Como ajudar um ente querido a superar o vício

Como terapeuta, sei que recuperação do vício é completamente real e possível. No entanto, ver alguém que amamos sofrer com um vício pode ser assustador. E quando o medo ou o stress nos afetam, normalmente não fazemos o nosso melhor.

Muitas vezes tomamos decisões impulsivas motivadas pelo medo que pode até permitir o vício.

Nessas circunstâncias, podemos analisar a motivação por trás dos nossos comportamentos problemáticos.

Entender melhor a nós mesmos e os nossos familiares nos ajudará a fazer boas escolhas a longo prazo, fortalecer nossos relacionamentos, e apoiar aqueles com quem nos preocupamos à medida que trabalhamos na recuperação juntos.

Pode ser interessante: Superar o vício por meio da Expiação de Jesus Cristo

Reconhecer comportamentos permissivos ou baseados no medo

Comportamentos permissivos incluem proteger a pessoa que luta contra a dependência das consequências de suas ações.

Familiares ou amigos que participam desses comportamentos que têm como base o medo, podem pensar que eles estão ajudando ou podem se importar tanto com a aprovação de seu ente querido que perdem seu senso de identidade e perspectiva.

Exemplos destes tipos de comportamentos podem incluir entes queridos que guardam segredos para a pessoa com vício, dão desculpas para o seu comportamento, culpam os outros por suas ações, pagam as suas dívidas, toleram abusos ou não seguem os limites que foram criados. Estes podem ser prejudiciais à recuperação.

Entender o “porquê”

Pode ser fácil ficar frustrado com membros da família ou com você mesmo por se comportar assim. Contudo, é importante entender que comportamentos que muitas vezes rotulamos como “codependentes” ou “facilitadores” são motivados pelo medo, não por falha de personalidade.

É natural que alguém sinta medo, frustração, raiva ou ansiedade quando quer proteger um ente querido do mal.

Também é fácil culpar a si mesmo, aos outros ou a dinâmica familiar como a razão por trás do desafio da pessoa que você ama. Mas você não deve colocar a culpa em ninguém.

O vício é formado a partir de um conjunto complicado de fatores biológicos, psicológicos e sociais. Perceber que você está sob uma reação natural de medo pode trazer paz e ajudar a entender como seguir em frente.

Então, como você pode ajudar?

Sempre me perguntam: “o que posso fazer para ajudar o meu ente querido que luta contra um vício?” E a resposta geralmente começa com uma conversa sobre o medo. Veja algumas maneiras de fazer isso:

Encontre a sua própria cura

É importante procurar ajuda para você e para o seu ente querido.

Você pode começar a percorrer o seu próprio caminho para a recuperação, encontrando um terapeuta especializado em recuperação de vício, estudando os materiais do Programa de Recuperação de Vício da Igreja, falando com um líder de confiança da Igreja sobre a sua situação, ou participando de um grupo de recuperação de vício para familiares.

Procurar ajuda nem sempre é fácil, mas irá ajudar você a compreender as circunstâncias de quem você ama, encontrar cura e tomar decisões melhores para a sua própria vida.

Trabalhe em seu amor próprio

Cuidar de si mesmo permite que você tenha a energia e a força para mostrar amor e apoio aos outros de maneira saudável.

Pense nisso como regar sementes de autocompaixão e auto bondade que mais tarde florescerão em algo nutritivo para os outros.

Uma maneira de mostrar amor por si mesmo é desenvolver formas mais poderosas de lidar com o medo e o stress.

Meditação, exercício, uma boa nutrição, e um hobby pode ajudar você a superar comportamentos impulsivos e respostas pouco saudáveis ao vício do seu ente querido.

Estabeleça limites

Os limites em um relacionamento saudável são uma parte importante da jornada para a recuperação. Eles deixam as expectativas claras e definem um comportamento respeitoso.

Um exemplo de limite financeiro é decidir não dar dinheiro a alguém que luta contra a dependência até que esteja pronto para aceitar ajuda profissional.

Um exemplo de um limite emocional é distanciar-se imediatamente sempre que alguém insulta, ataca ou demonstra raiva.

Que áreas do seu relacionamento podem precisar de limites saudáveis?

Enquanto criar limites pode ser difícil e frustrante, eles podem acabar sendo a coisa mais amorosa e útil que você pode fazer para alguém com um vício. Eles são vitais para a recuperação e o sucesso.

Seja paciente consigo mesmo e com o seu ente querido enquanto você começa a colocar limites em seu relacionamento – é preciso ter prática!

Veja também: Um tipo diferente de força: Como podemos lutar contra um vício

Encontre força no Pai Celestial e em Jesus Cristo

O profeta Mórmon ensina que “o perfeito amor lança fora todo o medo” (Morôni 8:16).

O amor é poderoso! E a personificação do amor perfeito é o nosso Pai Celestial e nosso Salvador, Jesus Cristo (veja João 3:16; Doutrina e Convênios 34:1-3).

Eles nos dão o poder de expulsar o medo de nossas vidas, hoje e durante toda a nossa vida.

Fortalecer o nosso relacionamento com Eles nos dá a força e a esperança que precisamos para conseguir ajuda, encontrar a nossa própria recuperação e apoiar aqueles que amamos. Com a orientação Deles, nós podemos “fazer todas as coisas” (Alma 26:12).

Agarrar-se a esperança

Embora o vício possa ser devastador, ele também pode nos dar uma oportunidade para o refinamento espiritual.

Podemos desenvolver coragem enquanto ajudamos os membros de nossa família a serem curados. Podemos desenvolver paciência enquanto percorremos pelo caminho da recuperação.

Independentemente de onde você e o seu ente querido estão agora, não desista!

A coragem necessária para que indivíduos que sofrem com um vício e seus familiares serem curados é inspiradora.

Testemunhei milagres e sucessos com muitos que embarcaram nesta jornada espiritual.

Agarre-se a esperança. À medida que você caminha em direção à recuperação, você pode aprender a amar a si mesmo e aos outros mais plenamente e encontrar uma vida com propósito, pacífica e centrada em Cristo.

Fonte: ChurchOfJesusChrist.org

| Fortalecendo as Famílias

Comente

Seu endereço de e-mail não será divulgado. Os campos obrigatórios estão marcados com *