A pergunta de Cristo para nós em Doutrina e Convênios 18-19

Para ser honesto, quando comecei este artigo, não demorei muito e me senti sobrecarregado. Você quase que precisa de um diploma de pós-graduação em história para entender plenamente o contexto por trás de cada seção de Doutrina e Convênios. Não me interprete mal.

Compreender o contexto em que as revelações foram recebidas, em qualquer parte das escrituras, pode nos ajudar a compreender mais plenamente como as pessoas que as receberam eram reais. Esta compreensão pode nos fazer ter empatia por aqueles que vieram antes de nós, bem como ter esperança no tipo de relacionamento que podemos ter com o Senhor ao buscarmos receber revelação hoje.

Mas aprendi uma lição que nunca tinha considerado antes ao ler essas seções. Antes de ler os versículos das seções 18 e 19, comecei lendo todo tipo de informação que eu poderia encontrar. Analisei capítulos inteiros de informação biográfica sobre Oliver Cowdery e Martin Harris (duas das principais pessoas no contexto destas seções). Fui página após página dos Documentos de Joseph Smith à procura de documentos-chave para falar sobre o que o levou a estas revelações.

E quando terminei, eu realmente tinha aprendido bastante.

Eu aprendi como Martin Harris tinha vendido tudo o que tinha para publicar o Livro de Mórmon; como que mesmo Joseph Smith dizendo que ele poderia receber parte do dinheiro de volta pela venda de exemplares do Livro de Mórmon, eles simplesmente não venderam; e até mesmo como a esposa de Martin Harris escolheu se separar dele, e ainda reivindicar 20 hectares de sua propriedade para ela e deixando Martin com dificuldades financeiras depois do que ela viu como um investimento em uma publicação fracassada.

Até aprendi que, depois de perder a família, os amigos, a propriedade e quase tudo o mais que se pudesse pensar, Martin Harris foi batizado e, depois de uma longa viagem com muitas reviravoltas, morreu um membro fiel do Reino de Deus.

Que história inspiradora! Pensei no que faria se o Senhor me pedisse para desistir de tudo o que tinha pelo Reino. Eu fui inspirado pelo sacrifício de um homem que, embora certamente longe de ser perfeito, nunca parou de tentar fazer o que ele achava ser a coisa certa. Isso foi incrível!

Depois li os versículos em Doutrina e Convênios.

O que aconteceu depois foi um pouco confuso no início. Em vez de ler tudo sobre Martin Harris e sua jornada pessoal de sacrifício e fé, tudo o que vi foram versículos que apontavam para Cristo. Quase todos os versículo nestas duas seções eram sobre arrependimento: convites ao arrependimento, as alegrias do arrependimento e o preço angustiante do arrependimento. E, por sua vez, todos eles apontavam para Cristo como o centro e fonte da santidade.

“Ordeno a todos os homens em todos os lugares”, diz o Senhor em D&C 18:9-10, “que se arrependam…, porque o valor das almas é grande à vista de Deus.” Clama arrependimento a todas as pessoas, diz Ele—não por raiva, ou vingança ou ira, mas por amor.

Nestes versículos, aprendemos que Deus não quer que nos arrependamos porque Ele nos odeia ou quer nos limitar de alguma forma. Nem sequer é porque Ele nos quer castigar. A fim de evitar a dor que Ele experimentou, o que o fez com que até Ele, o “Deus, o mais grandioso de todos, tremesse de dor e sangrasse por todos os poros; e sofresse, tanto no corpo como no espírito”. Tudo o que Ele pediu é que nos arrependamos.

Como Élder Renlund explicou recentemente na Conferência Geral, a decisão de participar deste tipo de arrependimento é uma decisão alegre. E se queremos experimentar mais alegria em nossas vidas (algo que eu acho que todos nós gostaríamos de ter agora), ele diz, tudo o que precisamos fazer é começar a nos arrepender e essa alegria também pode começar a acontecer.

Mas quando escolhemos nos arrepender, quanto tempo leva para Deus entrar em nossas vidas e começar a trabalhar conosco para essa poderosa mudança que desejamos aconteça? Quanto tempo devemos esperar neste mundo de cliques instantâneos e imediatismo? Certamente, este modo antigo de fé deve ser algo em que devemos esperar pacientemente. Na verdade, não é bem por aí.

Enquanto os efeitos completos do arrependimento levam um certo tempo, a resposta para quando ele começa a nos ajudar é simples: imediatamente, diz Alma 34:31. “Se vos arrependerdes” diz ele, “imediatamente terá efeito para vós o grande plano de redenção”.

Se começarmos agora, não importa onde esse ponto de partida possa estar, o poder de Cristo pode começar a trabalhar dentro de nós agora, tão rápido quanto estamos dispostos a começar.

De volta à Doutrina e Convênios capítulo 19, aprendemos ainda mais sobre arrependimento—não apenas que Cristo sofreu uma dor inimaginável para nos libertar das cadeias do pecado, mas que qualquer castigo que seja fixado ao pecado não é um tormento sem fim. Por causa da Expiação de Cristo, o castigo eterno e infinito de que as escrituras falam são assim nomeados porque eles são o Seu castigo.

Então, se nos arrependermos, podemos ser salvos desse castigo. Pelo amor e graça do Senhor, podemos ser salvos. E essa salvação pode começar imediatamente.

Arte: Kim Yongsung

Mas não é apenas o imediatismo do arrependimento que pode nos trazer a alegria de que Cristo fala aqui. Sim, o poder purificador da Expiação de Cristo começa imediatamente quando escolhemos aceitá-Lo por meio do nosso compromisso de confessar e abandonar. No entanto, uma das doutrinas mais reconfortantes em torno do arrependimento é sobre a longevidade e plenitude absoluta do poder de cura de Cristo.

Em um de seus últimos discursos na Conferência Geral, Boyd K. Packer momentaneamente se afastou do texto de seu discurso preparado para nos ensinar isso:

“A Expiação”, disse ele, “não deixa rastros, nem vestígios. O que ela corrige é corrigido. Ela apenas cura, e o que cura permanece curado. A Expiação, que pode resgatar cada um de nós, não deixa cicatriz. Isso significa que não importa o que fizemos, onde estivemos, ou como algo aconteceu, se nos arrependermos sinceramente, Ele nos prometeu que o preço seria pago. E quando Ele expiou, isso foi resolvido. A Expiação que pode purificar todas as manchas, não importa quão difícil seja ou quanto tempo leve ou quantas vezes for necessário. (O Plano de Felicidade, Conferência Geral, abril de 2015).”

E assim, no final destes dois capítulos sobre esta escolha alegre, tendo espalhado diante de nós a alegre mensagem de arrependimento, o Senhor faz uma simples pergunta: “Eis que podes ler isto sem te regozijares e encheres de alegria o coração (D&C 19:39)?” Provavelmente não.

Então, o que é que tudo isto tem a ver com o Martin Harris e tudo o que estudei?

Além de aprender sobre as alegrias do arrependimento, nestes capítulos, eu aprendi que às vezes pode ser fácil nos distrairmos e focar mais nos detalhes históricos das escrituras e correr o risco de perder o foco em Cristo, que, como o autor e consumador da nossa fé, é para sempre e sempre será o centro das escrituras.

E enquanto as lições da vida de Martin Harris foram realmente inspiradoras, elas são de pouco valor se removidas ou mesmo se elas ofuscarem a mensagem do convite de Cristo para receber a alegria eterna por meio do arrependimento.

Assim, embora a compreensão dos contextos e origens seja importante, aprendi desta vez que eles nunca devem ofuscar o que é mais importante: a fé em Jesus Cristo, o arrependimento e os outros primeiros princípios do Evangelho. Enquanto nos apegarmos a isso, cada seção, cada versículo que lermos nos aproximará Dele, que no final, é a razão do arrependimento e até mesmo da vida de Martin Harris.

Fonte: Meridian Magazine

| Vem, e Segue-Me

Comente

Seu endereço de e-mail não será divulgado. Os campos obrigatórios estão marcados com *