Por que o aprendizado de idiomas é tão importante para os santos dos últimos dias?

idiomas

Os santos dos últimos dias estão presentes do mundo inteiro. Ao todo, somos mais de 16 milhões de membros. A Igreja conta com 421 missões, 159 templos, mais de 30 mil congregações, quase 70 mil missionários, 15 Centros de Treinamento Missionário. São muitas pessoas, falando muito idiomas.

O Livro de Mórmon, por exemplo, já foi traduzido para mais de 110 idiomas! É possível encontrar o Livro de Mórmon até em Guaraní. Noutro artigo, tratamos sobre a origem dos idiomas. O artigo foi publicado pelo maisfe.org e você pode lê-lo clicando aqui.

Investimos muito em educação – formal e informal. Não é por acaso que a Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, administra a Brigham Young University! Nós acreditamos que qualquer princípio de inteligência que alcançarmos nesta vida surgirá conosco na ressurreição (D&C 130:18), por esse motivo, nos melhores livros buscamos palavras de sabedoria; procuramos conhecimento, sim, pelo estudo e também pela fé (D&C 88:118). E a esse estudo, mencionamos o estudo de outras línguas.

Saber outras línguas além de nos ajudar em nosso progresso profissional, acadêmico e pessoal, acreditamos que poderemos servir mais e melhor.

Profissionalmente

De 3,7 mil para 7,3 mil reais de salário. Esta simples inversão na ordem dos números poderia fazer toda a diferença no seu bolso fim do mês, certo? Pois essa é a diferença salarial entre profissionais no nível de coordenação e o salto salarial de 61% tem um só motivo, o domínio de inglês.

A informação é parte da 53ª edição da Pesquisa Salarial da Catho que aponta o peso da fluência no idioma no salário de profissionais de diferentes níveis. Para investigar o valor da qualificação, foram entrevistadas mais de 13 mil pessoas.

Se saber falar Inglês já pode alavancar sua carreira, imagina se souber mais outros idiomas também!

Além disso, nós buscamos a autossuficiência em suas diversas áreas e claro, a financeira. Ter um melhor salário e uma carreira melhor, sem dúvida alguma nos ajudará a nos tornar autossuficientes.

Acadêmico

O nível de instrução entre os membros da Igreja costuma ser alto.  Grande parte dos membros da Igreja cursa ou já cursou alguma graduação ou curso técnico. Facilmente encontramos entre os membros de nossa congregação outros que foram além da graduação e já são mestres e às vezes doutores. E para alcançar mais destaque acadêmico, saber outros idiomas é essencial, principalmente o Inglês.

Recomendamos a leitura desse artigo, publicado pelo Jornal Gazeta do Povo, que fala sobre os obstáculos para aqueles que desejam o mestrado.

Então, para os membros da Igreja, é bem fácil encontrar manuais e materiais diversos em outros idiomas, pois acreditamos muito que o aprendizado de outras línguas é algo extremamente importante.

Pessoal

Poderíamos citar aqui vários cases de sucesso no que diz respeito a aprender novos idiomas, mas para mim, pessoalmente, é algo extraordinário. Aprendi Inglês vendo aulas no Youtube e lendo Harry Potter. Somente depois, que eu já tinha um conhecimento razoável, é que comprei um curso online de conversação. Obviamente, há muitos erros em minhas conversas e há muito sotaque ainda. Mas o fato de eu poder manter uma conversa normalmente em outro idioma que não o meu, é maravilhoso! Às vezes, não identifico uma palavra e posso não entender logo de primeira que “I don’t buy it” não é literalmente “eu não compro isso” e sim, algo como “eu não acredito nisso”, no entanto, o aperfeiçoamento vem com o tempo.

Com Italiano e Alemão está sendo a mesma coisa. O processo é demorado, não é algo que se transmite por osmose e sim, por estudo constante. Às vezes, bate um desânimo, em especial depois de um dia de trabalho e de faculdade. Mas vale a pena. Poucas sensações são tão boas para mim, que ouvir uma música em outro idioma ou ler algo em outra língua e entender o que está ali. O senso de realização pessoal é muito grande!

Oportunidades de Servir

Muitos de nossos líderes, falam outros idiomas. O Presidente Nelson, por exemplo, contou-nos sua experiência a respeito de aprender mandarim:

“Em 1979, enquanto servia como presidente geral da Escola Dominical, fui convidado a participar de um seminário de Representantes Regionais, durante o qual o Presidente Spencer W. Kimball fez um discurso inspirador sobre a abertura das portas das nações que estavam fechadas para a Igreja, como a China. Ele desafiou todos os presentes a estudar o idioma mandarim a fim de podermos oferecer nossas habilidades profissionais para ajudar o povo da China.

Para mim, o desafio do Presidente Kimball parecia ser um mandamento profético. Então, naquela mesma noite, perguntei à minha esposa Dantzel se estaria disposta a estudar mandarim comigo. Ela concordou, e então procuramos um instrutor para nos ajudar. É claro que não aprendemos a falar mandarim tão bem, mas aprendemos o suficiente. Tanto é que, quando fui convidado, em meio a vários acontecimentos inesperados, para ir à China no ano seguinte como professor visitante a fim de ensinar cirurgia de peito aberto, eu me encontrava em uma posição melhor para aceitar o convite.

Avancemos seis anos, para o ano de 1985, um ano após eu ter sido chamado para o Quórum dos Doze Apóstolos. Certo dia, recebi um pedido urgente para ir à China para realizar uma cirurgia de peito aberto em um famoso cantor de ópera, considerado herói nacional por toda a China. Expliquei que minhas responsabilidades eclesiásticas de tempo integral me impediriam de ir, mas os médicos na China suplicaram que eu fosse imediatamente para realizar a cirurgia que o salvaria.

Conversei sobre o assunto com meu presidente de quórum e com a Primeira Presidência. Eles tiveram o sentimento de que, como um favor ao povo da China, eu deveria fazer a viagem e realizar a cirurgia.

E assim o fiz. Felizmente, a operação foi um sucesso! Aliás, aquela foi a última cirurgia de peito aberto que realizei. Isso aconteceu em Jinan, na China, no dia 4 de março de 1985.

Agora, avancemos novamente, desta vez para outubro de 2015. Wendy e eu fomos convidados a voltar à Faculdade de Medicina da Universidade de Shandong, em Jinan. Ficamos impressionados quando fui calorosamente recebido como “um velho amigo” da China e me encontrei com cirurgiões que eu havia ensinado 35 anos antes. O ponto alto de nossa visita foi reunir-nos com o filho e o neto daquele famoso astro da ópera. Todas essas experiências incríveis se tornaram possíveis por um motivo: obedeci ao conselho dado por um profeta para estudar mandarim!”

Muitos outros líderes, falaram sobre o enorme desafio de aprender um novo idioma. O Élder Carlos A.Godoy, que é brasileiro, menciona isso em seu discurso “O Senhor tem um plano para nós”, proferido em Português, na Conferência Geral de Outubro de 2014! Ele diz:

“Na última vez em que falei neste púlpito, eu estava preocupado com o meu sotaque em inglês”.

Ou seja, até mesmo um grande líder, orador da conferência geral ficou preocupado ao falar em outro idioma! E hoje, o Élder Godoy pode servir ainda mais por falar outra língua.

novas designações

O Élder Utchdorf também relatou em um discurso como foi difícil aprender outro idioma:

“Quando completei onze anos, tive que sair às pressas da Alemanha Oriental por causa da orientação política do meu pai. Passei a frequentar a escola na Alemanha Ocidental, que na época era ocupada pelos americanos. Nessa escola, exigia-se que todas as crianças aprendessem inglês, e não russo. Aprender russo tinha sido difícil, mas o inglês foi impossível para mim. Achei que minha boca não tinha sido feita para falar inglês. Meus professores se esforçaram. Meus pais sofreram. Mas eu sabia que o inglês definitivamente não era o meu idioma.

Mas, então, algo mudou em minha vida de jovem. Quase todos os dias, eu ia de bicicleta até o aeroporto para ver os aviões decolarem e aterrissarem. Li, estudei e aprendi tudo o que pude sobre aviação. O meu maior desejo era tornar-me piloto. Já podia me ver sentado na cabine de um avião comercial ou de um caça militar. Sentia no fundo do coração que esse era o meu destino!

Descobri, então, que para tornar-me piloto, teria de aprender inglês. Da noite para o dia, para surpresa total de todos, pareceu que minha boca havia mudado. Consegui aprender inglês. Ainda assim, foi necessário muito trabalho, persistência e paciência, mas consegui aprender inglês! Por quê? Por causa de um motivo muito forte e justo!”

Hoje, vemos como foi útil para o Élder Utchdorf  saber Inglês!

E assim também acontece para todos os missionários, no mundo todo. Muitos missionários, não sabem o idioma do país para onde vão e em suas missões, em pouco tempo, eles aprendem e então podem servir as pessoas! Em outros casos, alguns jovens por saberem um idioma são chamados para um país falante daquela língua e assim, acabam por abençoar a vida de cada vez mais pessoas.

Aprender idiomas não é um mandamento e muito menos um requisito para ser um membro de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias. Porém, acreditamos que podemos multiplicar nossos talentos, cada dia mais e estudar idiomas e uma dessas formas.  E você? Quantos idiomas sabe falar?

 

| Inspiração
Publicado por: Inaê Leandro
Inaê Leandro é estudante de Administração, escritora e foi Jovem Senadora em terceiro lugar por Minas Gerais, no Prêmio Jovem Senador, do Senado Federal. Atua como voluntária no Instituto Oikon e mantém juntamente com amigos, o site suscitare.com.br.
sofrimento
Algo que esquecemos quando pensamos no sofrimento dessa vida
encontrar a verdade, síndrome de impostor
E se o que os Mórmon dizem for mentira?

Comente

Seu endereço de e-mail não será divulgado. Os campos obrigatórios estão marcados com *