Quais são as melhores evidências para apoiar a autenticidade do Livro de Mórmon?

Ellis T. Rasmussen, professor emérito de Educação Religiosa na Universidade Brigham Young. O melhor suporte para a autenticidade do Livro de Mórmon é o testemunho do Espírito Santo.

Na verdade, o Senhor nos exortou a buscar esse tipo de testemunho não apenas de todo o Livro de Mórmon, mas também de suas partes. Quando Morôni, o último autor do Livro de Mórmon, fez a promessa de confirmação espiritual, ele falou especialmente dos detalhes:

“E quando receberdes estas coisas, eu vos exorto a perguntardes a Deus, o Pai Eterno, em nome de Cristo, se estas coisas não são verdadeiras; e se perguntardes com um coração sincero e com real intenção, tendo fé em Cristo, ele vos manifestará a verdade delas pelo poder do Espírito Santo.

E pelo poder do Espírito Santo podeis saber a verdade de todas as coisas“(Morôni 10:4-5).

A essência do testemunho do Espírito Santo é o testemunho do próprio livro. Grandes conceitos escritos de maneira impressionante trazem dentro deles um testemunho de validade e origem divina mais convincente do que quaisquer pistas que evidências externas possam fornecer, por mais úteis que possam ser. Esse é o caso do Livro de Mórmon.

As tentativas de provar ou refutar a autenticidade do livro, concentrando-se na descrição de Joseph Smith de como ele obteve as placas de ouro, ou em evidências antropológicas e arqueológicas, que embora interessantes, podem ter apenas um sucesso secundário.

Reconstruir a história é, na melhor das hipóteses, difícil. A evidência é sempre incompleta – uma inscrição de argila e um pouco de cerâmica aqui, ou um registro de diário e um registro de jornal ali – então qualquer imagem que os pesquisadores desenvolverem será, por natureza, fragmentária. Essa imagem mudará à medida que novas informações forem disponibilizadas.

Em contraste com a natureza indecisa das evidências externas, o Senhor providenciou uma maneira de obter apoio decisivo para a autenticidade do livro – “aquele Espírito de verdade… vos guiará a toda a verdade” (João 16:13).

Essa busca é necessariamente um assunto individual. Não importa quantos milhões tenham encontrado o evangelho e as escrituras verdadeiras, e não importa quantas pessoas tenham vivido os mandamentos com alegria, cada pessoa nova deve obter seu próprio testemunho. O testemunho do Espírito vem somente após esforço individual e busca sincera.

Deus, o Pai, estabeleceu um sistema de testemunhas para o Livro de Mórmon. O livro afirma abertamente que é a palavra de Deus.

Joseph Smith e onze outras testemunhas também prestaram testemunho do livro. A própria Bíblia serve de testemunho do Livro de Mórmon, e a isso se acrescenta o testemunho do próprio Pai por meio do Espírito Santo.

Além disso, as partes individuais do registro antigo – as doutrinas, ensinamentos, profecias e narrativas – trazem consigo um espírito de autenticidade. Para mim, essa evidência interna tem sido, depois do testemunho do Espírito Santo, a mais convincente. Entre os muitos conceitos no livro, escolhi sete conselhos-chave que considero especialmente comoventes:

Levar-nos a Cristo

A intenção dos autores do Livro de Mórmon é levar-nos a Cristo. Néfi, o jovem autor profético dos primeiros livros do registro, faz claramente essa afirmação:

“Pois tudo o que desejo é persuadir os homens a virem ao Deus de Abraão, e o Deus de Isaque, e o Deus de Jacó, e serem salvos” (1 Néfi 6:4; ver também 2 Néfi 26:33.)

Morôni, a última pessoa mencionada no registro, escreveu:

“E novamente desejo exortar-vos a avirdes a Cristo… Sim, avinde a Cristo, bsede aperfeiçoados nele e negai-vos a toda iniquidade” (Morôni 10:30, 32.).

Sem uma única exceção, cada profeta entre os dois nos ensina sobre Cristo de alguma forma, e quase todas as páginas do livro contêm alguma referência a Ele. A intenção primordial do livro se encaixa plenamente na intenção da escritura autêntica.

A condescendência e o amor de Deus

Néfi ensina que a condescendência de Deus – o dom do ministério do Salvador e o sacrifício salvador da Expiação – demonstra o amor de Deus. Em uma revelação, um anjo perguntou a Néfi: “Conheces tu a condescendência de Deus?” (1 Néfi 11:16.)

Um dos significados da palavra – paternalista – tem uma conotação negativa, mas o outro significado é bastante positivo: “renunciar à dignidade ou superioridade voluntariamente e assumir igualdade com um inferior”. (Random House Dictionary of the English Language, 1971 unabridged edition.)

À pergunta do anjo, Néfi respondeu que sabia que Deus amava seus filhos, mas que não sabia o significado de todas as coisas. Ele tinha acabado de ver em visão a cidade de Nazaré, e nela ele tinha visto uma bela virgem. Após a pergunta do anjo, Néfi a viu novamente com um bebê nos braços.

O anjo identificou o bebê como o Cordeiro de Deus, o Filho do Pai Eterno, comparando o dom de Jesus com o amor de Deus. Então o anjo declarou: “Olha e vê a condescendência de Deus!” e Néfi viu o Redentor do mundo ensinando o evangelho e se oferecendo em sacrifício. (Ver 1 Néfi 11:17-33.)

Oito capítulos depois, Néfi escreveu novamente sobre o sacrifício de Jesus:

“E o mundo, devido à iniquidade, julgá-lo-á como uma coisa sem valor; portanto, o açoitam, e ele suporta-o; e ferem-no, e ele suporta-o. Sim, cospem nele, e ele suporta-o, por causa de sua amorosa bondade e longanimidade para com os filhos dos homens.

[Ele] entregar-se-á, de acordo com as palavras do anjo, nas mãos de iníquos para ser levantado, de acordo com as palavras de Zenoque; e para ser crucificado, de acordo com as palavras de Neum; e para ser enterrado num sepulcro, de acordo com as palavras de Zenos” (1 Néfi 19: 9-10.)

Esta é uma declaração comovente de condescendência divina, de como Deus amorosamente veio à Terra e aceitou a perseguição, a crucificação e o sofrimento tão grande que sangrou por todos os poros.

O conceito da condescendência de Deus, exclusivo do Livro de Mórmon, é um testemunho poderoso da verdade do Livro de Mórmon.

Os papeis do Santo Messias

O Livro de Mórmon identifica os papéis do “Santo Messias”. Os profetas do Antigo Testamento falavam frequentemente de um futuro rei divinamente designado, descendente de Davi, com grande poder e de um servo sofredor que salvaria Israel.

Apesar das muitas profecias messiânicas, o uso de diferentes títulos para o Messias tem causado confusão sobre quem o Messias deveria ser e o que ele deveria fazer.

O Livro de Mórmon, entretanto, é explícito sobre o nome do libertador – Messias e Cristo são termos sinônimos – e sua obra.

Leí, por exemplo, ensinou a seu filho Jacó que “a redenção vem por meio do Santo Messias”. Ele continuou falando sobre a graça e verdade do Messias, seu sacrifício e misericórdia e sua intercessão por todos. (Ver 2 Néfi 2: 6-10.)

Além desse ensino, outros profetas do Livro de Mórmon discutem por que o sacrifício de Cristo teve que ser infinito em seu alcance (ver 2 Né. 9: 7; 2 Né. 25:16); como o homem sempre estaria sujeito ao diabo – carnal, sensual e diabólico – sem a Expiação (ver 2 Néfi 9: 8–9; Mosias 16: 3; Alma 42: 9–10); e que relação a lei mosaica tem com a Expiação (ver Mosias 3:15).

Esses ensinamentos esclarecem o papel do Messias e suas percepções trazem consigo a marca da autenticidade divina.

A Bíblia é uma grande herança religiosa dos judeus

O Livro de Mórmon vê a Bíblia como uma grande herança religiosa dos judeus. A família de Leí que fugiu de Jerusalém levou consigo uma cópia da Lei e dos Profetas das placas de latão.

O registro era tão valioso que eles arriscaram suas vidas para obtê-lo. Mesmo 450 anos depois da época de Leí, o rei Benjamim falou sobre a importância dessas placas:

“Meus filhos, quisera que vos lembrásseis de que, se não fosse por estas placas que contêm estes registros e estes mandamentos, teríamos permanecido em ignorância até o presente, não conhecendo os mistérios de Deus” (Mosias 1:3).

Néfi também teve uma visão do efeito que a Bíblia teria no futuro. Ele viu que na Bíblia “são transmitidas dos judeus aos gentios, em pureza, segundo a verdade que está em Deus” e que o registro de seu povo e a Bíblia se verificariam e se estabeleceriam como um. (1 Néfi 13:25, 40-41.)

Posteriormente, Néfi profetizou que a maioria não reconheceria ou agradeceria aos judeus por seu registro:

“E que agradecimento dão aos judeus pela Bíblia que recebem deles?… Lembram-se eles dos sofrimentos e dos labores e das aflições dos judeus e de sua diligência para comigo em levar a salvação aos gentios?

Ó vós, gentios, vós vos lembrastes dos judeus, meu antigo povo do convênio? Não, mas os amaldiçoastes e odiastes e não haveis procurado recuperá-los. Eis, porém, que farei voltar todas estas coisas sobre vossa cabeça; porque eu, o Senhor, não me esqueci do meu povo” (2 Néfi 29:4-5).

Esses são apenas alguns exemplos do Livro de Mórmon sobre o valor da Bíblia, um tema cuja validade parece verdadeira e que pode ser facilmente testada.

O Livro de Mórmon como um testemunho junto à Bíblia

O Livro de Mórmon profetiza sobre seu papel como um testemunho junto à Bíblia. Quando o Livro de Mórmon foi publicado pela primeira vez em 1830, a corajosa declaração em sua página de rosto diz que seu propósito é “convencer os judeus e os gentios de que Jesus é o Cristo, o Deus Eterno, que se manifesta a todas as nações”.

Muitos achavam então que a afirmação era presunçosa, mas os milhões de leitores que desde então creram em Cristo por causa do Livro de Mórmon provaram que o propósito era válido.

O papel do Livro de Mórmon como um testemunho de Cristo foi explicado a Néfi por um anjo. Néfi aprendeu que as escrituras de seus descendentes seriam “escondidas, para serem reveladas aos gentios pelo dom e poder do Cordeiro”.

“E as palavras do Cordeiro tornar-se-ão conhecidas nos registros de tua semente, assim como nos registros dos doze apóstolos do Cordeiro; portanto, ambos serão reunidos num só” (1 Néfi 13:35, 41).

O Livro de Mórmon desempenha um papel complementar com a Bíblia, declarando que “todo o significado da lei de Moisés” é direcionar nossa alma para Cristo, nosso divino Redentor (ver Alma 34:13-14).

Em nossos dias, quando bilhões de pessoas não conhecem o evangelho do Cordeiro de Deus, e quando muitos duvidam da Bíblia e da divindade de Jesus, um segundo testemunho do Salvador é extremamente necessário para que a humanidade possa conhecer a verdade e obter as bênçãos do evangelho.

Esse testemunho é fornecido pelo Livro de Mórmon e serve como mais uma marca de sua veracidade e autenticidade.

Valiosas admoestações sobre os últimos dias

O Livro de Mórmon está repleto de advertências e admoestações valiosas sobre os últimos dias. Frequentemente, os avisos são detalhados e mais claros do que os da Bíblia. Um exemplo é uma advertência em 2 Néfi 27, a versão do Livro de Mórmon de Isaías 29.

Muitos leitores de Isaías 29 têm dificuldade em entender quem está sendo avisado e qual é o aviso. O relato de Néfi, no entanto, é uma advertência clara às pessoas que lutam contra Sião – o povo do Senhor nos últimos dias. Segue-se um realinhamento quiástico do fraseado:

a. Eis, porém, que nos últimos dias… todas as nações dos gentios e também dos judeus… estarão embriagados de iniquidade e de toda espécie de abominações.

b. Serão visitados pelo Senhor dos Exércitos com grandes catástrofes.

c. E todas as nações que lutarem contra Sião… serão como o sonho de uma visão noturna… acontecer-lhes-á como ao esfomeado que sonha e eis que come, mas acorda e sua alma está vazia.

c1. Ou como ao sedento que sonha e eis que bebe, mas acorda e eis que está fraco e sua alma tem apetite; sim, será assim com a multidão de todas as nações que lutarem contra o Monte Sião.

b1. Pois eis que todos vós, que praticais iniquidades, detende-vos e assombrai-vos, porque gritareis e clamareis [aparentemente por causa das catástrofes].

a1. Estareis ébrios, mas não de vinho, e cambaleareis, mas não com bebida forte. (2 Néfi 27:1-4.)

Por meio de estudo e oração, um leitor crítico pode testar tais declarações de advertência e admoestação. Nesta área das escrituras, o Livro de Mórmon também testifica que é válido, valioso, realista e autêntico.

A preocupação dos autores do Livro de Mórmon com o bem-estar das pessoas

Os autores do Livro de Mórmon estão profundamente preocupados com o bem-estar de cada pessoa. A palavra alma no Livro de Mórmon frequentemente denota o eu eterno.

A adoração se concentra na alma, e o diabo procura enganar as almas dos homens. Se alguém se entrega ao diabo, mas depois se arrepende, é a alma que é torturada pelo tormento até que o arrependimento ocorra.

Quando a comunicação vem do céu, ela penetra as almas de homens e mulheres.

Em seu discurso de despedida, Néfi exorta seu povo a adotar um modo de vida que seja bom para o bem-estar de sua alma:

“Mas eis que vos digo que deveis orar sempre e não desfalecer; e nada deveis fazer para o Senhor sem antes orar ao Pai, em nome de Cristo, para que ele consagre para vós a vossa ação, a fim de que a vossa ação seja para o bem-estar de vossa alma” (2 Néfi 32:9).

Esses sete pontos são apenas uma breve amostra das evidências internas de que o Livro de Mórmon é uma escritura verdadeira e autêntica. Porém, o verdadeiro ônus da prova de sua autenticidade recai sobre cada leitor.

Em cada instância de doutrina, em cada passagem narrativa, em cada grande personagem do Livro de Mórmon, o Senhor nos desafiou a perguntar ao Pai, em nome de Cristo, se essas coisas são verdadeiras, e Ele manifestará a verdade a nós por meio do poder do Espírito Santo.

Fonte: Churchofjesuschrist.org

| Livro de Mórmon

Comente

Seu endereço de e-mail não será divulgado. Os campos obrigatórios estão marcados com *