Quais os possíveis pensamentos dos discípulos durante a Última Ceia?

Uma tarde, entrei no quarto do meu filho e o vi a tocar calmamente. Percebi que ele estava envolvido num jogo imaginário, mas eu não sabia o que estava acontecendo.

Ele tinha virado sua cadeira infantil para formar uma mesa e, em seguida, ele tinha cuidadosamente colocado um livro em cima.

O que ele disse a seguir me deixou paralisada. Ele cuidadosamente dobrou seus pequenos braços e inclinou sua cabeça e disse em sua doce voz, “Oh Deus, por favor abençoe este pão.”

Ele então me entregou o livro que serviu como uma bandeja improvisada.

Ele estava observando e aprendendo. Quer fosse na igreja ou em casa, a beleza do sacramento não tinha sido perdida neste menino.

O meu filho e eu temos muito em comum: de muitas maneiras, ambos estamos apenas começando a nossa jornada para compreender verdadeiramente o que o sacramento significa para nós.

Os discípulos na última ceia

implicações do sacramento, reuniões sacramentais, ordenança do sacramento

Embora eu não estivesse presente naquela cena sagrada da Última Ceia, gosto de imaginar os sentimentos ternos que seus amigos e discípulos mais próximos poderiam ter tido naquela época.

Aqueles não eram apenas homens que O tinham seguido durante o Seu ministério terreno, aqueles eram os Seus amigos. Eles tinham sido testemunhas em primeira mão de Sua divindade e missão.

Quando Cristo abençoou o pão e, em seguida, a água e deu-lhes, estes homens humildes entenderam o que Cristo estava fazendo?

O Élder Jeffrey R. Holland explicou o significado do momento:

“O cenário era Jerusalém,  na época da Páscoa, uma come­mo­ra­ção rica em sim­bo­lis­mo pelo que esta­va para acon­te­cer. Muito tempo atrás os israe­li­tas, que viviam como escra­vos, em tor­men­to, tinham sido pou­pa­dos e, final­men­te, liber­ta­dos pelo san­gue de um cor­dei­ro que fora pas­sa­do na verga e nas ombrei­ras das por­tas de suas casas no Egito. Então, após todos esses anos, todas essas pro­fe­cias e todas essas ofer­tas sim­bó­li­cas, o sím­bo­lo e a repre­sen­ta­ção iam tor­nar-se rea­li­da­de. Nessa noite em que o minis­té­rio mor­tal de Jesus esta­va por con­cluir-se, a decla­ra­ção de João Batista no iní­cio de seu minis­té­rio tinha maior sig­ni­fi­ca­do do que jamais tive­ra—“Eis o Cordeiro de Deus”.

Embora ninguém possa ter certeza do que aqueles primeiros discípulos estavam pensando naquela noite mais importante, talvez os emblemas lembraram-lhes alguns dos momentos que tinham experimentado pessoalmente com Cristo.

A reflexão dos discípulos

Talvez ao vê-Lo partir o pão, eles se lembraram quando Ele tinha feito o impossível e alimentado os 5 mil com apenas cinco pães. Ou talvez tenham lembrado de como Ele estava sentado ensinando ao povo a parábola do joio e do trigo.

Quando Ele abençoou o cálice de vinho, eles pensaram naquela experiência milagrosa onde Cristo realizou o seu primeiro milagre e transformou água em vinho?

Ou talvez os seus pensamentos se tenham voltado quando o ouviram aconselhar :

“Nem se põe vinho novo em odres velhos; do contrário rompem-se os odres, e entorna-se o vinho, e os odres estragam-se; mas põe-se vinho novo em odres novos, e ambos se conservam.” (Mateus 9:17).

Talvez se lembrassem ainda mais das memórias pessoais que tinham com Cristo. Experiências não registradas em nossa escritura canonizada, pois certamente deve ter havido inúmeros outros milagres e memórias.

Aqueles discípulos fiéis estavam com Cristo durante o seu curto, mas avassalador ministério, mas eles entenderam para o que aquela refeição sacramental significava? Eles viram que esses emblemas apontavam para a Expiação íntima e infinita de Cristo?

O significado nos símbolos

Dentro de horas Cristo deixaria aquele cenário sacramental e daria início ao inimaginável. Ele colocaria sobre Suas costas as dores, pecados e doenças de Seu povo.

Por meio de Seu do sofrimento de seu corpo e por Suas preciosas gotas de sangue, Cristo deu significado eterno àquela refeição sacramental.

Se a Última Ceia tivesse ocorrido sem as experiências inimagináveis do Getsêmani e da cruz, estes símbolos não teriam um significado tão poderoso.

Mas elas têm significado: Estes símbolos apontam para Cristo. Apontam não só para a Sua vida, mas também para o propósito da Sua vida. “Ele instituiu o sacramento como um lembrete de Seu grande sacrifício expiatório” (“O Cristo Vivo”, 2000).

Estes emblemas nos lembram da Expiação de Cristo e nos dão acesso ao poder que vem por causa de Seu sacrifício amoroso.

O significado do sacramento em nossas vidas

Embora o símbolo do pão e da água seja algo que podemos experimentar todos os domingos, Cristo como mestre professor pode mudar a nossa perspectiva semana a semana.

Não é notável que dois simples símbolos possam assumir um número infinito de significados pessoais?

Como os discípulos da antiguidade podem ter feito, nós também podemos refletir sobre as experiências em que Cristo nos mudou pessoalmente.

Aqui estão algumas perguntas que achei úteis para ponderar durante o sacramento:

O que a vida de Cristo e Sua Expiação significam para mim ?

O que o pão e a água representam para mim?

Como posso ter experiências mais pessoais com Cristo?

Do que preciso me arrepender e como posso me tornar mais uma pessoa como Cristo?

Como posso mostrar mais amor e misericórdia àqueles que me rodeiam?

Como posso ter mais fé em Cristo e ter mais poder por meio dos meus convênios?

Eu adoro o exemplo do Presidente Russell M. Nelson de refletir durante o sacramento:

“Participar do sacramento é um processo mental sagrado, e como tal se torna muito pessoal para mim. Penso nos convênios que estão sendo feitos entre mim e a Deidade à medida que as orações são pronunciadas. Penso em Deus oferecendo o Seu Filho Unigênito. Penso no sacrifício expiatório do meu Salvador, Jesus Cristo. O sacramento foi instituído por Ele. Para toda a humanidade, Ele ofereceu a Sua carne e sangue e designou o pão e a água como emblemas simbólicos”.

Voltemos ao meu filho e à sua admiração e reverência. O meu filho é precioso e puro. Eu sei que no futuro ele vai cometer erros, pecado, tropeçar e cair.

Oro para que ele sempre pense em Cristo, o Filho perfeito que voluntariamente carregou o peso coletivo dos pecados da humanidade.

Oro para que ele pense nos discípulos de Cristo que eram pessoas imperfeitas fazendo o seu melhor para seguir a Cristo e que nós também, como pessoas imperfeitas, podemos mudar e progredir.

Espero que nunca deixemos de nos surpreender com o amor do Pai Celestial e pela obediência de Seu Filho perfeito.

À medida que o sacramento se torna uma experiência reveladora e fortalecedora, nós também podemos vir a dizer:

“Cristo vive em mim; e a vida que agora vivo na carne vivo-a na fé do Filho de Deus, o qual me amou, e se entregou a si mesmo por mim.” (Gálatas 2:20).

Fonte: LDS Living

| Fé em Jesus Cristo

Comente

Seu endereço de e-mail não será divulgado. Os campos obrigatórios estão marcados com *