Às vezes, só desejo que pareça que tenho controle sobre todas as coisas em minhas vida.  Não tenho que ter tudo necessariamente sobre controle, apenas a aparência externa de que sou organizado, autossuficiente e sempre calmo.  E, recentemente, descobri que isto é uma receita para um desastre.

Sou membro de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias (às vezes chamada de Igreja Mórmon).  Como Mórmons, acreditamos que devemos seguir nosso Salvador Jesus Cristo em seus ensinamentos e princípios ao nos esforçarmos para nos tornar mais semelhantes a Ele.  A expiação imaculada de Jesus Cristo fornece os recursos (graça) necessários para nos ajudar a tornar-nos limpos, melhorar nossas vidas e voltar a morar com Ele um dia.

E ocasionalmente é mais fácil falar do que fazer.

Em um livro intitulado Experiencing Christ: Your Personal Journey to the Savior (Experimentando o Cristo: Sua Jornada Pessoal ao Salvador, tradução livre), escrito por Randall J. Brown e publicado em 2009 pela Cedar Fort Ltda, Brown fala sobre as barreiras que nos impedem de tornarmos mais semelhantes ao Salvador:

"Vir ao Senhor não é uma negociação, é uma renúncia" (Neal A. Maxwell).

“Vir ao Senhor não é uma negociação, é uma renúncia” (Neal A. Maxwell).

O evangelho do perfeccionismo é alicerçado em um esforço próprio e nunca consegue produzir a alegria, paz e esperança que procuramos.  Nossas vidas, ao contrário, serão repletas com vazio, desânimo e vergonha.  Se é este o evangelho que estamos vivendo, então estamos perdendo o evangelho das boas novas.  Este não é o evangelho descrito pelo Salvador quando disse: “Porque o meu jugo é suave e o meu fardo é leve” (Mateus 11:30).  O evangelho do perfeccionismo é sempre um fardo muito pesado de suportar porque não importa o quanto você dedique, nunca será o suficiente.

… Perfeccionismo, behaviorismo e autossuficiência são os resultados de confiar no braço da carne.  Estas coisas nos afastam da graça do Salvador. Elas criam sentimentos de inadequação espiritual e aprofunda nosso sentimento de vergonha. Elas nos levam a adotar a falsa crença de que somos os únicos responsáveis por nossa perfeição espiritual.  A perfeição é algo que nos empurra para níveis de esforços quase desumanos, enquanto nos impede de entregar-nos a Cristo para que o poder de Seus espírito possa trabalhar conosco.

Anos passado, estava enfrentando algumas dificuldades para ajustar a nossa rotina de uma família com quatro filhos pequenos. Uma sexta pela manhã encontrei-me de pé no meio da cozinha, com um pano de prato em minhas mãos e cuidando de meus filhos.  Meu marido havia levado nosso filho de um ano de idade para o hospital naquela manhã para fazer uma cirurgia devido a uma problema em sua garganta.  Meu filho mais velho tinha uma consulta com um ortodontista dentro de uma hora que não podia ser cancelada, pois já estava esperando há muito tempo e minha filha de 4 anos havia acabado de acordar incrivelmente doente.  Não podia deixá-la com seu irmão de seis anos e não podia levá-los comigo.  No meio da demanda física e emocional diária, ancorei-me em um sentido nada saudável de orgulho e propriedade de minhas habilidades como mãe de conseguir fazer tudo sem a necessidade de ajuda de outras pessoas, incluindo, às vezes, o Senhor.

Foi a primeira vez que me lembro de conversar com Deus e confessar que não conseguia fazer tudo sozinha.  Não conseguia lidar com as demandas necessárias que estavam sobre mim e ainda ter sucesso na criação de meus filhos.  Sua resposta firme veio a mim por meio de ideias de vizinhos que posso dizer que inundaram minha mente.  Senti-me calma, mas também senti sua reprovação amorosa de que eu devia ter buscado Sua ajuda muito antes daquele momento.

Esta lição fez-me sentir muito humilde.  E eu verdadeiramente senti-me mais feliz no final daquele dia reestabelecendo minha dependência do Senhor.  Você pode levar seus problemas para Ele, não importa quão pequeno possa ser.  Não há problema em confiar Nele e confessar nossas inadequações.  Jesus Cristo não é um ouvinte ocasional, mas um ombro firme onde podemos nos apoiar.  E a melhor parte é que Ele espera que nos apoiemos Nele!

 

Ao virmos a Cristo, seremos ensinados através de nossas próprias experiências, desafios e aflições.  Estas dificuldades podem tornar-se o catalisador que nos leva de volta à Cristo e nos permite experimentá-Lo de um modo que nãos seria possível em outras ocasiões.

Se você já teve um destes dias onde a balança da vida real não está pesando a seu favor, espero que procure o auxílio confortador da graça de Jesus Cristo.  Ela é real.  Ela fez com que minha casa se tornasse um lugar mais feliz para ficarmos.

*Este artigo foi adaptado de Experiencing Christ: Your Personal Journey to the Savior (Experimentando o Cristo: Sua Jornada Pessoal ao Salvador, tradução livre), por Randall J. Brown, 2009, Horizon Books.

Este artigo foi escrito por Rachael McKinnon, membro de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias.

 

Rachael Carver McKinnon

 

 

Rachael Carver McKinnon possui um bacharelado em Ciências Humanas e um MBA da Universidade Brigham Young. Ela mora atualmente em Draper, Utah, com seu marido, Greg. Quando não está dedicando a seus quatro filhos, ela adora andar de bicicleta e nadar.

Recursos Adicionais:

Quem é o Deus Cristão?

Jesus Cristo no Mormonismo

O Propósito da Vida

Visite o site www.mormon.org.br