Vivemos em um mundo cheio de oportunidades, mas também cheio de problemas. Nossa cultura moderna e atarefada parece exigir que as respostas mais profundas da alma sejam tão fáceis e estejam tão facilmente disponíveis quanto alguns cliques de uma pesquisa na internet. E é aí que uma combinação exagerada de ceticismo e ideologia materialista tem feito muitas pessoas rejeitarem a fé. Conquanto sejam a dúvida e a curiosidade fundamentais na vida humana e sejam princípios que literalmente movem o mundo, ignorar o conhecimento espiritual simplesmente por não dar tempo suficiente para que ele tenha efeito real na vida, está longe de ser algo saudável e benéfico ao ser humano. Como deixou bem claro o Presidente Uchtdorf[1], é muito fácil, e não há nada de culto ou sofisticado, em afastar-se da luz de Cristo e depois vangloriar-se por perceber que está escuro.

Tantos foram os santos justos, de todas as épocas, que puderam entoar o cântico que redime de uma vida justa e plena, estabelecida sobre a fé em Jesus Cristo, que sua natureza e aplicação podem ser comparadas a um princípio científico. É desse modo que se propõe aqui descrever nossa fé.

1. A observação é o primeiro passo

Todas as pessoas que vem a terra sentem que falta algo em suas vidas. Muitas delas passam a vida inteira pulando de credo em credo, de denominação em denominação, porque aquilo simplesmente não consegue ter efeito suficiente em sua vida. Quantas já não passaram em frente de um prédio da igreja, leram um versículo bíblico, ou observaram um membro SUD fiel e sentiram algo único e especial?[2] Esse desejo de escolher o melhor, de fazer o melhor de nossas vidas, é um fruto de algo chamado luz de Cristo, que se apresenta como nossa consciência, e vem de nossa liberdade aliada as experiências da vida.

2. Um padrão é revelado

A medida que amadurece na vida, a pessoa que realmente procura fazer o melhor que pode de sua existência é levada a observar um padrão inegável: o estado feliz e abençoado daqueles que guardam um conjunto de advertências e ensinamentos chamados de mandamentos[3]. Elas percebem uma luz no semblante dessas pessoas, que sempre provoca os mesmos bons sentimentos em seus corações. Elas veem que esse tipo de pessoas parece ter respostas sobre as perguntas que sempre as incomodaram, e uma fonte de sabedoria que nunca haviam encontrado. Veem que deve haver algo em comum com todas essas pessoas, para que sejam tão felizes!

3. Um modelo é proposto

Seja por interesse próprio, ou por atitude dessas pessoas diferentes, muitos já ouviram uma explicação vigorosa sobre a razão da felicidade descrita no ponto (2), algo que chamamos de testemunho. Essa explicação é simples, mas muito poderosa: Fé em Jesus Cristo. Essa fé constitui-se em um sistema de crenças que explica várias dúvidas da alma, e prevê felicidade, bênçãos, progresso e desenvolvimento como não experimentados de nenhuma outra forma. Essa fé baseia-se em aceitar em Jesus Cristo como o Criador e Mestre de todas as coisas[4]. Acreditar que, enquanto espírito ele agiu como o Deus de Adão, Enoque, Noé, Abraão, Isaque, Jacó, Moisés e de todos os profetas do velho testamento[5]. Acreditar que recebeu um corpo físico no meridiano dos tempos e veio a terra como Jesus de Nazaré, que pregou, curou, ensinou, advertiu, estabeleceu sua igreja e seu sacerdócio, sofreu e morreu por nossos pecados, e ressuscitou no terceiro dia[6]. Acreditar que ele revelou e reestabeleceu sua igreja e seu sacerdócio nos últimos dias através do Profeta Joseph Smith e que até hoje guia Sua igreja por meio de um profeta vivo[7]. Significa acreditar de todo o coração que todos os ensinamentos que Ele deixou pessoalmente ou por meio de seus apóstolos e profetas são verdadeiros, e agir de acordo com eles, de modo a mudar os maus caminhos, desenvolver os atributos corretos, e tornar-se mais semelhante a Ele[8].

4. As previsões são verificadas

Alma deixou claro que a fé precisa ser testada, e que devemos examinar constante e metodicamente o efeito da menor partícula de fé que se desenvolva, no coração e na vida pessoal e social[9]. É perfeitamente plausível e aconselhado que cada pessoa saiba por si própria o poder real da fé que possui. Isso é dado por meio de impressões pessoais e profundas na alma, através de um dos membros da trindade chamado Espírito Santo[10]. É dado pela alegria que se vê brotar das pessoas ao redor, e da felicidade que brota no próprio coração. É dado pela percepção contínua de que orações são respondidas, vícios são vencidos, milagres são realizados e que o impossível é gradativamente transformado em possível. A medida que as promessas feitas àqueles que seguem essa fé são, uma após a outra, cumpridas de maneira tangível e indelével, é impossível negar sua realidade.

É difícil viver num mundo que a cada dia cresce e se aproxima do mal e da incredulidade. Muitas vezes observasse até que aqueles que seguem uma conduta despreocupada ou pecaminosa tem se desenvolvido melhor do que os fiéis na fé. Contudo, todo membro fiel de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos dias, sabe que possui em abundância aquilo que mais importa. E chegará o dia na vida de todos (mesmo que seja o dia da morte) em que nenhum dinheiro ou bênção terrena poderá pagar o preço por uma vida realmente feliz e justa. Pode-se rejeitar a dúvida sincera, o estudo diligente, e o teste sincero da fé em prol do ceticismo infundado ou da escolha de seguir as tendências do mundo, comer o que comem, dançar como dançam, acreditar no que acreditam…e naquele dia, ter o mesmo destino deles. Nesse dia, os justos serão recolhidos nos celeiros, e os iníquos serão queimados na fornalha[11]. Em que lado você quer estar?

Referências:

1. Dieter F. Uchtdorf, “Não temas, crê somente”, Aliahona de Novembro de 2015
2. Mateus 5:48
3. Mosias 2:41
4. João 1:1-3
5. Atos 7:31-32
6. Atos 2:22-24
7. D&C 76:22-24
8. D&C 1:37-38
9. Alma 32:21
10. Morôni 10:4-5
11. Mateus 13:24-30