As poderosas experiências dos membros da Primeira Presidência quando serviram o exército

Muitos de nossos profetas e apóstolos serviram nas forças armadas de seus respectivos países, incluindo todos os membros da Primeira Presidência.

Aqui, compartilharemos algumas das experiências mais poderosas que eles tiveram durante o serviço militar.

Presidente Russell M. Nelson

O sucesso do Presidente Nelson em ajudar a criar uma máquina de coração-pulmão em 1951 chamou a atenção do Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos Estados Unidos.

Como os Estados Unidos estavam envolvidos na Guerra da Coréia, o Departamento de Saúde e Serviços Humanos decidiu aproveitar ao máximo o dever militar obrigatório do Presidente Nelson.

Ele foi selecionado para formar uma unidade de pesquisa cirúrgica no Centro Médico do Exército Walter Reed.

 

Poucos dias após o nascimento de seu segundo filho, os planos do primeiro-tenente Nelson mudaram, ele foi transferido para o serviço ativo. Durante aquele verão de 1951, o Presidente Nelson foi até a Coreia do Sul, visitou as unidades móveis do hospital cirúrgico do exército e sugeriu melhorias.

Durante aquele período, o Presidente Nelson ficou cara a cara com perigos que ameaçavam a vida, o medo paralisante, a dor, a morte, doenças e pessoas que haviam perdido partes do corpo e a esperança.

Sem dúvida, a bondade e a compaixão do Presidente Nelson ajudaram a curar e elevar aqueles que sofriam naquelas terríveis condições.

Em uma oportunidade, o Presidente Nelson contou a história de quando conheceu um jovem soldado Santo dos Últimos Dias em um hospital. Esse jovem ajudou o Presidente Nelson a compreender a profundidade da fé.

“Quando cheguei a um hospital cirúrgico móvel do exército, um dos médicos que sabia que eu era membro de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, perguntou-me se eu estaria disposto a visitar um jovem mórmon que havia recebido o impacto de um míssil na coluna vertebral.

O jovem ficou paraplégico, ele não poderia mais usar as pernas e quando fui apresentado a este jovem, ele percebeu que eu não sabia o que dizer.

Cumprimentei-o e expressei minhas condolências e amor a ele com o melhor de minha capacidade, e ele disse: ‘Não se preocupe comigo, irmão Nelson. Eu sei porque estou aqui e não uso minhas pernas para trabalhar em minha salvação. Eu faço isso com minha fé.’

Aprendi muito com aquele jovem. Ele era menor de idade. Ele nem tinha idade suficiente para ser um élder. No entanto, ali ele enfrentava com grande fé um futuro de incapacidade de usar seus membros inferiores.

Sempre me pergunto o que aconteceu com aquele jovem maravilhoso que me ensinou muito sobre a fé.” (Saints at War: Korea and Vietnam, páginas 120-121)

Presidente Dallin H. Oaks

Pouco depois de terminar o ensino médio, o Presidente Dallin H. Oaks se viu em uma situação inesperada. Em “Life Lessons Learned”, ele explica:

“Quando eu era jovem, pensei que serviria em uma missão. Eu me formei no colégio em junho de 1950.

A milhares de quilômetros de distância, uma semana depois da formatura do ensino médio, um exército norte-coreano cruzou o paralelo 38 e nosso país entrou em guerra.

Eu tinha 17 anos, mas como membro da Guarda Nacional de Utah, logo recebi ordens de me preparar para a mobilização e o serviço ativo.

De repente, para mim e para muitos outros jovens da minha geração, a missão de tempo integral que havíamos planejado ou assumido não aconteceria”.

Embora a unidade do Presidente Oaks nunca tenha se tornado ativa, ele explicou em um discurso da Conferência Geral de 1993 as poderosas lições que aprendeu em seu tempo no exército:

“Quando tinha dezessete anos, alistei-me na Guarda Nacional de Utah. Lá aprendi que um soldado devia usar certa linguagem quando se dirigia a um oficial.

Para mim, esse foi outro exemplo de respeito à autoridade. Percebi, também, que essa linguagem especial representava, tanto para o soldado como para o oficial, um lembrete das responsabilidades de suas categorias.

Mais tarde, entendi que esse mesmo raciocínio explica por que os missionários de tempo integral devem sempre ser chamados por seus honrados títulos de élder ou sister.

As palavras que usamos, ao falar com alguém, podem identificar a natureza de nosso relacionamento com essa pessoa.

Podem também lembrar ao que fala e ao que ouve as responsabilidades que têm um para com o outro em seu relacionamento. A forma de tratamento pode ainda servir como um sinal de respeito ou afeição.

Assim é com a linguagem da oração. A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias ensina seus membros a usarem uma linguagem particular quando oram ao Pai Celestial”.

Presidente Henry B. Eyring

Devido à Guerra da Coréia, o Presidente Eyring cursou o ensino médio e se formou na faculdade ao mesmo tempo em que o número de missionários na Igreja foi severamente restringido.

Quando ele se formou e tornou-se bacharel, a Guerra da Coréia havia acabado. No entanto, o Presidente Eyring já havia se comprometido com uma comissão na Força Aérea dos Estados Unidos.

Na biografia do Presidente Eyring, “I Will Lead You Along”, lemos a seguinte experiência:

“O serviço militar de tempo integral de Hal começou imediatamente após concluir seu bacharelado.

Ele se formou na Universidade de Utah em 1955 com uma comissão da Força Aérea e com a designação de treinar como oficial de armas especiais na Base Sandia em Albuquerque, Novo México. Neste local, o exército dos Estados Unidos desenvolvia armas nucleares.

De acordo com o plano de Hal, ele passaria seis semanas treinando em Albuquerque e depois iria para outro lugar. Provavelmente, ele mudaria para um dos lugares remotos e pouco habitados do mundo, onde os Estados Unidos guardam suas armas nucleares.

Em seu segundo domingo no Novo México, Hal foi convidado para se encontrar com o Presidente Clement Hilton, do distrito da Igreja de Albuquerque. O presidente Hilton o chamou para servir como missionário de distrito.

Hal tinha sentimentos confusos sobre o chamado. A promessa de uma bênção que lhe foi dada antes de sair de casa foi cumprida.

Nessa bênção, seu novo bispo, Weldon Moore, disse que o serviço militar de Hal seria sua missão. No entanto, suas ordens militares foram claras. ‘Estou feliz em servir’, disse ele ao presidente Hilton, ‘mas partirei em quatro semanas’.

‘Sobre isso, não sei’, respondeu o presidente Hilton, ‘mas devemos chamá-lo a servir’.

Reprimindo suas dúvidas, Hal aceitou o chamado e foi trabalhar. Ele dedicou as 10 horas semanais recomendadas, conheceu e ensinou pesquisadores.

Ao final de suas seis semanas de treinamento militar, Hal foi convocado por um oficial militar sênior. Em vez de ser transferido, ele soube que ficaria em Albuquerque.

Um oficial da equipe faleceu inesperadamente, e o conhecimento em Física e o desempenho de Hal durante o treinamento, o levaram a ser recomendado para o cargo vago da equipe.

Ele não apenas ficaria em Albuquerque, mas também trabalharia com uma equipe de oficiais superiores, incluindo coronéis e generais da Força Aérea, Exército, Marinha e Fuzileiros Navais.

O benefício mais imediato desta atribuição inesperada foi a continuação de seu trabalho missionário…

As referências de missionários eram comuns e Hal participou de muitas conversões. Mais tarde, ele descreveu uma dessas experiências:

‘Há alguns anos, levei um jovem de 20 anos às águas do batismo. Meu companheiro e eu lhe ensinamos o evangelho. Ele foi o primeiro em sua família a ouvir a mensagem do evangelho restaurado.

Ele pediu para ser batizado. O testemunho do Espírito o fez querer seguir o exemplo do Salvador, que foi batizado por João Batista embora não tivesse pecados.

Quando tirei aquele jovem das águas do batismo, ele me surpreendeu ao jogar os braços em volta do meu pescoço e sussurrar em meu ouvido, com lágrimas escorrendo por seu rosto: “Estou limpo, estou limpo”.

Aquele mesmo jovem, depois de colocarmos nossas mãos em sua cabeça com a autoridade do Sacerdócio de Melquisedeque e conferirmos o Espírito Santo a ele, disse-me: ‘Quando você disse essas palavras, senti algo tão intenso como fogo descer do alto de minha cabeça até os meus pés’.

O companheiro com quem Hal serviu por mais tempo, mais de um ano, foi Jim Geddes.

Entre seus atos de serviço mais memoráveis ​​estava um pedido para dar uma bênção em uma menina que estava gravemente ferida.

O telefonema ocorreu em um dia de semana, enquanto Hal e Jim trabalhavam na base militar. A menina e seus pais estavam no hospital da base militar, o que permitiu aos dois companheiros de missão chegarem ao hospital em questão de minutos.

No hospital, os pais descreveram a situação da filha. Ela havia sido atropelada por um carro em alta velocidade enquanto atravessava a rua. A força do impacto esmagou seu crânio. Os médicos disseram que era muito improvável que ela sobrevivesse.

Os pais pediram ao Élder Eyring e ao Élder Geddes que dessem uma bênção à filha. Mas, antes de entrarem na unidade de terapia intensiva do hospital, o pai pediu que orassem com ele e sua esposa.

Em oração, ele expressou sua certeza de que os médicos estavam errados, de que, pelo poder do sacerdócio, sua filha seria curada. Ele deixou claro que o Élder Eyring e o Élder Geddes invocariam um milagre.

Mesmo aqueles que foram chamados se sentiram apreensivos. No entanto, quando eles vêem o desafio do que realmente é através dos olhos da fé, a confiança substitui o medo porque eles se voltam para Deus.

Ao entrar no quarto da menina, os élderes a encontraram deitada em uma tenda de oxigênio, cercada por médicos e enfermeiras. Algumas bandagens cobriam sua cabeça e rosto.

Aparentemente, os profissionais médicos que cuidavam da menina foram informados de que os missionários chegariam.

Eles se retiraram, mas não sem expressar seu desprezo pelos dois jovens intrusos, que careciam das armadilhas tradicionais do clero. O médico responsável resmungou: ‘Não sei o que estão planejando fazer, mas é melhor fazerem rápido’.

O Élder Geddes deu ao Élder Eyring a voz na bênção. Para sua surpresa, Hal ficou impressionado ao prometer à garota gravemente ferida que ela viveria.

Quando ele pronunciou essas palavras, a equipe médica murmurou sua desaprovação. No entanto, após vários dias tensos, parecia que a promessa seria cumprida.

Os médicos admitiram que a menina não morreria. Mesmo assim, eles se apegaram a um prognóstico de paralisia. ‘Sua filha’, disseram aos pais, ‘nunca mais voltará a andar’.

Mais uma vez, o casal angustiado, mas confiante, chamou os missionários. Mais uma vez, a bênção de Hal contradisse o prognóstico médico. A menina continuou a melhorar, lenta mas seguramente.

Antes de terminar o serviço militar e missionário de Hal, ela voltou a caminhar e foi às reuniões da Igreja com um lindo vestido amarelo que foi comprado para celebrar o milagre de sua recuperação.

Hal serviu exatamente dois anos como oficial da Força Aérea e missionário de distrito, profundamente grato por ambas as oportunidades”.

Fonte: LDS Living

| Profetas Hoje

Comente

Seu endereço de e-mail não será divulgado. Os campos obrigatórios estão marcados com *