Prometa-me que vou ter contigo no fim.” Sorrindo docemente, ele disse: “Isso dependerá inteiramente de ti,” acordei com um nó na garganta, e já era de manhã.

“‘Isso é de Deus’, disse Elder Musser, quando eu relatei a ele o que eu tinha visto e ouvido. “Não preciso que me digam isso”, foi a minha resposta. Vi claramente. Eu nunca pensei em ser um Apóstolo, nem em ter qualquer outro chamado na Igreja, e isso não veio à minha mente naquele momento. Mas sabia que estes Apóstolos adormecidos se referiam a mim. Eu estava dormindo no meu posto-como qualquer homem é que, tendo sido divinamente nomeado para fazer uma coisa, faz outra.

“Mas a partir daquela hora, tudo mudou. Nunca mais fui o mesmo homem… Eu não desisti de escrever… mas não negligenciei a obra do Senhor. Aquilo era o mais importante, qualquer outra coisa é secundária” (Orson F. Whitney, Através da Memória, 82-88, citado em Sonhos como Revelação).

Joseph Smith, Oliver Cowdery e Sidney Rigdon

A maioria dos Santos dos Últimos Dias sabe que o Pai Celestial e Jesus Cristo visitaram Joseph Smith no Bosque Sagrado em 1820, mas muitos podem não saber que o Salvador apareceu a Joseph muitas vezes mais tarde em sua vida.

Em 1836, após a dedicação do Templo Kirtland, Joseph Smith e Oliver Cowdery estavam orando no primeiro andar do templo. As cortinas caíram em torno da área do púlpito e eles viram o Senhor no púlpito. Sobre o Salvador, Joseph escreveu:

“Os seus olhos eram como uma labareda de fogo; os cabelos de sua cabeça eram brancos como a pura neve; o seu semblante resplandecia mais que o brilho do sol; e sua voz era como o ruído de muitas águas, sim, a voz de Jeová” (D&C 110:3).

Cristo disse que Ele aceitou o templo e que muitas pessoas seriam ricamente abençoadas por causa das ordenanças disponíveis.

 

Em 1831, Joseph Smith e Sidney Rigdon se mudaram para Ohio para trabalhar na tradução da Bíblia. Durante o tempo que trabalharam na tradução do Evangelho de João, perceberam que muitas verdades sobre a salvação haviam sido perdidas. Cerca de seis meses depois de chegar em Ohio, os dois tiveram uma visão de Deus e Jesus Cristo no Reino Celestial e os outros graus de glória. Esta visão é agora registrada como D&C 76.

Presidente David O. McKay

Em 1921, o Presidente David O. McKay estava viajando pelas missões da Igreja ao redor do mundo quando ele teve um sonho a bordo de um navio com destino a Apia, Samoa. Sobre este sonho que o Presidente McKay escreveu:

“Quase de noite, o reflexo do pôr-do-sol estava esplêndido! O céu estava tingido de rosa, e as nuvens vivas ao redor do horizonte estavam cercadas de vários tons de carmesim e laranja, enquanto a nuvem pesada mais a oeste era escura, em tons de roxo e preto. Estas várias cores lançavam sombras variáveis na superfície pacífica da água. Os da nuvem eram longos e escuros, os do céu carmesim, claros, mas com um cor-de-rosa que desaparecia até se fundir no azul claro do oceano.

Gradualmente, as sombras tornaram-se cada vez mais densas, e então todas se fundiram num belo e calmo crepúsculo que fez o mar parecer um grande espelho para a fraca luz da lua crescente!

“Pensando ainda sobre esta bela cena, deitei-me às dez horas daquela noite, e pensei comigo mesmo: Por mais encantador que seja, não me comove assim como as vidas inocentes das crianças e os personagens sublimes de entes queridos e amigos. Sua beleza, altruísmo e heroísmo são os mais gloriosos!

“Então adormeci, e vi em visão algo infinitamente sublime. À distância, vi uma bela cidade branca. Embora estivesse longe, eu parecia entender que árvores com frutas deliciosas, arbustos com lindas folhas coloridas, e flores em perfeitamente desabrochadas eram  abundantes em toda parte. O céu claro acima de mim parecia refletir estes belos tons de cor. Então vi uma grande multidão de pessoas se aproximando da cidade.

Cada pessoa usava um manto branco… Instantaneamente minha atenção parecia centrada em seu Líder, e embora eu pudesse ver apenas o perfil de suas características e seu corpo, eu O reconheci imediatamente como meu Salvador! O tom e o brilho do Seu rosto foram gloriosos de ver! Havia Nele uma paz que parecia sublime – era divino!

“A cidade, eu entendi, era Dele. Era a Cidade Eterna; e o povo que o seguia ali permaneceria em paz e felicidade eterna.

“Mas quem eram eles?

“Como se o Salvador lesse os meus pensamentos, Ele respondeu apontando para um semicírculo que então apareceu acima deles, e sobre os quais estavam escritas em ouro as palavras:

Estes São Os Que Venceram O Mundo — Que Verdadeiramente Nasceram De Novo!’

“Quando eu acordei, já era de manhã no porto de Apia” (David O. McKay, Queridas Experiências, 101-102, citado em Sonhoso como Revelação).

Elder Melvin J. Ballard

“Quando eu estava fazendo trabalho missionário com alguns de nossos irmãos, trabalhando entre os indígenas, buscando a luz do Senhor para decidir certos assuntos relativos ao nosso trabalho lá, e recebendo um testemunho Dele de que estávamos fazendo as coisas de acordo com Sua vontade, me encontrei uma noite nos sonhos da madrugada, naquele edifício sagrado, O Templo.

Depois de uma sessão de oração e um sentimento de regozijo, fui informado de que eu teria o privilégio de entrar em uma dessas salas para encontrar um Personagem glorioso, e quando entrei pela porta, eu vi, sentado numa plataforma elevada, o Ser mais glorioso que meus olhos já contemplaram, ou que eu nunca imaginaria que existisse em todos os mundos eternos. Quando me aproximei para ser apresentado, Ele se levantou e caminhou em minha direção de braços abertos e sorriu enquanto falava suavemente o meu nome.

Se eu vivesse por um milhão de anos, nunca esqueceria desse sorriso. Ele tomou-me em seus braços e beijou-me, me abraçou, e me abençoou, até que a medula dos meus ossos parecia derreter! Quando Ele terminou, eu caí aos Seus pés, e quando eu os banhei com minhas lágrimas e beijos, eu vi as impressões dos pregos nos pés do Redentor do mundo.

A sensação que eu tive na presença daquele que tem todas as coisas em Suas mãos, o Seu amor, Seu afeto, e Sua bênção era tão extraordinárias que se eu pudesse receber apenas aquele vislumbre novamente, eu daria tudo o que sou, tudo o que espero ser, para sentir o que eu senti naquele momento!”(Bryant S. Hinckley,  A Fé dos Patriarcas Pioneiros, 226-227, citado em Sonhos como Revelação).

Elder LeGrand Richards

Na segunda-feira, 10 de maio de 1926, LeGrand Richards, que estava servindo como missionário em New Bedford, Massachusetts, registrou um sonho divino que ele teve com Jesus Cristo. O sonho veio depois de um dia particularmente frustrante em sua missão:

“Tive um sonho muito bonito ontem à noite. Sonhei que enquanto nos encontrávamos em uma reunião do sacerdócio, o Salvador apareceu [em um pilar de luz], e imediatamente começamos a cantar ‘Hosana, Hosana, Hosana ao nosso Senhor.’ Foi um sentimento maravilhoso, e eu acordei com o pensamento de que, embora o mundo duvidasse de sua vinda, eu realmente tinha vivido para vê-la. Foi um momento doce e bonito. Espero ser digno dele quando Ele aparecer, pois sei que virá “(Lucile C. Tate, LeGrand Richards, 124-25, 136-37, citado em Sonhos como Revelação).

Fonte: LDS Living

Relacionado:

6 vezes que membros da Igreja sonharam com o Salvador

| Profetas Hoje

Comente

Seu endereço de e-mail não será divulgado. Os campos obrigatórios estão marcados com *