Como é ser figurante no set de gravações da visita de Cristo às Américas?

“Desculpe, posso compartilhar um testemunho com você? Eu sinto que realmente preciso”, disse uma mulher atrás de mim.

Eu estava entre um grupo de figurantes em um set de filmagens usado para os vídeos do Livro de Mórmon.

A mulher que se aproximou de mim não teve dificuldade em me distinguir no meio da multidão: minha blusa azul e tênis contrastavam fortemente com as túnicas castanhas e sandálias de couro que me cercavam.

Ao olhar para trás, vi uma mulher com longos cabelos castanhos cujos olhos estavam cheios de lágrimas.

Ansiosamente concordei com o seu pedido, e nos afastamos do grupo para que pudéssemos conversar sem o risco de interromper as filmagens que estava acontecendo a alguns metros de nós.

Ela se chamava Carina Coria Zapat, ela cresceu em Buenos Aires, Argentina, e agora vive em Utah com sua família.

Uma atmosfera de amor

Ao contrário de mim, esta não foi a primeira vez dela no set dos vídeos do Livro de Mórmon. Zapat também foi figurante na terceira temporada durante a representação da história do Rei Lamoni.

“Mas eu sempre quis fazer essa [cena]. Isto é muito especial para mim”, diz Zapat.

A cena a que Zapat se refere é a coroação do Livro de Mórmon: a visita do Cristo ressuscitado às Américas.

As filmagens para a 4ª temporada dos vídeos do Livro de Mórmon estão acontecendo nas últimas três semanas e irão cobrir os eventos da aparição de Cristo, como descrito em 3 Néfi. Os vídeos estarão disponíveis a partir de 2022.

Para Zapat, bem como muitos dos figurantes com quem conversei, participar do menor papel para retratar este evento sagrado nas telas tem sido uma experiência transformadora.

Figurantes tentam manter-se hidratados no set dos vídeos do Livro de Mórmon. Crédito: Jeffrey D. Allred, Deseret News

Os figurantes não têm falas e provavelmente terão um tempo de tela limitado, mesmo depois de longos dias de filmagens no sol quente de verão de Utah. Então, o que traz centenas deles de volta todos os dias?

Seus testemunhos fervorosos do Salvador e da realidade do Seu ministério no continente americano.

E mesmo que suas participações possam parecer pequenas, o diretor de cinema Blair Treu observou como seus testemunhos honestos estão trazendo 3 Néfi à vida.

“De um modo geral, todos os que escalamos não são atores profissionais, então eles realmente tiveram que se basear em seus próprios sentimentos pessoais sobre o Salvador, e isso não tem sido um problema para eles. Porque eles têm um testemunho que eles querem estar aqui, [mesmo que] estejam em pé ou sentados no calor e em muitos casos por horas”, diz Treu.

“Tivemos inúmeras vezes onde figurantes, que não são treinados, passaram por esses momentos especiais em que seus sentimentos sobre o Salvador acabaram transparecendo, e isso os coloca em uma posição perfeita para serem capturados na filmagem”.

Os figurantes estão ajudando a criar mais do que apenas fotos bonitas; eles também trazem uma atmosfera de amor para o set de filmagens.

“O sentimento aqui no set é diferente”, diz Jacqui Newell, designer de figurinos.

“É muito especial estar envolvido em algo em que não se ouve as pessoas… se estressarem. As pessoas são realmente pacientes e gentis, especialmente aqueles no set sentados lá no calor, no fundo [figurantes]. Eles realmente querem estar aqui. Eles realmente querem que o Espírito esteja aqui”, diz Jacqui Newell, a figurinista.

Então, o que exatamente esses figurantes sentem durante as filmagens que os deixa tão ansiosos para compartilhar suas histórias?

Aqui estão alguns vislumbres especiais dos bastidores da vida de um figurante no set de filmagens dos vídeos do Livro de Mórmon.

Veja também: Exclusivo | Estivemos presentes durante as gravações dos Vídeos do Livro de Mórmon!

Cristo visita o povo

O testemunho que Zapat queria tanto compartilhar comigo acontece na cena em que Jesus, interpretado pelo neozelandês Anthony Butters, aparece pela primeira vez aos nefitas e se apresenta como o Salvador.

Zapat e sua filha de 14 anos Isabella, que também é uma figurante nos vídeos do Livro de Mórmon.

“Era para nos aproximarmos dele, e ele nos deixaria tocar-lhe nas mãos e nos pés. No início, não estávamos fazendo muito bem. Estávamos indo todos ao mesmo tempo e empurrando um pouco um ao outro”, diz Zapat. “Então fomos orientados, e tentamos várias vezes, mas não estava dando certo”.

Naquele momento, Zapat começou a orar por orientação para saber como ela poderia realizar melhor aquela cena crucial.

O Espírito a levou a lembrar que enquanto ela estava olhando para um ator, ela precisava se concentrar em quem ele representava.

“Em minha mente, comecei a me lembrar de todos os nomes e títulos do Salvador: o Filho de Deus, o Messias, o Rei de Israel. Cada vez que eu lembrava de um nome, o Espírito ficava mais forte. Quando filmamos aquela cena novamente, foi a melhor. Acabamos e olhei ao meu redor e todo mundo estava chorando. Todo mundo ficou muito quieto por alguns minutos até que processamos o momento”, diz Zapat.

Ela continua: “Eu sei que isso é atuar, mas para mim os sentimentos são reais. O meu testemunho é que podemos sentir a presença do Senhor a qualquer hora e a qualquer momento que precisemos Dele. Ele pode nos apoiar. Para mim, esta foi uma pequena experiência que vou lembrar para o resto da minha vida”.

Um por um

Vários fatores nos bastidores tornaram a experiência de Zapat especial, incluindo a visão de Treu para os vídeos.

“O pensamento geral de toda esta série é que cada um deles saiu ‘adiantando-se um por um, até que todos viram com os próprios olhos,'” ele diz, citando 3 Néfi 11:15.

“Então, isso tem um significado especial para todos os envolvidos nestas cenas. Todos tiveram uma chance de ir até ele”.

Nas cenas seguintes, como Butters aborda a doutrina que Cristo ensinou no Livro de Mórmon, o diretor Treu fala para Butters se aproximar do povo, em vez de ficar longe deles.

O Diretor Blair Treu fala com o Anthony Butters. Crédito: Jeffrey D. Allred, Deseret News

“Nem todos poderiam estar ao lado dele, então [Butters] desce as escadas e ele faz seu caminho através da multidão. Ele tenta ir até o último, até mesmo o que está lá atrás”, diz ele.

“Há momentos em que ele não consegue, apenas pela virtude do que está acontecendo, mover-se através da multidão… mas tentamos articular visualmente que ele está em movimento e ele está trabalhando, ele está tentando fazer contato visual com cada pessoa que está ali”.

Butters se baseia em pelo menos duas fontes de inspiração enquanto atua: a energia do povo no set com ele e sua relação pessoal com o Salvador.

“Para mim e para o meu desempenho, tudo isso é uma resposta ao que me está sendo dado. Então, se estou sozinho, não há nada ali, mas quando olho para as pessoas e elas me dão algo, então posso trabalhar”, diz Butters.

Também pode ser interessante: 71 coisas que aprendemos com o Livro de Mórmon

“Tudo o que posso fazer é retratar o Salvador, que conheço. E o Salvador que eu conheço é cheio de amor, não é intimidante, é, provavelmente formal nas circunstâncias certas, mas quando [Ele] está com você, [Ele] não é formal, [Ele] é pessoal. O Salvador que conheço entende, tem senso de humor, passou pelo que você passou, não é alguém para ter medo de conversar”.

Anthony Butters fala com a mídia durante uma pausa das filmagens da 4ª temporada dos vídeos do Livro de Mórmon. Crédito: Jeffrey D. Allred, Deseret News

Os esforços para retratar um Salvador que conhece a todos tem início mesmo antes das câmaras começarem a filmar.

Becky Swasey, chefe do Departamento de cabelo e maquiagem, lembra do Élder Gerrit W. Gong pedindo-lhes para manter a frase “um por um” em mente enquanto eles fazem seu trabalho.

Consequentemente, enquanto Swasey e sua equipe se encontram com os figurantes, eles perguntam a cada um deles onde seus ancestrais viviam. Geralmente eles são da América Central e do Sul.

“Depois de descobrir de onde eles são, nos baseamos em uma pesquisa que remonta mais de 150 tribos em todo o mundo. Estamos tentando pegar um pedaço de sua história e colocá-la em seu personagem para que eles possam sentir essa conexão. Tem sido uma experiência incrível”.

A equipe de cabelo e maquiagem são os primeiros a chegar no set e os últimos a sair.

Swasey passa cerca de duas horas e meia preparando Butters para atuar como Jesus, o que inclui 10 peças de maquiagem protética que criam cicatrizes reais em seu corpo.

E apesar de ser um compromisso assustador, Swasey adora o que faz.

“É uma experiência linda. Temos o melhor trabalho em todo o processo porque podemos conhecer todas as pessoas aqui um por um; é o melhor trabalho de todos”, diz ela.

O apreço pelo que Cristo fez por mim

Suzi Brown e Gracie Wilcox não se conheciam antes de se encontrarem como figurantes no set, mas depois de passar três semanas juntas nesse projeto especial, elas dizem que são melhores amigas.

As figurantes Gracie Wilcox e Suzi Brown se abraçam no set.

Ambas tiveram experiências sagradas no set que as ajudaram a entender os ensinamentos do Salvador, bem como a sentir uma conexão com as pessoas que realmente presenciaram aquele momento.

“Temos estudo das escrituras pela manhã, e na semana passada uma das palavras-chave foi testemunhar”, diz Brown.

“Parece que aquelas pessoas estão aqui dizendo, ‘Você tem que contar a nossa história; você tem que testemunhar’. O amor, a partilha e o convite tornaram-se muito mais significativos agora do que antes… é quase como se tivéssemos uma obrigação sagrada”.

Wilcox recorda em lágrimas um momento em que os ensinamentos do Salvador e o amor se tornaram mais pessoais para ela.

“Quando ele fala sobre beber da taça amarga, Anthony vira-se [e] ele sorri,” ela diz.

“Eu nunca tinha pensado nisso dessa maneira, quão feliz [Cristo] estava por sofrer por você, mas ele estava… É um sentimento esmagador e de humildade pensar que [Ele] queria fazer isso por você”.

Tanto Brown quanto Wilcox descrevem sua experiência no set como “muito real”, e algo que realmente fez com que as escrituras ganhassem vida.

“Não dá para conter as lágrimas porque o Espírito é tão forte. A ideia é agarrar-se a isso a partir de agora”, diz Wilcox.

“Tenho uma perspectiva completamente diferente do apreço pelo que Cristo fez por mim e por quem eu sou – eu sou sua filha e Ele me conhece. Tem sido uma grande experiência. Mesmo que tivesse de pedir demissão para estar aqui, eu teria feito”.

Também pode interessar: A maneira única pela qual o Livro de Mórmon é um símbolo da ressurreição de Cristo

Fonte: LDS Living

| Livro de Mórmon

Comente

Seu endereço de e-mail não será divulgado. Os campos obrigatórios estão marcados com *