Uma visita do mundo espiritual e uma lição do Pres. Packer sobre trabalho vicário

O livro do Presidente Packer, O Templo Sagrado, é um clássico da literatura dos Santos dos Últimos Dias que se tornou uma das obras mais completas já escritas sobre os templos. Na verdade, grande parte do material encontrado no panfleto de Preparação para entrar no Templo da Igreja vem deste livro inspirado.

Neste livro, ele compartilha uma história de um de seus ancestrais que mostra que nem todas as histórias de fantasmas são assustadoras. Algumas são extremamente sagradas e profundas.

O templo de Logan

Na rededicação do Templo de Logan, em 1979, contei uma experiência do avô de minha esposa, que escrevo aqui.

O Templo Logan é especial para a nossa família, pois lá minha esposa e eu fomos selados, e onde o avô de minha esposa aceitou o chamado para ajudar a construir o templo.

O. Law, o superintendente da construção daquele templo escreveu o seguinte no dia 25 de fevereiro de 1884:

“Esta carta certifica que o Irmão Julius Smith, residente em Brigham City tem trabalhado com afinco e de forma honrosa no Templo de Logan por quase dois anos, e como o templo está próximo de ser concluído, o seu trabalho está sendo encerrado. Ele é agora honrosamente desobrigado. Confiamos sinceramente de que o Irmão Smith pode tornar-se um participante das bênçãos da Casa do Senhor, que ele ajudou a erguer.”

Foto: ChurchOfJesusChrist.org

O Irmão Smith e sua esposa, Josephina, viviam em Brigham City, há certa distância do templo. Lá criaram catorze filhos, sendo meu sogro o mais novo. Quando os trabalhadores foram chamados para ajudar na construção do templo, ele aceitou.

Todas as segundas-feiras de manhã, ele deixava a sua família aos cuidados de sua esposa e caminhava pelo Desfiladeiro Flat Bottom, descia pelo Dry Canyon até ao extremo sul do Vale do Cache, e seguia para Logan. Depois da semana inteira de trabalho, ele ia para casa no sábado para passar o domingo com a família…

A esperança “de que o irmão Smith participasse das bênçãos da Casa do Senhor que ele havia ajudado a construir” foi amplamente cumprida. Ele ia ao templo frequentemente.

As bênçãos do templo

Quando jovem, tinha vivido entre os nativos-americanos. Nos últimos anos, quando grupos indígenas visitavam Brigham City, um deles sempre ia à casa do irmão Smith. Ele não era bem-vindo pelo resto da família, por causa disso ele sempre olhava atentamente em cada janela até que ele tivesse certeza de que o irmão Smith estava em casa. E só então ele batia à porta.

Uma noite, alguns anos após a conclusão da construção do templo, o irmão Smith estava lendo seu jornal. Ele ouviu um barulho à janela e viu o seu amigo nativo-americano espreitando à janela. Ele estava com uma expressão estranhamente triste. O irmão Smith foi até a porta e não encontrou ninguém lá, e não havia pegadas na neve sob a janela.

Este incidente o incomodou muito, e durante a semana seguinte ele tentou localizar esse amigo e obter algumas informações sobre ele. Ele soube que seu amigo havia morrido.

No devido tempo, ele escreveu: “Hoje eu fiz seu trabalho no templo.” Naquela mesma noite, ele estava olhando pelo correio e novamente ouviu um barulho à janela. Quando olhou para cima, viu o seu amigo nativo-americano, desta vez sorrindo. Ele contou essa experiência sagrada, e ao verificar o longo registro de seu trabalho feito no templo, o nome Be-a-go-tia foi encontrado.

Foto: ChurchOfJesusChrist.org

Ao longo dos anos tenho me perguntado sobre o significado da escritura encontrada três vezes no Livro de Mórmon, que “o curso do Senhor é um círculo eterno.”(1 Néfi 10:19, Alma 7:20, Alma 37:12.)

Vejo um significado no que diz respeito ao nosso trabalho por aqueles que já se foram. O trabalho da genealogia, a preparação essencial para o trabalho no templo, nos leva a procurar registros e informações sobre aqueles que viveram no passado. Olhamos para o passado para encontrá-los. Executamos ordenanças do templo para eles e, em seguida, esperamos o futuro para encontrá-los. Algo sagrado é consumado quando registramos as ordenanças feitas por aqueles que viveram no nosso passado e que ainda vivem no nosso futuro. Este trabalho é crucial para nós e para a Igreja.

Fonte: LDS Living

| Para refletir

Comente

Seu endereço de e-mail não será divulgado. Os campos obrigatórios estão marcados com *