Essa época do ano, é muito propícia para análises do que fizemos nos 365 (ou 366) dias que nos foram dados. É nessa época, que somos levados aos meses passados, analisamos o que foi feito, como foi, como deveria ter sido, o que poderíamos ter feito e não fizemos, o que não deveríamos fazer e fizemos… Uns sentem alegria imensa, por concluírem um ano de muitas conquistas, outros percebem que não fizeram nada e há aqueles que não fazem nenhum tipo de análise, porque no ano anterior, não fizeram nenhuma meta.

Em que grupo você se enquadraria? No grupo dos que nada fizeram e se arrependeram? Dos que nada fizeram, mas não tem problema? No grupo dos que estão felizes com os resultados? Ou no grupo daqueles que acreditam ter feito bastante, mas que poderia ter sido melhor?

O discurso do Élder Carlos A.Godoy, intitulado de “O Senhor tem um plano para nós”, é meu preferido, justamente por fazer-me lembrar de quem sou e porque estou aqui. Hoje, gostaria de perguntar-lhes como nos perguntou o Élder Carlos A.Godoy:

“Se continuarmos vivendo como estamos vivendo, as bênçãos prometidas irão se cumprir?”

As bênçãos vêm a nós por meio de algo muito simples – oração. Se orarmos, nós poderemos ter bênçãos. Obviamente, tudo no tempo do Senhor. Mateus 7:7-8 nos diz que se pedirmos, receberemos:

“Pedi, e dar-se-vos-á; buscai, e encontrareis; batei, e abrir-se-vos-á.

Porque todo aquele que pede, recebe; e o que busca, encontra; e ao que bate, se abre.”

Se quisermos um ano melhor, um ano de mais conquistas, de paz interior e exterior, de tranquilidade, de alegrias e de vitórias, podemos orar ao Senhor pedindo que Ele nos abençoe. Nossa oração, não precisa ser feita uma única vez e tão rápida, como um pedido de pizza! Nós podemos orar ao Senhor constantemente. Não há menção alguma nas escrituras, sobre quantas vezes podemos orar, não há limites para o amor do Senhor! Ele quer ser nosso amigo e estar conosco em todos os momentos, em todos mesmo.

revelação pessoal nas orações

Quando eu era criança, minha mãe dizia que antes de fazer qualquer coisa, devíamos fazer uma oração e eu interpretei aquilo no início, de modo literal. Ia escovar os dentes, orava. Ia trocar de roupa, orava. Ia lavar as louças, orava. Parece engraçado e talvez o seja, mas o princípio da oração ficou para sempre gravado em minha mente e em meu coração. Podemos orar antes de estudarmos, após estudarmos. Antes de sairmos, durante nosso trajeto, quando retornarmos ao lar… Nossas orações podem conter pedidos, mas principalmente podem expressar nossa gratidão e amor.

A oração, além de um privilégio, é um mandamento. O Senhor Jesus Cristo ordenou:

“Deveis sempre orar ao Pai em meu nome” (3 Néfi 18:19).

Ao criarmos o hábito de aproximar-nos de Deus em oração, nós O conheceremos e estaremos cada vez mais próximos Dele. Isso acontece, porque a oração muda corações. E os nossos desejos tornar-se-ão mais como os Dele. Nós podemos garantir para nós e para outras pessoas bênçãos que Ele está pronto a dar-nos se nós Lhe pedirmos com fé.

O Pai Celestial está sempre pronto a ouvir e responder as nossas orações. O poder dessas orações só depende de nós. Torne as suas orações significativas. Ao esforçar-nos para tornar a oração parte de nossas vidas, lembremo-nos deste conselho:

O profeta Mórmon alertou que se alguém “ora sem verdadeiro intento de coração, (…)  de nada lhe aproveita, porque, a esse, Deus não recebe” (Morôni 7:9). Para tornar suas orações significativas, é necessário que você ore com sinceridade e “com toda a energia de [seu] coração” (Morôni 7:48). Cuidado para evitar “vãs repetições” quando orar (Mateus 6:7).

Um ano melhor, dependerá em grande parte da nossa intimidade com o Pai Celestial. E essa intimidade, é criada a cada oração que a Ele fazemos.

Façamos uma lista com nossas metas para o novo ano que virá e coloquemos como meta orar sempre e ter cada mais, orações significativas. Se assim o fizermos, tudo mais irá bem!

E que sempre nos lembremos: “Ora sempre, para que saias vencedor.” (D&C 10:5)

Relacionado:

7 metas de ano novo retiradas dos ensinamentos do Pres. Nelson em 2018