Pergunta

E se eu não tiver um propósito nesta vida? Eu não consigo entender por que Deus me mandou aqui e o que Ele espera que eu faça. Como posso encontrar significado para minha vida?

Resposta

Quando se trata de nosso sofrimento, nossas experiências e nossas vidas, muitas vezes ficamos presos à pergunta: O que quer isso significa? Por que isto está acontecendo comigo? O que devo aprender com isso? Nos voltamos para o Pai Celestial procurando por significado, por propósito, para que possamos perseverar. Às vezes Ele tem lições específicas para aprendermos. Outras vezes Ele espera que criemos nosso próprio significado.

As escrituras deixam claro que todos nós temos o mesmo propósito geral de estarmos aqui: servir a Deus e servir uns aos outros. Abraão nos viu antes de nascermos, quando o Redentor disse: “E assim os provaremos, para ver se farão todas as coisas que o Senhor seu Deus lhes ordenar” (Abraão 3:25). Estamos aqui para “chorar com os que choram; sim, e consolar os que necessitam de consolo, e servir de testemunhas de Deus em todos os momentos e em todas as coisas e em todos os lugares em que vos encontreis, mesmo até a morte, para que sejais redimidos de Deus e contados com os da primeira ressurreição, para que tenhais a vida eterna ”(Mosias 18: 9).

Também temos nossos propósitos individuais e missões individuais que fomos enviados para realizar, que serão revelados a você, em parte, por meio de sua bênção patriarcal. Se você tiver uma bênção patriarcal, estude-a regularmente. Ou, como diz Woody de Toy Story: “Se não tem um, arranje!”

Mas o fato é que somos indivíduos com arbítrio. Nós fazemos escolhas todos os dias. E embora devamos buscar a orientação do Senhor, não devemos esperar que Ele dê sinal verde antes de agirmos. O Salvador disse:

“Pois eis que não é conveniente que em todas as coisas eu mande; pois o que é compelido em todas as coisas é servo indolente e não sábio; portanto, não recebe recompensa. Em verdade eu digo: Os homens devem ocupar-se zelosamente numa boa causa, e fazer muitas coisas de sua livre e espontânea vontade e realizar muita retidão. Pois neles está o poder e nisso são seus próprios árbitros. E se os homens fizerem o bem, de modo algum perderão sua recompensa ”(Doutrina e Convênios 58: 26-28).

Parte das escolhas que fazemos todos os dias incluem escolher o que nossas experiências significam. Viktor Frankl, sobrevivente do Holocausto e renomado terapeuta, disse que “o homem não deve perguntar qual é o sentido de sua vida, mas deve reconhecer que esta pergunta está sendo feita para ele.

Embora não possamos escolher totalmente nossas circunstâncias ou experiências, decidimos como as vemos e o que elas significam para nós. Embora Deus possa ter coisas que Ele quer que aprendamos, Ele também quer que tomemos o que nos foi dado e escolhamos como multiplicar e melhorar, como na parábola dos talentos.

Há sempre pelo menos duas maneiras de ver as coisas. Por exemplo, uma pessoa com uma doença séria pode decidir que Deus a está punindo ou decidir que Deus a está ensinando a valorizar a vida e a ter compaixão pelos outros. Uma pessoa em situação de pobreza pode optar por ver a sua situação como resultado de má sorte e / ou um sistema falho, ou pode optar por vê-la como uma oportunidade para se superar e ser grata pelo que tem.

Uma pessoa com uma série de relacionamentos conturbados pode decidir que “todos os bons partidos já foram escolhidos”, ou pode avaliar por que ela continua se contentando com menos e como não consegue enxergar o verdadeiro caráter das pessoas, levando-a a mudar suas perspectivas e como se comportam em um relacionamento.

Se os significados e os propósitos que você enxerga para sua vida, para suas dificuldades e experiências não são úteis para você e não o capacitam, mude-os! Mude a razão, mude o propósito, mude o significado em sua mente. Transforme isso em algo que lhe dê poder, força e capacidade de fazer a diferença, mesmo que essa diferença esteja apenas dentro de você.

Deus lhes abençoe. Eu espero que isso os ajude.

Fonte: LDSLiving

Relacionado:

Terapeuta responde: “Eu não amo mais meu cônjuge. Devo pedir o divórcio?”