Como podemos ser libertos através das ternas misericórdias do Senhor?

“E eis, porém, que eu, Néfi, vos mostrarei que as ternas misericórdias do Senhor estão sobre todos aqueles que ele escolheu por causa de sua fé, para torná-los fortes com o poder de libertação.”

1 Néfi 1:20

Saber

No primeiro capítulo de seu registro, Néfi disse que mostraria aos seus leitores que “as ternas misericórdias do Senhor estão sobre todos aqueles que ele escolheu por causa de sua fé, para torná-los fortes com o poder de libertação.” (1 Néfi 1:20). Esta passagem, que é descrita como a “tese de Néfi”, pode nos ajudar a identificar um tema chave nos escritos de Néfi, especialmente no livro de 1 Néfi.

No Velho Testamento, as palavras “ternas misericórdias” são usadas repetidamente e quase exclusivamente em Salmos. Nestas passagens bíblicas, as misericórdias estão associadas com as bênçãos de Deus, Sua bondade amorosa e Sua profunda preocupação por Seus filhos. Além disso, o Élder David A. Bednar enxerga as ternas misericórdias como “bênçãos muito pessoais e individuais. Elas são: força, proteção, segurança, orientação, ternura, consolo, apoio e dons espirituais que recebemos do Senhor Jesus Cristo.”

Néfi, no entanto, esclareceu que as ternas misericórdias do Senhor estão especificamente disponíveis para aqueles “que ele escolheu por causa da sua fé” (1 Néfi 1:20). Sabemos que este ponto era importante para Néfi porque ele enfatizou isso inúmeras vezes nas histórias que contava sobre a viagem de sua família. Por exemplo, quando os filhos de Leí foram ordenados a obter as placas de latão, Leí declarou a Néfi: “Vai, portanto, meu filho, e serás favorecido pelo Senhor, porque não murmuraste.” (1 Néfi 3:6).

Réplicas por David A. Baird. Fotografia de Daniel Smith

De que forma o Néfi era favorecido em relação aos seus irmãos? Nesta história, foi Néfi que corajosamente deixou seus irmãos e foi sozinho para a cidade para enfrentar Labão, assim como Davi estava sozinho contra Golias. Néfi foi miraculosamente guiado “pelo Espírito, não sabendo de antemão o que deveria fazer.” (1 Néfi 4:6). E então Labão, que estava caído no chão, embriagado, foi “entregue” nas mãos de Néfi pelo Senhor—algo que foi repetido duas vezes pelo Espírito (1 Néfi 4:11-12).

As histórias de Néfi seguiram este mesmo padrão depois que sua família partiu do Vale de Lemuel. Foi Néfi que não murmurou e tomou a iniciativa de fazer um arco e flecha e salvar sua família da fome. Foi Néfi que cumpriu fielmente o mandamento do Senhor de construir um navio, apesar da descrença e da zombaria de Lamã e Lemuel. E foi Néfi, cuja fé acalmou as tempestades e reativou a Liahona depois da rebelião de seus irmãos em sua viagem pelo oceano. Em cada caso, Néfi – e em vários casos, toda a sua família – foram milagrosamente libertos por causa de sua retidão pessoal.

É claro que esta situação também causou tensão e conflito entre Néfi e seus irmãos mais velhos. Os irmãos mais velhos de Néfi, aparentemente, sentiram que o seu irmão mais novo era divinamente favorecido por uma questão de herança. Eles acreditavam que os judeus eram um povo justo porque eles descendem de uma linhagem digna do convênio. Do mesmo modo, eles sentiam que, como filhos mais velhos, era seu direito governar e conduzir a família. Em uma ocasião, Néfi contrariou essas atitudes, lembrando-lhes da conquista Israelita de Canaã:

E agora supondes que os filhos desta terra, que estavam na terra da promissão, que foram expulsos por nossos pais, supondes vós que eram justos? Eis que vos digo: Não. Pensais que nossos pais teriam sido mais favorecidos do que eles, se eles tivessem sido justos? Eu vos digo: Não. (1 Néfi 17:33-34)

Em outras palavras, ser divinamente favorecido, incluindo ter maior acesso às ternas misericórdias de Deus, está diretamente dependente de dignidade. Pois todos os filhos de Deus têm uma capacidade inata de discernir entre o que é certo e errado (veja Morôni 7:15-16), isso significa que todos são livres para escolher o certo e ter acesso às ternas misericórdias do Senhor. Por este motivo, Néfi poderia apropriadamente acrescentar que “o Senhor considera toda carne igualmente; aquele que é justo é favorecido por Deus.” (1 Néfi 17:35).

O porquê

A tese de Néfi não tinha a intenção de provar com arrogância o quão incrível ele era ou quão melhor ele era do que os seus irmãos. Em vez disso, parece que o seu objetivo principal era persuadir os seus leitores de que as ternas misericórdias do Senhor estão disponíveis para todos os filhos de Deus. Ser favorecido pelo Senhor não é baseado em raça, etnia, língua, cultura, nacionalidade, riqueza ou qualquer outro fator. Em vez disso, o Senhor, com ternura e amor, fornece bênçãos adicionais para aqueles que fielmente e dignamente vêm a Ele. Por esta razão, Néfi declarou: “Pois tudo o que desejo é persuadir os homens a virem ao Deus de Abraão, e o Deus de Isaque, e o Deus de Jacó, e serem salvos.” (1 Néfi 6:4).

A tese de Néfi também fornece um aviso sobre as atitudes e os comportamentos que nos impedirão de receber as ternas misericórdias do Senhor. Em um ponto, quando os irmãos de Néfi estavam discutindo sobre o significado do sonho de Leí, Néfi lhes perguntou: “Haveis perguntado ao Senhor? E eles responderam: Não perguntamos, porque o Senhor não nos dá a conhecer essas coisas.” (1 Néfi 15:8-9). O registro de Néfi diligentemente se esforça para ajudar os leitores a superar esta atitude negativa de auto exclusão. Como o Elder David A. Bednar ensinou:

“Algumas pessoas poderão, erroneamente, não levar em conta ou rejeitar em sua própria vida a viabilidade das ternas misericórdias do Senhor, achando que: “Certamente eu não sou alguém que já foi escolhido nem que poderá sê-lo algum dia”. Talvez achemos de forma inexata que tais bênçãos e dons são reservados para outras pessoas que parecem ser mais dignas ou que servem em chamados de destaque na Igreja. Testifico que as ternas misericórdias do Senhor estão ao alcance de todos nós e que o Redentor de Israel está ansioso por conceder-nos tais dons.”

Outra preocupação é que não possamos reconhecer imediatamente as ternas misericórdias que o Senhor nos concedeu. Lamã e Lemuel, por exemplo, consideraram a visão de seu pai sobre a destruição de Jerusalém como “loucas fantasias” (1 Néfi 2:11). Como resultado, eles viram a sua viagem para o deserto como um retiro desnecessário da civilização e uma perda precipitada da riqueza da sua família. Néfi, no entanto, foi espiritualmente sensível o suficiente para buscar a sua própria revelação do Senhor, que confirmou a veracidade da visão de seu pai (ver 1 Néfi 2:16). O que parecia loucura para seus irmãos, Néfi corretamente reconheceu como um meio divino de libertação—ou, em outras palavras, uma terna misericórdia.

No final do registro de Néfi, é bastante claro que Deus repetidamente e consistentemente o abençoou e o libertou por causa de sua fé e obediência. À medida que aplicarmos o registro de Néfi a nós mesmos, podemos confiar que o Senhor nos abençoará da mesma forma em nossas próprias vidas (ver 2 Néfi 4:34). Isto não significa que as nossas provações e dificuldades vão desaparecer. Para Néfi certamente não foi assim. O que significa é que o Senhor vai nos apoiar com amor e ternura, e finalmente nos livrar de todas as nossas provações. Se formos fiéis e obedientes, nós, como Néfi, seremos capazes de olhar para trás em nossa jornada mortal e ver claramente o poder de libertação do Senhor em nossas vidas (ver 2 Néfi 4:20; 1 Néfi 17:14).

Fonte: The Book of Mormon Central

Relacionado:

Vem e Segue-me – 1 Néfi 1-7 – “Eu irei e cumprirei”

| Livro de Mórmon

Comente

Seu endereço de e-mail não será divulgado. Os campos obrigatórios estão marcados com *