3 coisas que não deveríamos dizer a pais e mães que estão aflitos

Ter filhos é uma bênção, mas se pensarmos no dia-a-dia, honestamente, não é fácil. O estresse é real. Os pais têm muitas coisas com que se preocupar – boletos para pagar, bocas para alimentar, prazos para cumprir, alterações climáticas e um monte de outras coisas.

Na verdade, estamos vivendo em tempos bem atarefados. E embora os pais e as mães se esforcem bastante para parecer que estão bem, algumas pessoas entendem o que estão passando e dão conselhos para os consolar. Deus abençoe essas pessoas!

No entanto, para ser honesta, alguns comentários que já ouvi, me fizeram sentir mais aflita do que consolada. Estas situações, de alguma forma, nos fazem analisar nossos pensamentos e intenções. Será que fazemos acidentalmente o mesmo com os outros pais e mães quando damos conselhos?

A decisão de ter filhos é um assunto entre marido e mulher e o Senhor.

“Você parece tão cansada(o). Acho que já está na hora de parar de ter filhos”

Pais e mães normalmente parecem sempre estar bem cansados e isso é verdade. Ter filhos exige muito tempo e energia, mas por favor não nos diga para parar de ter filhos, especialmente se você não conhece toda a nossa situação. “Os filhos são herança do Senhor….” (Salmos 127:3) A decisão de ter filhos é tomada pelo marido, pela mulher e pelo Senhor. Por mais sinceras que sejam as suas intenções, os pais e as mães podem se sentir limitados e culpados.

Quando as pessoas dizem para os casais pararem de ter filhos, parece que a culpa de todo esse cansaço é os filhos. É tão injusto para com os pequenos. E é injusto com os pais e mães. Como mães e pais, queremos ter filhos e estamos pagando o preço para tê-los em nossas vidas. Tenho a certeza de que os pais que passam a maior parte do seu tempo cuidando dos seus filhos são felizes. Podemos parecer que sempre estamos cansados, mas isso não significa que não nos sintamos recompensados pelos nossos esforços.

Uma palavra de apreço pode ir muito longe se quisermos ajudar os pais que estão se esforçando. Elogiar seus esforços é uma das soluções, e se eles precisarem de nós, podemos ajudá-los.

“Pare de se sentir assim. É uma questão de escolha.”

Obrigada por nos lembrar de nosso arbítrio, mas por favor nos deixe ser humanos. Temos todo o direito de nos sentirmos zangados, exaustos, desapontados, exaltados – e estes sentimentos precisam de ser aceitos. Já é difícil, e já temos pressão suficiente sobre os nossos ombros, sem pensar que não devemos nos sentir assim.

Irmã Reyna I. Aburto disse: “Queridas amigas, isso pode acontecer com qualquer uma de nós — especialmente quando colocamos fardos desnecessários sobre nós mesmas, por conhecermos o plano de felicidade e acharmos que precisamos ser perfeitas agora. Tais pensamentos podem ser opressivos. A perfeição é um processo que ocorre ao longo de nossa vida mortal e depois da morte — e somente é possível pela graça de Jesus Cristo.”

Todos nós estamos travando batalhas, quer as possamos ver ou não. Palavras gentis de encorajamento podem ajudar muito. No entanto, sejamos mais sensíveis e recordemos que, às vezes, um ouvido atento vale mais do que um conselho não solicitado. Podemos falar com os pais e mães e autenticar seus sentimentos de exaustão, medo ou raiva. Uma simples palavra de apreço pelo bem que fazem como os pais vão alegrar definitivamente o seu dia.

“Não se preocupe! Vai dar tudo certo.”

Já estamos preocupados e sabemos que as coisas não ficarão bem – pelo menos não naquele momento. As coisas às vezes – ou na maior parte das vezes – dão errado. Os planos que fazemos nem sempre se concretizarão. As coisas às vezes dão errado e às vezes as coisas pioram. Isso faz parte da nossa jornada mortal. A preocupação é normal. Por favor, não nos interprete mal. Queremos que as coisas sempre ocorram bem. Quem não gostaria? Mas se alguém falar: “Vamos aprender e crescer por meio dessa situação!” isso nos ajudaria a nos sentir muito melhor.

Vamos perceber que cada motivo de preocupação é um caminho para as lições a serem aprendidas. Podemos trabalhar em união como pais e mães, perguntando uns aos outros como podemos ser melhores pais.

Podemos viver em circunstâncias diferentes, mas temos uma coisa em comum – queremos ser os melhores pais para os nossos filhos. Então vamos usar o que temos em comum para plantar a semente da empatia e da compaixão e colher as bênçãos do trabalho de equipe.

Há muitas razões pelas quais ter filhos pode ser uma tarefa de Hércules. Isso é mais por causa dos diferentes papéis que os pais e as mães precisam preencher, especialmente em tempos difíceis.

A comunicação é uma ferramenta vital em todas os relacionamentos. Por meio de uma comunicação adequada e sincera, as barreiras entre as pessoas são quebradas e as relações são fortalecidas.

Há momentos em que, por mais sinceras que sejam as nossas intenções, não usamos as palavras certas para o que queremos comunicar. Uma coisa que podemos fazer é ouvir. Ter tempo para ouvir e entender alguém é um ato de caridade e quando escutamos, podemos consolar melhor as pessoas e servir uns aos outros.

Fonte: Faith.ph

Relacionado:

A discussão apostólica que deu vida a ‘A Família: Proclamação ao Mundo’

| Fortalecendo as Famílias

Comente

Seu endereço de e-mail não será divulgado. Os campos obrigatórios estão marcados com *