Dentro da Igreja, muitas vezes ensinamos que “O plano de Satanás” era forçar todos a sempre escolher o que é certo, para que todos os filhos de Deus pudessem ser salvos.

Este plano de absoluta compulsão é uma possibilidade; no entanto, as escrituras não dão detalhes do plano de Satanás além do seu motivo — destruir o arbítrio do homem.

Esse arbítrio tem duas partes: escolha e consequência.

Enquanto a maioria das pessoas assumem que Satanás estava tentando tirar a nossa capacidade de escolher, ele também poderia ter realizado o seu objetivo, tirando ou atenuando as consequências. De qualquer forma, o arbítrio é destruído. No entanto, de qualquer forma, ele apresenta um plano atraente que remove os riscos da mortalidade (bem como o crescimento, é claro) e promete um retorno seguro à Deus.

O Plano de Satanás continua na Mortalidade

Conselho dos céus sendo apresentado - o plano de Deus venceu o plano de Satanás

Imagem via LDS.net.

Enquanto o plano de Deus centra-se inteiramente na Imortalidade e Vida eterna de Seus filhos, o plano de Satanás centra-se inteiramente em sua própria glória. Ele “procurou tomar o reino de nosso Deus e seu Cristo.” (D&C 76:28)

Enquanto ele prometeu “redimirei a humanidade toda, que uma alma não [deve] ser perdida,” talvez “o maligno que é um mentiroso desde o princípio” estava mais preocupado em ganhar seguidores e usurpar o poder de Deus do que realmente estava preocupado em cumprir essas promessas e garantir a nossa salvação — assim como ele é agora.

Na verdade, o Élder J. Reuben Clark explicou a impossibilidade de cada alternativa de seu plano:

“Ao ler as escrituras, o plano de Satanás exigia uma de duas coisas: ou a compulsão da mente, do espírito, da inteligência do homem, ou então salvar homens do pecado. Eu questiono se a inteligência do homem pode ser forçada. Certamente os homens não podem ser salvos em pecado, porque as leis de salvação e exaltação são fundadas na retidão, não em pecado.”

Como Corior aprendeu quando ficou mudo, em seguida, pisoteado até a morte por pregar contra Cristo, como a terça parte das hostes do céu aprenderam quando não chegaram a receber corpos ou retornar à Deus, como todo mundo que segue a Satanás acabará por aprender, o pai da mentira não cumprirá suas promessas: “o diabo não amparará seus filhos no último dia, mas arrasta-os rapidamente para o inferno.”

O Dicionário da Bíblia ensina: “A guerra continua em mortalidade … Os mesmos concorrentes e as mesmas questões estão fazendo a batalha, e a mesma salvação está em jogo.”

O plano de Satanás não mudou.

Ele ainda está mais preocupado com a obtenção de nós o seguirmos do que está com o cumprimento de qualquer de suas promessas vazias e impossíveis. E seu objetivo ainda é destruir o nosso arbítrio: nossa capacidade de escolher e as consequências que acompanham essas escolhas.

O plano de Satanás tira escolhas

bebidas alcoólicas

Imagem via LDS.net.

Nós falamos muitas vezes das maneiras que Satanás continua a lutar contra a escolha: drogas, álcool, cigarros, pornografia — qualquer vício que domina o nosso autocontrole e capacidade de fazer nossas próprias escolhas. Até mesmo tecnologia, comer, ou manter uma imagem podem se tornar hábitos que nos privam de nosso arbítrio.

Ele nos atrai e nos acalma para esses caminhos de aparente liberdade, sigilo e prazer com um cordel de linho, até que nos amarra com correntes inevitáveis em que perdemos o controle de nossas escolhas.

Esses perigos são reais, sedutores, e escravizantes. Ser vítima de qualquer uma das táticas de escolhas debilitantes de Satanás certamente destrói o nosso arbítrio e dá a ele o poder que sempre procurou.

No entanto, esta não é a sua única ferramenta.

O plano de Satanás tira consequências

Cadeia - Prisão

Imagem via LDS.net.

O Dicionário da Bíblia também explica, “Lúcifer e seus seguidores queriam dar salvação automaticamente à todos os que passaram pela mortalidade, sem levar em conta a preferência individual, livre-arbítrio ou dedicação voluntária.”

Em outras palavras, teríamos apenas que mostrar-se para a vida, experimentá-la de qualquer maneira que queríamos, e depois ganhar a salvação. Por um tempo.

Como Néfi explica, muitas pessoas ainda adquirem e ensinam essa ideia.

“Sim, e haverá muitos que dirão: Comei, bebei e alegrai-vos, porque amanhã morreremos; e tudo nos irá bem.
E muitos também dirão: Comei, bebei e diverti-vos; não obstante, temei a Deus — ele justificará a prática de pequenos pecados; sim, menti um pouco, aproveitai-vos de alguém por causa de suas palavras, abri uma cova para o vosso vizinho; não há mal nisso. E fazei todas estas coisas, porque amanhã morreremos; e se acontecer de sermos culpados, Deus nos castigará com uns poucos açoites e, ao fim, seremos salvos no reino de Deus.

Este é o plano de Satanás.

Desde o início ele prometeu um plano que iria salvar todos os filhos de Deus, quando na realidade ele não poderia salvar nenhum deles.

Ele está tentando separar consequência de escolha, para nos convencer de que, no fim, seremos salvos no reino de Deus, não importando o que fez ou deixou de fazer nesta vida.

Ele quer que acreditemos que ainda podemos ir para a festa de casamento, mesmo se não temos óleo suficiente para as nossas lâmpadas, e que “perseverar até o fim” significa simplesmente passar pela mortalidade até que esteja tudo terminado e depois iremos ganhar a recompensa da vida eterna.

Escolhendo o Plano de Deus

Apóstolos seguindo Jesus Cristo

Imagem via LDS.net.

No entanto, Deus tem em mente um final diferente. O final, ou meta, ou objetivo, de Seu plano é fazer-nos semelhantes a Ele. A fim de resistir até esse final as nossas escolhas, e suas consequências, importam.

Ele não quer que voltemos à Ele do mesmo jeito que saímos, porque apenas fomos obrigados a fazer o que é certo e nunca soubemos escolher. E Ele não salvará aqueles que verdadeiramente não O escolheram e a todas as consequências do verdadeiro caminho de discipulado.

O plano de Deus é misericordioso, mas também é justo, e ele requer ambos os aspectos de nosso arbítrio.

“A natureza do conflito … é tal que não poderia haver neutros, depois ou agora.” Nós ficamos firmemente com Cristo uma vez, antes. Estamos aqui para provar que iremos escolhê-lo novamente, não importando as consequências.

Este artigo foi escrito por Lisa Teixeira no site LDS.net. Traduzido por Hanny Lima.